Alcei a perna no pingo / E saí sem rumo certo
Olhei o pampa deserto / E o céu fincado no chão
Troquei as rédeas de mão / Mudei o pala de braço
E vi a lua no espaço / Clareando todo o rincão

Os versos do poeta João da Cunha Vargas (musicados por Vitor Ramil no disco Ramilonga) ecoaram dentro do meu capacete ao longo dos pouco mais de 5 mil quilômetros que rodamos – eu, Dedé, Landão e Tara – entre a capital de todos os gaúchos e Viña del Mar, comuna chilena localizada na província de Valparaíso.

O plano era simples: cruzar o Pampa e a Cordilheira dos Andes para alcançar o Oceano Pacífico, riscando uma linha quase reta de um lado a outro da América do Sul. Foram 10 dias sem chuva, pneu furado ou problema mecânico, o que nos permitiu aproveitar a neve, as cervejas locais, as parrilladas e muito mais. É o que passo a contar agora.

A ida

O primeiro dia de qualquer viagem é sempre de muita empolgação; ainda assim, a BR-290 (que liga Porto Alegre a Uruguaiana) é uma velha conhecida de todos e não deveria nos surpreender – mas o tempo, quem diria, sim: ninguém apostaria que o dia mais frio de uma motocada através da cordilheira aconteceria quase ao nível do mar.

O dia seguinte começou cedo, com uma sensação térmica bem mais modesta, e depois dos trâmites de entrada na Argentina atacamos o mesmo trecho que percorremos em 2010 até Santa Fe, que no começo está em ótimas condições (com apenas um desvio e vários segmentos duplicados) mas entre San Jaime de la Frontera e Federal o concreto da RN-127 está quebrado ao longo de mais ou menos 20 quilômetros.

Viagem de Moto para o Chile

Chegamos a San Francisco no meio da tarde, em pleno feriado de 1º de maio, e pudemos ver os parques lotados de pessoas de todas as idades correndo, pedalando ou apenas mateando na sombra. Estávamos atrasados e ficaríamos mais ainda por conta das muitas cidades no caminho até Villa María, onde chegamos já com a noite fechada e, depois de descarregarmos as motos, comemos a primeira de muitas parrilladas.

Com a cabeça pesando mais que o normal (culpa das Quilmes na noite anterior), colocamos as motos na estrada às 7h30min para cumprir a meta do dia: chegar antes da noite em Mendoza. Apesar das paradas, lá pelo meio da tarde avistamos ao longe a pré-cordilheira, uma parede de pedra suntuosa visível a dezenas de quilômetros de distância. Com o sol na testa, entramos em Mendoza e fomos direto ao hotel para os procedimento de praxe (seguidos de uma caminhada pela Plaza Independencia e outra parrillada).

Viagem de Moto para o Chile

A manhã chegou rápido e com ela o primeiro trecho de chão batido da viagem, entre Mendoza e Uspallata; é quase impossível não parar a cada curva para fotografar o visual lunar da RP-52: são quilômetros de subida, com curva em cima de curva, que desembocam em um planalto a 3.000 metros de altura onde enxergamos, pela primeira vez, a neve no topo das montanhas. Descemos até Uspallata e não demorou para que chegássemos à cordilheira, um lugar de beleza inexplicável: quase sozinhos na estrada, foi possível reduzir a velocidade e contemplar a beleza dos rios, túneis, pontes, morros e da neve que se aproximava cada vez mais da estrada. A intenção inicial era subir até a estátua do Cristo Redentor e cruzar a cordilheira pelo caminho antigo, mas a quantidade de neve impediu que fizéssemos isso – e, a bem da verdade, não conseguimos sequer passar da primeira curva, onde chegamos com muito esforço, alguns sustos, vários escorregões e poucos tombos.

De volta ao asfalto, atravessamos o Túnel do Cristo Redentor e logo chegamos à aduana integrada (do lado chileno): para ingressar no Chile, é preciso descobrir o que fazer e, em seguida, passar por 5 guichês, que carimbarão pelo menos 7 vezes a papelada, para só então ter a moto revistada, cheirada pelos cachorros e revistada novamente. Este processo demorou quase 2 horas, o que fez com que chegássemos tarde da noite em Viña del Mar. A compensação veio no dia seguinte, quando caminhamos pela beira-mar, fomos até Valparaíso, comemos e bebemos nos restaurantes locais e nos preparamos para botar o pé na estrada de volta para casa.

Viagem de Moto para o Chile

A volta

Sem a necessidade de parar a todo momento para documentar os detalhes, a volta transcorreu com rapidez até a cordilheira, onde encostamos as motos mais uma vez para apreciar o visual ao mesmo tempo belo e assustador da montanha e a neve que chegava ao meio da canela. Voltamos à estrada para passar mais uma vez pela aduana integrada (dessa vez do lado argentino, que possui um procedimento muito mais organizado: os veículos entram em uma fila e ali os documentos são revisados e carimbados; nenhuma mala foi revistada) e descobrimos que um dos integrantes – o mesmo que esqueceu a identidade em 2009 – havia perdido um papel que deveria ser apresentado no regresso à Argentina. Problema resolvido, entramos na fila da vistoria e quando chegou a vez do perdedor de papéis, ele se deu conta que outro documento tinha ficado pelo caminho. Haja coração...

Viagem de Moto para o Chile

Ainda na cordilheira, visitamos o Parque Provincial Aconcágua, de onde se pode ver o pico de 7.000 metros de altura que dá nome ao parque, e passamos novamente pela Puente del Inca, onde há uma feira permanente de artesanato. Chegamos a Mendoza no final do dia e descansamos as carcaças cansadas, preparando os pés para uma caminhada de vários quilômetros no dia seguinte pela cidade.

Apesar de longa, a motocada do antepenúltimo dia transcorreu com facilidade e só nos demos conta que estávamos quase sem pesos argentinos em Villa María; como era cedo, procuramos uma casa de câmbio e lá fomos informados que o valor mínimo para troca era de R$ 500. Como não tínhamos essa quantidade de reais, fomos à outra casa de câmbio, mas lá não era possível fazer a troca e voltamos à primeira, onde um habilidoso motoqueiro do grupo convenceu a atendente a trocar pouco mais de R$ 200 por pesos. Depois do estresse inicial, para comemorar, resolvemos tomar uma cerveja – mas os cafés do centro não aceitavam cartão de crédito e precisávamos poupar nossos pesos para a gasolina, de forma que compramos 4 cervejas em um supermercado e saímos bebendo pela rua. Enquanto os demais xeretavam uma vitrine, eu tomava minha cerveja olhando para o nada quando uma policial encostou do meu lado e disse:

- É proibido beber na via pública.

Meio atordoados com a carraspana da policial (que ficou nos cuidando com o canto do olho enquanto nos afástavamos), voltamos ao supermercado para terminar de beber as cervejas, onde um dos viajantes teve a ideia de documentar aquela cena inusitada – mas ele mal sacou a máquina fotográfica e foi abordado por uma funcionária do supermercado:

- É proibido fotografar dentro do supermercado.

Com o rabo no meio das pernas (não era proibido), voltamos ao hotel (também não era proibido) e tomamos outras lá (torcendo para que não fosse proibido). Acabamos rindo muito da história toda, mas discretamente: não tínhamos certeza se era proibido ou não.

Por fim, rodamos até Uruguaiana e no dia seguinte de lá para Porto Alegre, fechando com chave de ouro uma viagem perfeita. De minha parte, resta agradecer ao Patrão Velho pela proteção e aos meu companheiros de estrada pela parceria e pela paciência ao longos destes 10 dias.

¡Gracias, bugrada!

Detalhes da rota

Caminho (por dia) Distância

  • Porto Alegre (BRA)/Rosário do Sul (BRA)/Uruguaiana (BRA) - 630 km
  • Uruguaiana (BRA)/Federal (ARG)/Santa Fe (ARG)/San Francisco (ARG)/Villa María (ARG) - 760 km
  • Villa María (ARG)/Rio Cuarto (ARG)/La Toma (ARG)/San Luis (ARG)/Mendoza (ARG) - 620 km
  • Mendoza (ARG)/Uspallata (ARG)/Los Andes (CHI)/Quillota (CHI)/Viña del Mar (CHI) - 410 km

Apesar da rota escolhida não ser problemática quanto ao piso e a quilometragem diária não ser nenhum absurdo, a experiência nos ensinou algumas lições simples, resultado das decisões que tomamos, que merecem ser compartilhadas:

  • Na ida, entre Porto Alegre e Uruguaiana, resolvemos almoçar lá pelo meio da tarde por que estávamos com tempo sobrando; como o posto de gasolina onde paramos possuía um restaurante, nos abancamos em uma mesa, comemos feito condenados e depois, já na estrada, a soneira bateu forte. Nos dias seguintes não almoçamos mais, somente comemos lanches leves pelo caminho.
  • Os 760 km entre Uruguaiana e Villa Maria não seriam demorados de percorrer se não tivéssemos a imigração para passar (em Paso de los Libres) e, maior fator de atraso, várias cidades pequenas para atravessar, onde parávamos em sinaleiras e ficávamos presos atrás de caminhões lentos.
  • Apesar de termos adquiridos pesos argentinos e chilenos antes de sairmos daqui, muitos postos de gasolina (com preços variando entre R$ 3,30 e R$ 3,40 por litro) e até um hotel não aceitavam cartão de crédito, o que nos levou a precisar trocar novamente reais por pesos argentinos.
  • Adiante de Mendoza, a beleza se apresenta de várias formas e a cada curva, fazendo com que as muitas paradas para contemplar e fotografar sejam obrigatórias – e isso gera uma demora considerável para rodar míseros 100 km.
  • Nem todos os hotéis contam com serviço de lavanderia: a solução é levar roupas suficientes para todos os dias da viagem ou – meu caso – lavar as roupas no quarto do hotel e secá-las perto dos aquecedores (as calças e camisas do tipo segunda pele secam de um dia para o outro mesmo sem o aquecedor por perto).
  • Ao contrário da Argentina, onde pagamos pedágio (R$ 3,50) apenas na entrada do túnel subfluvial entre Parana e Santa Fe, no Chile as motos sempre pagam (R$2,50) para utilizar a estrada.
  • Que me desculpem os mais ortodoxos, mas o GPS é indispensável nesse tipo de viagem. Mesmo nas cidades maiores, como Mendoza ou Viña del Mar, a chegada ao hotel foi facílima; nas estradas, algumas mal sinalizadas e sem viva alma em um raio de quilômetros, saber com segurança para que lado seguir foi tranquilizador.

Equipamentos e itens de apoio

  • Conjunto de chuva (jaqueta, calça e botas)
  • Ferramentas básicas (chaves de boca, allen, torx, fenda, phillips e alicate)
  • Lanterna, fita isolante, estilete, arame, lacre plástico e silver tape
  • Reparo de pneu
  • Trava de disco
  • GPS
  • Medicamentos (para azia e dores de cabeça e musculares)

Números da viagem

  • Distância percorrida: 5.013 km
  • Seguro pessoal: R$ 60
  • Seguro carta verde: R$ 110
  • Hospedagem: R$ 1031
  • Combustível: R$ 576
  • Média de consumo da BMW F 800 GS: 22,6 km/l (melhor: 23,9 km/l; pior: 20,8 km/l)

Piréx (Cássio Pires) é autor do excelente blog Piréx - Diário de Bordo, ..."um conjunto de anotações sobre viagens, festas, motos e tudo mais que orbita o universo motociclístico".

Para ver mais fotos desta viagem, clique aqui.

Comentários (1)

This comment was minimized by the moderator on the site

Alguns trechos que aparecem nas fotos lembra muito a Europa, mas o cenário em geral é muito gratificante, é de tirar o folego, tudo muito lindo. Parabéns a todos e fiquem com Deus.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pelo Chile

Diário de uma Expedição ao Atacama

Tudo começou ao ler uma publicação sobre uma viagem de moto para o Deserto de Atacama no Chile,...

Viagem de moto ao Atacama

Um ótimo relato de uma viagem de moto que durou 19 dias para percorrer 7.150 km do Brasil,...

De Salvador ao Chile

Saí de Salvador no dia 26/1/2013 passando por Montes Claro, São José do Rio Preto, Presidente...