Viagem de moto até o Alaska

Relato de uma grande viagem solo de moto de Campinas (SP) até Prudhoe Bay no Alaska, percorrendo 44 mil kms, 15 países durante 97 dias.

Após 3 grandes viagens internacionais pela América do Sul, sendo a última até Ushuaia, em 2017, chegou a hora de unir os 2 pontos mais distantes do continente Americano e rodar de moto de Campinas até o Alaska, mais precisamente Prudhoe Bay.

Foram aproximadamente 1,5 ano de planejamento englobando: documentação para a moto e piloto em cada país, estradas, pontos turísticos, postos de gasolina, hospedagens, equipamentos e acessórios para a moto e piloto.

Esta foi a quarta grande viagem internacional de moto que eu fiz. As anteriores foram: Expedição Atacama em 2013 (Brasil, Argentina e Chile - 22 dias, 9000 km), Expedição Inca 2015 (Brasil, Bolívia e Peru - 24 dias – 9000 km), Expedição Ushuaia 2017 (Brasil, Uruguai, Argentina e Chile - 29 dias e 14.000 km).

De tudo que vi e vivi, países que passei, lugares que conheci, momentos bons e ruins, o contato com outras culturas, a culinária, o mais marcante para mim foi o contato com as pessoas, novos amigos e o autoconhecimento. Fazer novos amigos em cada canto das Américas tornou a viagem ainda mais rica/especial.

Viagem de moto Alaska

Durante uma jornada longa e solitária como essa nos tornamos mais fortes e ao mesmo tempo mais sensíveis, pois temos que lidar com as dificuldades do dia-dia, como os trechos de estradas mais difíceis, o transito, o frio, o calor, a busca diária por gasolina, água, comida, encontrar algum lugar para dormir e ao mesmo tempo os sentimentos e sensações que ficam cada vez mais intensos, a alegria/felicidade, a solidão, realizações, frustações... momentos de solidão.

Apesar de ter feito a viagem solo, acho que não passei nenhum dia sozinho. Conhecia pessoas e fazia novos amigos a cada dia/momento, na estrada, nos postos de gasolina, pontos turísticos ou mesmo por onde dormia, campings, hotéis, albergues, casas de pessoas que conheci pelo caminho e de amigos.

Os países percorridos:

  • América do Sul: Brasil, Peru, Equador e Colômbia e Paraguai (para onde a moto foi despachada desde Miami e onde fui busca-la para chegar rodando até em casa)
  • América Central: Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Honduras, El Salvador, Guatemala e Belize
  • América do Norte: México, Estados Unidos (incluindo Alaska) e Canada

Viagem de moto Alaska

Principais pontos turísticos por pais:

  • Peru: Vale Sagrado (Ollantaytambo, Salinas de Maras e Moray, Abra Malaga), Oasis Huacachina, Reserva de Paracas e Lima
  • Equador: Cuenca (cidade), Lago Quilotoa, Banos (Casa na Árvore), Quito e Monumento Metade do Mundo
  • Colômbia: Catedral Las Lajas, Catedral de Sal (mina), Villa de Leyva (cidade colonial espanhola)
  • Panamá: Canal do Panamá, Bocas del Toro (arquipélago no norte do Panamá - Caribe - divisa com a Costa Rica)
  • Costa Rica: Cachoeira La Fortuna e Praia Tamarindo
  • Nicarágua: Ilha Ometepe, Managua (cidade colonial espanhola) e o Vulcao Cerro Negro (sandboard no vulcão)
  • El Salvador: Praias El Tunco e El Sunzal, Lago Coatepeque
  • Guatemala: Antígua (cidade colonial espanhola), Lago Atitlan (passeio de barco e visita aos vilarejos ao redor do lago), Rio Dulce (passeio de barco que sai do continente até o mar do caribe), isla das flores e Tikal (principal sitio arqueológico Maia)
  • México: Todo o estado de Quintana Roo com sua costa do atlântico/Caribe com cidades e praias lindíssimas (Bacalar, Tulum, Playa del Carmen, Cozumel, Cancun e Isla Mujeres) os cenotes, o centro do país - San Cristobal de Las Casas (cidade colonial espanhola), Oaxaca (capital da Mezcal - bebida típica Mexicana e com muita riqueza cultural), Puebla....os sítios arqueológicos de Chichen Itza e Teotioacan e a Baja Califórnia.
  • Estados Unidos: Os parques como Grand Canyon, Vale da Morte, Yosemite, Sequoias, Crater Lake e Yellowstone.
  • Canadá: Alaska Highway, Floresta de Placas, Top of the World Highway, Dawson City, Icefield Parkway (umas das estradas mais bonitas do mundo) e os Parques Jasper e Banff
  • Alaska: Rodar pela Dalton Highway, Prudhoe Bay, Magic Bus do filme Na Natureza Selvagem

Viagem de moto Alaska

Travessias de ferry boats/Balsas

  • Brasil - Rio Madeira (balsa com a moto)
  • Panamá - Para Chegar a Bocas del Toro (barco - a moto ficou no continente)
  • Nicarágua - Para Chegar a Ilha Ometepe (Balsa - com a moto)
  • Guatemala - Para fazer o passeio no lago Atitlan e visitar os vilarejos ao redor do lago (barco - sem a moto - ficou no porto)
  • Passeio da cidade de Rio Dulce até o oceano Atlântico (barco - moto ficou no porto)
  • Canadá - Para chegar à cidade de Dawson City (balsa - com a moto)
  • México - Travessia do Golfo da Califórnia para chegar até a Baixa Califórnia - 17 horas de travessia (com a moto)
  • Barco de Playa Del Carmen para Cozumel (sem a moto)
  • Balsa de Cancun para Isla Mujeres (com a moto)

O único trecho que não foi possível percorrer com a moto foi o Darien Gap entre a Colômbia e o Panamá, o qual fiz de avião (eu e a moto). A escolha do modal aéreo aconteceu por ser mais rápido e seguro, mas a minha vontade era atravessa-lo, algo que pouquíssimas pessoas fizeram até hoje.

Viagem de moto Alaska

Alguns números da Viagem

  • 44.000 km
  • 15 países
  • 97 dias
  • 18 fronteiras
  • 2750 litros de gasolina
  • 7 pneus (4 pneus traseiros e 3 dianteiros)
  • 4 revisões
  • Maior Altitude 4300 m nos Andes Peruano
  • Menor Altitude -85m em Badwater (vale da morte) EUA
  • Maior temperatura 49ºC na Califórnia
  • Menor temperatura – -10ºC no Alaska
  • Quedas - 1 na Costa Rica numa estrada de terra com muita chuva, tentando chegar a um Vulcão, nada demais, estava devagar então foi só levantar a moto e seguir viagem.
  • Dia mais Longo – 1º dia da viagem – Campinas (SP) a Cáceres (MT) – 1700 Km (Que me rendeu mais um certificado de Iron Butt)
  • Países onde menos fiquei - Belize e Honduras - Apenas 1 dia
  • Pais onde fiquei mais tempo – EUA + Alaska - 27 dias, México - 22 dias
  • 12 Noites Acampando (todos no Canadá, Estados Unidos)
  • 3 Noites em casa de amigos (Bogotá, Tijuana e Seattle)
  • Animais avistados na estrada: 17 ursos - (16 pretos e 1 Grizzly - marrom e perigoso), veados, raposas, bisões, alces, lhamas entre outros...

  • Países que mais gostei de rodar: México, Estados Unidos e Canada.
  • Pais que menos gostei: Belize
  • A América Central também foi uma região que gostei bastante - muita cultura, natureza e culinária.
  • Onde me senti mais seguro: Estados Unidos e Canada
  • Onde me senti menos seguro: Nenhum país, mesmo nas fronteiras da América Central e do Sul.
  • Fronteira mais demorada: Costa Rica (estava sem energia) e Nicarágua (1h30 - muita burocracia e muita gente)
  • País mais caro para entrar e rodar com a moto: México (450 dólares para entrar com a moto e recebemos de volta 400 dólares na saída do país)

Em todos os países da América Central a fronteira é um pouco demorada/burocrática - temos que pagar taxas/seguros para entrar e sair dos países tanto pra gente quanto para a moto.

Viagem de moto Alaska

DOCUMENTOS NECESSARIO PARA A VIAGEM

  • Passaporte com vistos do EUA e Canadá
  • Documento da Moto
  • CNH e PID (permissão Internacional para dirigir)
  • Carteira de Vacinação Internacional com a vacina de febre amarela valida
  • Autorização para entrada na Nicarágua (o pais está em um momento político complicado - exige uma autorização previa para entrar e o próprio site do consulado Brasileiro naquele país não aconselha brasileiros viajarem para lá)
  • Seguros obrigatórios para a moto nos países como SOAT no Peru e Colômbia e nos países da América Central que são feitos na entrada do país.

NAO NECESSARIOS, MAS IMPORTANTES

  • Seguro de Viagem/Saúde
  • Seguro da moto para EUA e Canadá

Viagem de moto Alaska

MOMENTOS DE MAIOR PREOCUPACAO/APREENSAO

  1. Nas fronteiras dos países da América Central e do Sul
  2. Atravessando as estradas não pedagiadas no México
  3. Nos 2 protestos, um na Colômbia e outro na Guatemala, que fecharam a Rodovia Pan-americana (Na Colômbia precisei do apoio do Exército para passar e na Guatemala apenas uma boa conversa)
  4. Rodar pelo Vale da Morte com os quase 50 graus (48°C para ser exato). Preocupação se a moto suportaria rodar com esse calor e eu também.
  5. Nos dias que fiquei parado em Fairbanks (Alaska) esperando a chuva parar para ir até Prudhoe Bay passando pela famosa e perigosa Dalton Highway. Todos os motociclistas que encontrei e conversei com me recomendavam não ir até lá devido ao risco da estrada, umas das mais perigosas do mundo e sem suporte. Até os mecânicos da concessionaria falaram que eu não deveria ir, que muitos se acidentam, destroem as motos, inclusive no site da estrada as notícias não eram animadoras e a mesma foi fechada durante meio dia para reparos. A maioria dos motociclistas que vivem por lá ou que passam por ali não vão para Prudhoe Bay, preferem outros destinos. A maioria que vai até Prudhoe Bay são latinos. Os Norte Americanos e Europeus preferem seguir até o Ártico pelo Canadá passando pela estrada Top of the World e pelas cidades Dawson City, Inuvik e Tuktoyaktuk que possuem um pouco mais de estrutura turística e um caminho muito bonito também com muita natureza.
  6. Rodar pela Dalton Highway no Alaska para chegar até Prudhoe Bay são aproximadamente 800 km numa estrada de terra e nos últimos 400 km sem nenhum tipo de suporte ou posto de gasolina.

PERRENGUES

  1. Perdido no meio do nada nos Andes no Peru - demorei 3 horas para encontrar novamente a estrada (estava tentando fazer um desvio para diminuir a quilometragem do dia – por caminhos off road) - tive que rodar pelo meio do mato e atravessar trechos com muita lama, pequenos lagos e riachos
  2. Queda na Costa Rica tentando chegar a um vulcão. Muita chuva e estava rodando por uma estrada de terra com muita lama - nada aconteceu comigo ou com a moto
  3. Na Nicarágua, para chegar ao Vulcão Cerro Negro, levei 2 horas para rodar menos de 20 km. A estrada era feita de material/cinzas vulcânicas, muito fofo e de difícil condução.
  4. Quase fui atingido por um caminhão na Baja Califórnia - o caminhão não me viu e teve que se jogar para fora da pista para não me acertar - fiquei mais de 5 horas na estrada até resolver a situação. Acabei pagando o conserto do caminhão para não perder tempo com a burocracia do acidente e seguir meu planejamento da viagem (tinha seguro contra terceiros, mas iria perder muito tempo com os tramites de seguradora, fazer B.O, hotel, comida então achei mais barato e rápido pagar pelo conserto e seguir).
  5. Fiquei 4 dias parado em Fairbanks (Alaska) esperando a chuva parar para tentar chegar a Prudhoe Bay (Alaska) - destino final e principal da viagem.
  6. Passei 2 dias em Anchorage (Alaska) onde inicialmente seria o destino final da viagem, tentando encontrar uma forma segura e barata de enviar a moto de volta ao Brasil (ou era muito caro, ou barato demais e não senti segurança), mas como não encontrei, decidi rodar de volta até Miami (existiam outras opções como Vancouver, Seatle e Los Angeles), o que aumentou a viagem em mais 13 dias e aproximadamente 10.000 kms
  7. Devido ao calor extremo do norte do Peru até a Califórnia, por muitos dias dirigi sem a jaqueta, apenas com uma segunda pele e a camiseta da viagem (o que não recomendo, mas estava quente demais – tomava 6 litros de agua/bebidas isotônicas e mesmo assim me sentia desidratado).
  8. Dois protestos que fecharam a Pan-americana - 1 na Colômbia, na qual fui escoltado pelo exército durante aproximadamente 1000 km (com foto e vídeos) e na Guatemala (vídeo negociando a passagem)
  9. Tirar a moto do caminhão que a moto estava dentro na divisa do Paraguai com o Brasil. Tivemos que fazer isso no acostamento da estrada e sem nenhum equipamento especifico/apoio. Por sorte encontramos um distrubuidor de bebidas próximo que nos ajudou a tirar a moto de dentro em uma galera que trabalhava lá no armazém

Viagem de moto Alaska

PROBLEMAS COM A MOTO E EQUIPAMENTOS

  1. O farol da moto queimou algumas vezes na viagem - Chegando a Porto Velho, ainda no segundo dia de viagem (troquei em Porto Velho mesmo); chegando a Cancun (troquei em Cancun); passando por Portland (esse só fui trocar em WhiteHorse (Canadá) já quase no Alaska - durante esse tempo rodei com o farol alto ligado); chegando a Miami (esse só troquei quando fui buscar a moto no Paraguai para chegar em casa com tudo certo)
  2. A bota soltou a sola 3 vezes durante a viagem (uso uma bota de trilha, pois protege mais, mas por outro lado é mais pesada, desconfortável e não aguenta muita água) o pessoal que acompanhou a viagem pelo face transformou ela num 3º elemento como se fosse a bola de vôlei do filme "naufrago" rss
  3. As luvas, devido ao excesso de chuva na Costa Rica, também não aguentaram e rasgaram nas palmas das mãos. As duas, mas continuei com elas assim mesmo até o fim da viagem.
  4. Logo da BMW do lado direito caiu na estrada quando estava chegando a Yellowstone. Comprei outro na concessionaria da BMW em Miami (rodei alguns dias sem ele e instalei o novo assim que voltei ao Brasil)

PREJUIZOS

  1. Perdi 2 câmeras GoPro na viagem - uma foi atropelada pelo caminhão no incidente na Baja Califórnia/México e a outra, que ficava presa num suporte da moto, caiu e só fui perceber quando cheguei ao hotel na Nicarágua.
  2. Paguei o conserto do caminhão na Baja Califórnia para evitar perder dias da viagem parado no México até resolver a burocracia de fazer BO, seguros e etc. O caminhão foi consertado na estrada mesmo, passei o dia lá, mas consegui seguir viagem ainda à noite.
  3. Perdi o Boné que estava usando na volta do Alaska, no Canadá, entre as cidades de Jasper e Banff.
  4. Logo da BMW que caiu do lado direito do tanque da moto
  5. Vários cabos de celular.

ROTEIRO DA VIAGEM

Dia 1 - sábado - 02/03/2019 - Campinas (SP) a Cáceres (MT) (Iron Butt 1600 km)
Dia 2 - domingo - 03/03/2019 - Cáceres a Porto Velho (RO)
Dia 3 - segunda-feira - 04/03/2019 - Porto Velho a Puerto Maldonado (Peru) (travessia do Rio Madeira de Balsa)
Dia 4 - terça-feira - 05/03/2019 - Porto Maldonado a Cusco
Dia 5 - quarta-feira - 06/03/2019 - Vale Sagrado (passando por Ollantaytambo, Abra Málaga, Maras e Moray)
Dia 6 - quinta-feira - 07/03/2019 - Cusco (Peru) a Andahuaylas
Dia 7 - sexta-feira - 08/03/2019 - Andahuaylas a Huacachina (conhecendo e dormindo no oásis)
Dia 8 - sábado - 09/03/2019 - Huacachina a Paracas (Conhecendo a Reserva Natural de Paracas)
Dia 9 - domingo - 10/03/2019 - Paracas a Lima
Dia 10 - segunda-feira - 11/03/2019 - Lima (tour por Lima)
Dia 11 - terça-feira - 12/03/2019 - Lima a Puerto Malabrigo (conhecendo Chicana Point, a onda mais longa do mundo)
Dia 12 - quarta-feira - 13/03/2019 - Puerto Malabrigo a Punta Sal (Punta Sal será um dos principais balneários do Peru futuramente)
Dia 13 - quinta-feira - 14/03/2019 - Punta Sal a Cuenca (Equador) (A cidade de Cuenca é a cidade que deu origem ao Chapéu Panamá, considerada uma das melhores cidades para se viver e o seu centro histórico é considerado o mais bonito das Américas)
Dia 14 - sexta-feira - 15/03/2019 - Cuenca a Baños (conhecendo a Casa de Arvore e o Pailon del Diablo)
Dia 15 - sábado - 16/03/2019 - Baños a Quito
Dia 16 - domingo - 17/03/2019 - Quito (tour por Quito e pelo Monumento Mitad del Mundo)
Dia 17 - segunda-feira - 18/03/2019 - Quito a Popayan (Colômbia) (passando para conhecer a Catedral Las Lajas)
Dia 18 - terça-feira - 19/03/2019 - Popayan a Bogotá
Dia 19 - quarta-feira -20/03/2019 - Bogotá (revisão e lavagem da moto)
Dia 20 - quinta-feira - 21/03/2019 - Bogotá a Campinas (SP) (retorno ao Brasil - via aérea - fim da 1ª parte da viagem - a moto ficou em Bogotá)
Dia 21 - terça-feira - 04/06/2019 - Campinas (SP) a Bogotá (retorno à Colômbia - via aérea - Inicio da 2ª parte da viagem - buscando a moto em Bogotá)
Dia 22 - quarta-feira - 05/06/2019 - Bogotá a Catedral de Sal
Dia 23 - quinta-feira - 06/06/2019 - Bogotá a Villa de Leyva
Dia 24 - sexta-feira - 07/06/2019 - Bogotá a Cidade do Panamá (Panamá) (envio da moto via aérea de Bogotá para a Cidade do Panamá)
Dia 25 - sábado - 08/06/2019 - Cidade do Panamá
Dia 26 - domingo - 09/06/2019 - Cidade do Panamá
Dia 27 - segunda-feira - 10/06/2019 - Cidade do Panamá a Bocas del Toro
Dia 28 - terça-feira - 11/06/2019 - Bocas del Toro a San Jose (Costa Rica)
Dia 29 - quarta-feira - 12/06/2019 - San Jose a Playa Tamarindo
Dia 30 - quinta-feira - 13/06/2019 - Playa Tamarindo a Ilha Ometepe (Nicarágua)
Dia 31 - sexta-feira - 14/06/2019 - Ilha Ometepe a Leon
Dia 32 - sábado - 15/06/2019 - Leon a San Lorenzo (Honduras)
Dia 33 - domingo - 16/06/2019 - San Lorenzo a Santa Ana (El Salvador)
Dia 34 - segunda-feira - 17/06/2019 - Santa Ana a Antígua (Guatemala)
Dia 35 - terça-feira - 18/06/2019 - Antígua a El Rancho
Dia 36 - quarta-feira - 19/06/2019 - El Rancho a Isla de Flores
Dia 37 - quinta-feira - 20/06/2019 - Isla de Flores a Belize (Belize)
Dia 38 - sexta-feira - 21/06/2019 - Belize a Tulum (México)
Dia 39 - sábado - 22/06/2019 - Tulum a Playa del Carmen
Dia 40 - domingo - 23/06/2019 - Playa del Carmen a Cozumel
Dia 41 - segunda-feira - 24/06/2019 - Playa del Carmen a Cancun
Dia 42 - terça-feira - 25/06/2019 - Cancun a Isla Mujeres
Dia 43 - quarta-feira - 26/06/2019 - Cancun
PARADA DE 6 DIAS - 27/06/2019 - quinta-feira - Cancun a Campinas (SP) (voo de retorno ao Brasil para o aniversário dos meus filhos Enrico e Lucca)
01/07/2019 - segunda-feira - Campinas (SP) a Cancun (voo de retorno ao México para continuação da viagem)
Dia 44 - quarta-feira - 03/07/2019 - Cancun a Palenque
Dia 45 - quinta-feira - 04/07/2019 - Palenque a San Cristobal de las Casas
Dia 46 - sexta-feira - 05/07/2019 - San Cristóbal de Las Casas a La Crucecita
Dia 47 - sábado - 06/07/2019 - La Crucecita a Oaxaca
Dia 48 - domingo - 07/07/2019 - Oaxaca
Dia 49 - segunda-feira - 08/07/2019 - Oaxaca à Cidade do México
Dia 50 - terça-feira - 09/07/2019 - Cidade do México
Dia 51 - quarta-feira - 10/07/2019 - Cidade do México a Mazatlan
Dia 52 - quinta-feira - 11/07/2019 - Mazatlan a La Paz
Dia 53 - sexta-feira - 12/07/2019 - La Paz a San Lucas de Los Cabos
Dia 54 - sábado - 13/07/2019 - San Lucas de Los Cabos
Dia 55 - domingo - 14/07/2019 - San Lucas de Los Cabos a Loreto
Dia 56 - segunda-feira - 15/07/2019 - Loreto a Guerrero Negro
Dia 57 - terça-feira - 16/07/2019 - Guerrero Negro a San Quintin
Dia 58 - quarta-feira - 17/07/2019 - San Quintin a Ensenada
Dia 59 - quinta-feira - 18/07/2019 - Ensenada a Tijuana
Dia 60 - sexta-feira - 19/07/2019 - Tijuana a San Diego (EUA)
Dia 61 - sábado - 20/07/2019 - San Diego a Los Angeles
Dia 62 - domingo - 21/07/2019 - Los Angeles a Las Vegas
Dia 63 - segunda-feira - 22/07/2019 - Las Vegas a Grand Canyon a Las Vegas
Dia 64 - terça-feira - 23/07/2019 - Las Vegas a Death Valley a Visalia
Dia 65 - quarta-feira - 24/07/2019 - Visalia a Sequoias National Park a Fresno
Dia 66 - quinta-feira - 25/07/2019 - Fresno a Yosemite National Park a San Francisco
Dia 67 - sexta-feira - 26/07/2019 - San Francisco a Eureka
Dia 68 - sábado - 27/07/2019 - Eureka a Crater Lake a Seattle
Dia 69 - domingo - 28/07/2019 - Seattle a Prince George (Canadá)
Dia 70 - segunda-feira - 29/07/2019 - Prince George a Fort Nelson
Dia 71 - terça-feira - 30/07/2019 - Fort Nelson a Whitéorse
Dia 72 - quarta-feira - 31/07/2019 - Whitéorse a Fairbanks (troca dos pneus e passagem pela placa "Welcome to Alaska")
Dia 73 - quinta-feira - 01/08/2019 - Fairbanks (muita chuva - revisão da motoca)
Dia 74 - sexta-feira - 02/08/2019 - Fairbanks (muita chuva)
Dia 75 - sábado - 03/08/2019 - Fairbanks (muita chuva)
Dia 76 - domingo - 04/08/2019 - Fairbanks a Coldfoot (boa comida e camping em Cooldfoot)
Dia 77 - segunda-feira - 05/08/2019 - Coldfoot a Prudhoe Bay (general store para a famosa foto em Deadhorse, correio e hotel)
Dia 78 - terça-feira - 06/08/2019 - Prudhoe Bay a Fairbanks
Dia 79 - quarta-feira - 07/08/2019 - Fairbanks a Anchorage (passando pelo Denali National Park e Magic Bus)
Dia 80 - quinta-feira - 08/08/2019 - Anchorage (acampado na Harley-Davidson e procurando formas de envio da moto de volta para casa)
Dia 81 - sexta-feira - 09/08/2019 - Anchorage (acampado na Harley Davidson e procurando formas de envio da moto de volta para casa)
Dia 82 - sábado - 10/08/2019 - Anchorage a Whitehorse (passando pela Top Of The World Highway e Dawson City)
Dia 83 - domingo - 11/08/2019 - Whitehorse a Bell II (muitos ursos pelo caminho)
Dia 84 - segunda-feira - 12/08/2019 - Bell II a Pruden Lake Park (muitos ursos pelo caminho)
Dia 85 - terça-feira - 13/08/2019 - Pruden Lake Park a Jasper
Dia 86 - quarta-feira - 14/08/2019 - Jasper a Banff (passando pela IceFields Highway)
Dia 87 - quinta-feira - 15/08/2019 - Banff a West Yellowstone
Dia 88 - sexta-feira - 16/08/2019 - West Yellowstone a Red Lodge (passando por Yellowstone National Park e dormindo no Camping Lion's Club - BMW GS Rally)
Dia 89 - sábado - 17/08/2019 - Red Lodge a Sturgis (cidade onde é realizado o maior encontro de motos do mundo)
Dia 90 - domingo - 18/08/2019 - Sturgis a Kansas City
Dia 91 - segunda-feira - 19/08/2019 - Kansas City a Memphis
Dia 92 - terça-feira - 20/08/2019 - Memphis a Nashville (passando por Graceland e Jack Daniel's)
Dia 93 - quarta-feira - 21/08/2019 - Nashville a Atlanta (passando pela 129 - Tail Of The Dragon)
Dia 94 - quinta-feira - 22/08/2019 - Atlanta a Miami
Dia 95 - sexta-feira - 23/08/2019 - Miami a Campinas (SP) (entrega da moto na empresa que enviara a moto de barco para Asunción (Paraguai) e voo de retorno para o Brasil)
Dia 96 – sexta-feira - 01/09/2019 – Campinas/SP - Salto del Guairá (Paraguai) – Maringá/PR – Dia de buscar a moto da divisa do Brasil com o Paraguai e voltar para casa (neste dia peguei um voo de Campinas até Cascavel/PR e segui de carro até Salto Guaíra fronteira com o Paraguai – deu tempo de pegar a moto e voltar até Maringá)
Dia 97 - sábado - 02/09/2019 – Maringá/PR a Campinas (SP) – trecho curto para finalizar esta viagem que até aqui foi a mais incrível e desafiadora da minha vida! aguai) e voo de retorno para o Brasil)

Comentários (9)

This comment was minimized by the moderator on the site

Olá Erick, parabéns pela grande aventura e obrigado por compartilhar, especialmente pelas valiosas dicas.
Após inúmeras viagens de moto durante 46 anos (sou 6.3) pelo Brasil e 4 pela América do Sul, estou planejando há mais de 13 meses (milhares de horas já investidas...) para minha grande aventura pelo mundo, exceto Ásia, a partir de março/21, se Deus e a pandemia permitirem...
Bem, gostaria de obter mais informações contigo sobre a tua aventura. Por gentileza, me contate no e-mail hortabreno@gmail.com para que possamos trocar mais informações. Agradeço antecipadamente. Abs, Breno Horta

This comment was minimized by the moderator on the site

Breno,

Obrigado pelo elogio!

É um prazer falar sobre a viagem. Pra mim é como se eu estivesse "viajando" na viagem novamente e ajudar outros viajantes a faze-la ou a criarem coragem de cair na estrada me deixa ainda mais realizado.

Não guardo nada só pra mim, experiência, aprendizado e conhecimento devem ser repassados...

Já compartilhei meus contatos com vc.

Abs,

This comment was minimized by the moderator on the site

Parabéns amigo!
Muito bom o relato.
Cimo viajantes so me incomodou o fato de ter dito que a Dempster e a ITH (Inuvik Toktoyaktok Higway) que levao ao Artico canadense ser mais fácil e ter mais estrutura que a Dalton.
É o contrário. Explico:
- a Dalton tem 800 km, com aproximadamente 500 de asfalto e o resto em ripio fino, com manutenção permanente, alem de alguns lugares, alem de Cold Foot, com possibilidade de combustível e comida.
- Na Dempster são 900 km, tudo ripio grosso e as vezes fino. Bem menos povoada e muito mais monotona e perigosa.
Dito isso, abrem-se as portas para novas aventuras.

This comment was minimized by the moderator on the site

Mauro,

Não disse que é mais fácil, disse que os Europeus e Americanos preferem a Dempster pois leva para alguns lugares ou vilarejos mais turísticos...enquanto a Dalton leva até uma estação de petróleo sem muitos atrativos turisticos, o objetivo é mais pelo desafio de se chegar até Deadhorse.

Segue o trecho do meu texto:
"A maioria que vai até Prudhoe Bay são latinos. Os Norte Americanos e Europeus preferem seguir até o Ártico pelo Canadá passando pela estrada Top of the World e pelas cidades Dawson City, Inuvik e Tuktoyaktuk que possuem um pouco mais de estrutura turística e um caminho muito bonito também com muita natureza."

Para quem tem um pouco de experiência em andar no off-road e com tempo/clima bom, nenhuma das 2 é um grande desafio, tirando o ponto que o apoio naquela região, por ser mais remota, é mais difícil.

Desafio no Off é fazer a BR-319 na época de chuva e de moto grande, sozinho...rss

Abs,

This comment was minimized by the moderator on the site

Que viagem foda! Sensacional!
Qual foi o custo da viagem sem contar as passagens de avião de ida e volta para visitar a família ?

This comment was minimized by the moderator on the site

Na época em torno de 15.000US$, considerando tudo...

This comment was minimized by the moderator on the site

Olá, muito bom seu relato, estou terminando roteiro para 2022 sair se tudo der certo, uma dúvida, com relação ao seguro para a moto para os Estados Unidos e Canadá, sao contratados a parte ?, tenho seguro total da minha gs 1200 adventure, vc fez aqui ou la diretamente, agradeço informação

abraço

This comment was minimized by the moderator on the site

O seguro no EUA e Canada são contratados diretamente com uma corretora de seguros, não é feito na fronteira/entrada do pais.

Att,

This comment was minimized by the moderator on the site

João, se quiser te passo o contato da corretora nos EUA para você fazer a cotação do seu seguro para os EUA e Canada. É bem simples e rápido o processo, eu fiz o contato com a corretora assim que estava entrando nos EUA.

Não conheço nenhum seguro de moto que cubra uma viagem como esta durante todo o trajeto e todos os países que você irá passar para a sua moto.

Geralmente o que acontece é fazermos o seguro obrigatório na entrada de cada pais, ou contratá-lo logo na primeira cidade após a fronteira, como acontece no caso do Peru com o SOAT e geralmente são seguros contra terceiro apenas, esses obrigatórios que contratamos nas entradas dos países.

Abs,

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pelas Américas

De Yamaha YBR 125 até ao Alaska

Pilotando uma Yamaha Factor YBR 125, o motociclista e comunicador Sérgio José da Silva, o...

Conhecendo os povos das Américas de moto

O brasiliense Jorge Geovani está na estrada para realizar um projeto ousado: na primeira etapa ele...

Acordou um dia e resolveu cruzar as Américas de moto

Enquanto muita gente mantém os sonhos guardados e a espera que um dia as oportunidades apareçam...