Viagem de moto pela Patagônia

Após um belíssimo café da manhã, deixei o hotel em Villa Pehuenia e parti em direção ao Chile, pois estava muito próximo da fronteira conhecida como Paso de Icalma. Apesar do verão, nesse dia amanheceu fazendo muito frio e fui obrigado a colocar o único moletom mais grosso que havia levado.

A passagem pela fronteira é muito simples, todavia um tanto burocrática. Primeiro é necessário fazer os trâmites de imigração e alfândega do lado argentino. Tudo foi facilitado devido à perfeita documentação fornecida pela Moto Rent Patagonia em relação à motocicleta. Bastou apresentar o cartão de propriedade da moto, o contrato de locação, a CNH brasileira e o passaporte e pronto!

Dica: apesar de ser possível viajar com Carteira de Identidade (RG) pelo Mercosul, o passaporte facilita as coisas. Até mesmo porque o Chile não pertence ao Mercosul... Outra dica: Sempre que apresentar-se para as “autoridades”, repita sempre: “Buenos dias, por favor, si señor, muchas gracias, hasta luego!” sempre que possível. Isso facilita uma barbaridade para acelerar as coisas; podem acreditar!

Depois de cumprir a burocracia no lado Argentino, roda-se cerca de um quilômetro para repetir o procedimento do lado Chileno, onde o posto de fronteira é bem melhor estruturado e organizado.

Logo em seguida fiz uma parada em Icalma. Comprei água e biscoitos e aproveitei para fazer câmbio de moeda, pois apesar de estar pagando quase tudo com cartão de crédito, sempre é bom tem algum troco na moeda local para alguma eventualidade. Meu destino previsto era seguir até a região de Lonquimay passando por dentro de florestas e parques nacionais no Chile, para após uma grande volta, terminar o dia em Melipeuco. Tudo correu bem até perto do meio dia. Porém, depois de um longo trajeto pela R-955, quase chegando a Punta Negra, fui informado que havia “protestas” na região e que manifestantes haviam interrompido a rodovia. Ninguém passava por lá e não havia previsão de liberação do caminho.

Viagem de moto patagonia 021 China Muerta Chile

Eu tinha duas opções: aguardar a liberação ou fazer o caminho de volta e tentar achar outra maneira de chegar a Melipeuco. Optei pela segunda alternativa e fiz todo o trajeto (cerca de 100km) para voltar a Icalma.

Neste ponto, o meu desejo de fazer um passeio “raiz” tornou-se realidade. Como eu havia dito, sem usar GPS eu me perdi “como homem de verdade”. (risos). Como não pretendia retornar por aquele caminho, não prestei muita atenção no trajeto durante a ida. Quando tentei retornar para Icalma devo ter deixado de entrar em alguma estrada e segui pelo caminho errado. Como as estradas não são sinalizadas, eu não percebi de imediato o engano. Só depois de uns 30 minutos é que me dei conta do erro. Aí foi outra aventura achar o caminho de volta, pois não havia ninguém por perto para perguntar o caminho de volta. Até que depois de rodar alguns minutos no meio das montanhas encontrei um agricultor que só sabia me dizer: “Usted estas muy lejos” (você está muito longe). Bem ele apontou a direção sul e disse que era por ali. Depois de rodar mais alguns minutos, consegui achar o caminho de volta para Icalma.

Viagem de moto patagonia 022 Melipeuco

Nessa altura do dia eu já não poderia errar mais, caso contrário não chegaria a Melipeuco para o pernoite. Escolhi o caminho que passa por dentro da Reserva Nacional da China Muerta e fui em frente. Minha única preocupação era o combustível, pois já havia rodado uns 200 km nesse dia e apesar de ter sido informado que a XTZ250 poderia rodar 400 km com um tanque de combustível, eu não queria testar se isso era possível. E para minha falta de sorte, não havia combustível em Icalma...

O trajeto passando pela China Muerta é lindíssimo, porém muito perigoso. De Icalma até Melipeuco é uma descida de serra no ripio. Para ajudar, começou a chover bem forte. Minha sorte foi que eu percebi que isso iria acontecer e um pouco antes coloquei a proteção de chuva da roupa de pilotar que havia levado. Foi o que me salvou. Choveu muito e esfriou bastante. Caso eu não estivesse preparado poderia ter passado muito frio e/ou ficado resfriado. Nada agradável durante uma viagem dessas.

Viagem de moto patagonia 023 Melipeuco e Vulcao Llaima

Ao final do dia cheguei a Melipeuco no Chile. A cidade fica ao sopé do Vulcão Llaima e tem algumas partes cobertas por restos de uma das erupções vulcânicas do passado. O vulcão com seu pico nevado é visível em praticamente qualquer lugar da cidade. Mais uma vez o pessoal da MRP foi muito feliz em escolher o local para o pernoite, que foi realizado numa pousada fora da cidade muito próxima do Salto Truful-Truful, uma cachoeira exuberante. Detalhe: a pousada é em formato de domo geodésico (quem não conhece, basta dar uma olhada no Google) e é atendida pelos proprietários que são guias de turismo de aventura. Gente muito legal que adora conversar! Como a pousada não oferecia jantar, aproveitei para conhecer o centro da cidade e degustar um dos pratos típicos da região, acompanhado por uma excelente cerveja artesanal produzida por ali. Fim do dia que, apesar dos percalços, foi perfeito!

Continuar lendo história de viagem de moto

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pela Argentina

De moto até o fim

Em janeiro de 2011, os motociclistas Leonardo e Leandro fizeram uma viagem de moto de Indaiatuba,...

Caso de paixão

Essa é uma história de um típico caso de paixão pelo motociclismo. Tudo começou em 1988, quando...

Expedição Fim do Mundo 2015

Três motociclistas, sendo dois de Rondônia e um do Mato Grosso, realizaram entre os dias 26 de...