Viagem de moto pela Europa

Saímos cedo e fomos a uma loja especializada em capacetes para comprar um para eu usar na viagem. Resolvi não trazer nenhum para facilitar a vinda e porque as informações eram de que os preços aqui eram mais em conta que no Brasil. A loja foi uma indicação do Paulo Góis, a Centralle Du Casque. Muitas opções e os preços eram realmente melhores que no Brasil. Um capacete igual a um que tenho, da Shark, custa aqui pouco mais que a metade do que comprei lá.

Mas resolvi não exagerar e comprei um capacete mais barato da Nolan, leve e silencioso. Depois passamos em uma loja da Fnac e compramos uma câmera para capacete muito barata também. À prova d’agua e com imagens com ângulo de 180 graus, vai ajudar a registrar as viagens.

Retornamos para o apartamento da Roan, de quem nos despedimos e pegamos o metrô para a estação do TGV, o trem bala francês. Tudo feito com o tempo muito justo, mas a eficiência do transporte público aqui na França garantiu que pegassemos o trem no horário marcado. Detalhe para o anúncio feito dentro do trem: “pedimos desculpas aos senhores passageiros, mas teremos que atrasar a partida em cinco minutos porque foi encontrado um pacote suspeito na estação...”. O atraso foi de três minutos.

A viagem durou três horas. Passamos por paisagens típicas do interior da França, com muita terra plantada e gado, castelos, pequenas cidades. Não dá para perceber a velocidade do trem, que chega a até 320 km/h, a não ser quando passamos ao longo de uma alto-estrada e vemos os automóveis ficarem para trás muito rapidamente.

Em Grenoble pegamos um bondinho, uma pequena composição movida a eletricidade. O pagamento é feito no ponto de embarque. O passageiro chega ao ponto, autentica um cartão comprado previamente e aquarda o bondinho. Quando este chega, é só entrar e seguir para o destino, sem controle ou fiscalização. Também tem painel com aviso dos minutos que faltam para o próximo bondinho passar.

Grenoble é uma cidade de porte médio que fica aos pés dos Alpes Franceses, e a uma altitude média de 214 msnm. Foi fundada em 43 a.c., tem cerca de 420 mil habitantes e é considerada a cidade mais plana de França. Tem uma grande universidade, com mais de 60 mil estudantes, onde o Vanildo fez seu mestrado e agora vai iniciar um doutorado.

Assim que cheguei e guardei as malas o Vanildo chamou para ir ver a moto. Eu estava ansioso por isto. Aproveitamos e demos uma volta por uma estrada perto. Ela é mais leve que a minha moto, mais alta e um estilo de pilotagem completamente diferente. Achei-a bem esperta, com torque, mas baixa velocidade final (Não fui ao limite, mas chegou rápido a 130 km/h. O barulho é muito engraçado, parece uma enceradeira hehehe. Acho que vou me dar bem com ela.

Para quem não conhece a história dela, enquanto planejavamos a viagem, eu pensava em alugar uma moto. Considerando o tempo total da viagem, 21 dias, ficaria com taxas e seguro por mais de 2000 Euros. Um valor muito alto. Com a ajuda do Vanildo (na verdade ele tomou a iniciativa) olhamos diversas motos usadas à venda pela internet e acabamos comprando no nome dele esta Alpínestar ano 2000, bem conservada, por 2.400 Euros. Depois que acabarmos a viagem ele vai vender ela para mim. Mesmo se tiver algum deságio na venda, acho que será mais compensador que o aluguel.

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

Mais viagens pela Europa

Eurotrip em duas rodas

Viajar de moto pela Europa foi uma experiência pra lá de inesquecível. As ótimas condições das...

Viagem nos Alpes 2019

Na primeira viagem de moto que fizemos pelos Alpes, em 2013, nos concentramos na região mais...

Passeio de moto pela Alemanha, Suiça e Áustria

O motociclista gaúcho Édison Coimbra e sua namorada Carine realizaram uma bela viagem de moto pela...