Viagem de moto pela Turquia

A chegada a Istambul é simbólica. Atravessei esta cidade bonita e imensa, num trânsito caótico que me levava ao ferry que cruza o Estreito de Bósforo depositando-me no que nós chamamos de princípio da Ásia. Segundo os amigos turcos, a verdadeira Ásia começaria depois de Ankara. No entanto, já me iam avisando que dali para frente a realidade era outra.

Dirijo-me a Kodikoy onde fica o restaurante da Mine Aydemir, uma turca bem-disposta, que me acolhe de braços abertos como convidado especial no restaurante. Tenho direito a fotografia no quadro de honra. É na sua casa que ficarei abrigado nos três dias de Istambul. Aí, via encomenda postal, recebo finalmente o passaporte com o tão desejado visto do Irã e o seguro atualizado. Aproveito também para me enviarem dinheiro suficiente para cruzar o Irã, condição necessária, uma vez que naquele país é impossível levantar dinheiro. Dólar ou euro é o ideal, sendo preferível o dólar. Para quem se aventure por estas paragens (Irã) aconselho também a instalação de roaming, de preferência mais do que um, para livre acesso à internet. Tem de ser instalado antes de se entrar. Por estranho que pareça, em Dubai acontece o oposto. O uso de roaming provoca-nos problemas. Tive que desinstalar.

Viagem de moto Nepal Ankara mausuleo de Ataturk
Mausuleo de Ataturk - Ankara

Entrando em Istambul, é organizado um jantar pela Mine, para me ajudarem a cruzar a Turquia. São convidados os membros fundadores do EMOK (maior moto-clube da Turquia) e o presidente do AKUT (organização de busca e salvamento, com intervenções em cenários de catástrofe em diferentes partes do mundo). Juntos traçam-me uma nova rota de passagem pela Turquia, até ao Irã, estranhamente mais a sul, isto por sugestão de um elemento dos Serviços Secretos do Exército, amigo de um dos presentes. Daí para a frente teria abrigo quase todos os dias ou alguém a quem recorrer se necessário. Pelo AKUT foi-me dado um contato de emergência, sendo-me assegurado que no espaço máximo de duas horas estariam perto de mim. Estes turcos não brincam em serviço. Aliás, coisa que aprendi, foi que por essas paragens e nos países seguintes, quando alguém te diz que podes contar com o seu apoio, di-lo de coração e não hesitará em nada para cumprir essa promessa.

Sigo então rumo a Ankara onde mais uma vez o acolhimento é fantástico.

No dia seguinte, pela primeira vez, abasteço o galão reserva após um susto. Começo a ter problemas de viajar por uma ferida no pior lugar possível, onde me sento…

Após dias terríveis de dor e algumas lágrimas derramadas, cedo aos pedidos dos amigos e mulher para que procurasse ajuda.

Recorro aos amigos turcos e em Tatvan sou levado ao hospital e o problema é resolvido. Com mais uma paragem e abrigo em VAN chegava o dia de aproximação ao Irã, pernoitando em Dogubayazt, única fronteira aberta para passagem.

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pelo Mundo

5 roteiros de viagem de moto para quem ama arquitetura

As viagens são grandes sonhos para os amantes das motocicletas. Afinal, basta uma boa companhia e...

As dez rodovias mais bonitas do mundo

Segundo a última Pesquisa CNT de Rodovias, apenas 14,7% das rodovias do país estão em ótimo...

Preparativos para a viagem

Olá amigos, Vai aqui o primeiro email oficial sobre a expedição de moto BRAZIL TRANS AFRICA 2011....