Viagem de moto até o Chile – Deserto do Atacama

Tínhamos muitos quilômetros pela frente neste dia. Levantamos cedo com a expectativa de ter água para banharmos. Havia voltado, porém pouca e somente gelada. Tomamos um banho de gato e caímos na rodovia Panamericana - Ruta 5 - ( esta rodovia liga o extremo sul do Chile até o extremo norte do Canadá) em direção a San Pedro de Atacama ( para o Luciano " Motoqueiro Selvagem era São João do Atacama. Trocou novamente o nome. hehehehe).

Neste trajeto não há muitos Postos de Combustível e por este motivo o Luciano teve que abastecer varias vezes com o galão, umas três pelo menos, pois sua autonomia normal é de apenas 140 km. As nossa motos, minha e do Marcos, chegam a 340 km.

Tocamos até Calama, dentro do Deserto do Atacama e na saída da cidade nos deparamos com um terrível acidente com um carro tombado e quatro corpos próximos ao veiculo, já cobertos com lonas, e o trânsito fechado pelos Carabineiros de Chile (Policia Chilena). Tivemos que fazer um desvio e seguimos em frente.

No caminho entre Calama e San Pedro do Atacama, a moto do Selvagem teve uma pane. Não sabemos se foi sujeira da gasolina ou problemas de carburação. O Luciano e o Marcos fizeram os reparos, pois eu estava um pouco à frente esperando ambos.

Seguimos, chegando a San Pedro no início da noite. Paisagem incrível na rodovia e também no Valle de La Luna, próximo à capital do Atacama.

Arrumamos uma hospedagem numa casa de uma senhora extremamente simpática e acolhedora, onde ficamos num quarto comunitário com mais algumas pessoas, sem TV, sem banheiro ( era fora do quarto), porém muito acolhedor e limpo. Bom. Estava tudo lotado na cidade. Aqui vem gente do mundo inteiro. A cidade fica recheada de gente de todos os lugares, é muito bacana mesmo.

Luciano e Marcos compraram o ingresso para o Vulcão El Tatio, onde tem os Geiseres. Eu não comprei pois já conhecia de 2010 com o amigo Luiz. Uma van iria pegá-los às quatro da manhã do dia seguinte, pois os geiseres só atuam as 6 e meia da manhã, e de San Pedro até lá são 100 km, sempre subindo. Vai até 4.500 msnm.

Após uma jantinha básica e umas cervejas KUNTZMAN chilenas, fabricadas em Valdivia, fomos ao berço.

Percorridos 706 km por todo o Deserto do Atacama, com até 40 graus.

Comentários (2)

This comment was minimized by the moderator on the site

ola amigo, o ano que vem estou partindo para la, gostaria de mais informação. la pode viajar a noite?

This comment was minimized by the moderator on the site

Nabor, as estradas são de um modo geral bem sinalizadas e conservadas, mas se puder, evite viajar a noite no deserto. Esfria muito e o movimento de carros diminui também.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pelo Peru

Viagem de moto para o Peru e Bolívia

Mais uma dupla se encontra a caminho de Machu Picchu, no Perú e do Salar de Uyuni, na Bolívia,...

Viagem de Florianópolis a Machu Picchu

Durante 33 dias, dois amigos motociclistas, Marcio Rolim Manoel e Samuel de Queiroz Moreira, de...

De Rondônia a Machu Picchu

O planejamento que fizemos previa uma viagem de 10 dias. Éramos oito pessoas em sete motos, todos...