Viagem de moto pelo Brasil

O despertador vibrou às 5 horas e iniciou-se a rotina dos viajantes: higiene; organizar a bagagem; tomar café; check out; distribuir e fixar a tralha na moto; abastecer e o estresse de sair de uma cidade desconhecida, que logo é recompensado pelos prazeres da estrada.

Tudo pronto, nos despedimos dos amigos Márcio & Aline, que iriam voltar para o Rio de Janeiro, após curtir um dia de estrada com os amigos da Expedição Mendoza.

Após a saída de São José dos Pinhais, fomos no rumo da BR 116. Após uma curva, ao perder a primeira saída para Auraucária, bloqueada por um comboio de caminhões lentos, seguimos em frente e, como não surgia qualquer tipo de indicação na estrada, iniciamos a busca de um posto de gasolina para pedir informações. Imediatamente, um integrante do trem transmitiu no radio CB da Ultra: “Estou com o destino plotado no GPS. Vou colocar o trem na proa.” E todos relaxamos, agradecidos pela boa iniciativo do companheiro. Quando paramos em um centro de apoio da estrada para tomar água e perguntar pelo próximo posto de gasolina, o Fred comentou: “Artur, acho que estávamos seguindo por um percurso mais longo.” Realmente estávamos a uns 100 km fora da rota prevista, no rumo de Lages. Então, abandonamos o GPS como principal recurso de navegação e voltamos a navegar pelas placas de trânsito indicativas de cidades e distâncias, retornando para a BR 476.

Máquinas funcionando perfeitamente, pilotos de primeira linha e estrada perfeita. Então, não havia com que se preocupar, porque mais cedo ou mais trade todos iríamos chegar ao nosso destino, cumprindo a programação prevista.

Paisagem naturais impressionantes, farta vegetação, curvas ascendentes e descendentes divertidas, cardápio de caminhoneiro de estrada, além da alternância de chuva e Sol para tornar a viagem mais agradável.

Motor girando acima de 3.000 RPM não foi suficiente e a noite nos surpreendeu na estrada; se foi o Sol e veio a noite com um belo manto de estrelas, que nos possibilitaria dispensar os faróis. Infelizmente, alguns bons quilômetros antes do nosso destino, a estrada estava muito maltratada, nos obrigando a reduzir bastante a velocidade a fim de evitar as muitas irregularidades da pista.

Sem gasolina suficiente para chegarmos ao destino, alcançamos o último posto aberto, poucos minutos antes dele fechar. Para extravasar sua alegria pela grande viagem na companhia dos amigos, Fred sacou de sua gaita e começou a tocar uma música muito bonita, afastando as apreensões e restaurando a alegria do grupo. Imediatamente o Romeu filmou a cena com a presença de espírito e alegria contagiante, que lhe são peculiares.

Chegamos a São Borja e o apoio de GPS do amigo Corè foi solicitado para nos levar até o hotel. Durante o curto passeio pela cidade, desistimos do GPS e solicitamos o apoio de um motociclista local, que nos levou até o hotel. Às 00h30, desligamos os motores em um estacionamento de um hotel rudimentar, que mais parecia um curral, depois de percorridos 1.200 km.

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pela Argentina

De Porto Alegre a Buenos Aires

Pilotando uma Suzuki Bandit 650S, o gaúcho Danúbio Lisboa fez uma viagem que durou 10 dias,...

Rumo à Patagônia

Durante 25 dias, o motociclista baiano Jorge Padovani percorreu com sua moto mais de 10 mil km de...

Patagônia de vento em popa

Nossa tão sonhada viagem pela Patagônia está chegando ao fim. Estamos voltando pra casa. Já...