Viagem de moto até a Chapada dos Guimarães

Sai por volta das 8h30 do hotel e o dia estava bem fresco e meio nublado. Segui por uma rota bem tranquila, desviando um pouco do trajeto original, pelo qual passaria por Umuarama. Segui pela BR 487 que logo se transforma em PR 082 e depois desviei para a PR 576, uma estrada bem tranqüila, em meio à natureza e que passa pela cidade de Tapira.

Pouco tempo depois o curso da estrada me levou novamente à PR 082 e então voltei ao trajeto que incluía a cidade de Cianorte. Passei por Terra Boa, Engenheiro Beltrão, São João do Ivaí, Lunardelli, Faxinal, entre outras. Estava bem cansado, por isso uma barra de chocolate e um energético foram necessários no meio do dia rsrs.

Em algum momento, a PR 082 passa a ser BR 272, a qual me levou até a BR 376 (Rodovia do Café) lá em cima, perto de Mauá da Serra. Por ali desci a serra numa pista duplicada e em excelentes condições. Pena que estava molhada, e bem molhada. Os caminhões levantavam aquela névoa de água e o capacete ficava como se estivesse garoando, apesar de não estar. Nesse trecho eu vi paisagens lindas, mas não tirei fotos por causa do tempo fechado e também por que eu sabia que ainda tinha muito chão pra chegar em casa.

Cheguei a Ponta Grossa já era noitinha (dessa vez não entrei na cidade rsrs). Andei mais um pouco e fiz minha última parada, comi uma barra de cereal e coloquei minha luva segunda pele e minha balaclava, pois estava bem friozinho. Andei mais um pouco e aí sim: chuva forte, movimento intenso, serra, cansaço e um filme passando em minha mente: saudade das crianças, esposa e aconchego do lar. Tudo isso somado a todos esses quilômetros rodados, as dificuldades que passei na estrada e tudo mais, me deram um certo baque emocional, mas como eu já disse no começo: valeu cada quilômetro.

Cheguei em casa em torno de 20h30. Meu filho de 8 anos queria me abraçar, mas eu estava encharcado. Ele me ajudou a tirar as luvas, capacete, jaqueta e me abraçou. Minha esposa estava com a pequenininha de um ano e meio no colo. Ela me olhava como que meio sem entender, tanto tempo sem me ver e de repente eu apareço. De repente ela se jogou em minha direção com os bracinhos estendidos. Peguei-a no colo e choreeei largaaado. Meu filho veio me abraçar de novo, coloquei o joelho no chão pra ficar da altura dele e ficamos lá abraçados um tempão. :) Eu tentava devolver minha pequena para minha esposa, mas ela se agarrou em mim igual uma macaquinha e não queria me largar de jeito nenhum rsrs. Com certeza esses foram os momentos mais valiosos de toda a viagem!

Números do dia:

Distância percorrida: 681 km
Horas na estrada: 11:45hs / horas parado: 2h15 / horas rodando: 9h30
Média de velocidade com paradas: 58 km/h /sem paradas: 72 km/h
Média de consumo: 21,7 km/l

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pelo Brasil

Viajando para Capitólio

Há mais ou menos um ano, eu, que nunca havia subido em uma moto, fui influenciado por forças que...

Viagem de moto pelo Brasil

Uma aventura emocionante pelo Brasil. Pilotando a Yamaha XJ 6 F (Maria Antonieta), percorri 5.489...

Jalapão 40 Graus

Chegou o dia tão esperado. Depois de 3 meses de preparação e muita ansiedade, eu estava pronto...