Viagem de moto pela Bolívia

Depois de um café horrível com Nescafé em saquinho sem leite e um pão duro, fomos tentar comprar gasolina no galão que eu levava, só pra completar o tanque. O posto vendia para galão só após às 8 horas da manhã e já tinha fila de mulheres esperando pra comprar. Desisti e seguimos viagem assim mesmo.

A estrada já estava aberta, mas de repente os caminhos começaram a aparecer parados dos dois lados. Nós seguíamos pelo meio deles e quando dava, íamos pela esquerda atrás de carros que se arriscavam a passar os caminhões. Fazia muito calor, a moto aquecendo sempre e quase desligando, foi punk e cansativo. Passamos pela estrada que tinha sido arrumada e por outros vários trechos em construção. Estávamos numa serra e os caminhões não acabavam nunca. Asfalto ruim também, cheio de buracos e corcovas.

Continuamos nosso caminho em direção a Cochabamba e depois diminuiu a quantidade de caminhões. Chegamos a Cochabamba onde conseguimos abastecer em um posto novo. As meninas não queriam, mas conseguimos convencê-las a abastecer. Muito transito de tuk tuks e motinhos. Paramos num quiosque na beira da estrada onde comemos bolacha doce, Coca Cola e água. Encontramos um casal com um filho numa motinha que estudavam teologia na cidade.

Continuamos viagem, a estrada ficou ruim de novo, estreita e com muitos pedágios, mas passávamos sem pagar. Até aquele lugar o visual era muito feio, cachorros, gente feia, pobreza, lixo e muitos carros. Dali em diante começou a aparecer um lago e o visual mudou. uma serra muito bonita com montanhas verdes que lembravam muito a Califórnia. Mas continuávamos encontrando buracos e os caminhões voltaram também.

Viagem de moto pela Bolívia
Visual bonito da serra

Mais pra diante a estrada se tornou dupla com muito bom asfalto e visual lindo. Paramos pra tirar umas fotos.

Chegando na entrada de Oruro uma baita construção na praça, cheia de animais grandes, um visual bem diferente. Passamos e fomos em direção à cidade pra procurar um hotel. Minha amiga na frente e nós atrás. Entramos na muvuca de carros e gente e de repente a amiga sumiu. Não a achamos mais. Depois soubemos que ela virou à esquerda e nós não vimos. Depois de muito procurar nós dois conseguimos um hotel em frente ao mercado, apinhado de gente, um horror não dava muito pra andar com a moto, era uma sexta-feira. Ficamos num hotel chamado Galáxia, um pardieiro. Um quarto tiskinho e horrível. Depois soubemos através do WhatsApp que nossa amiga estava num outro hotel perto do terminal de ônibus. Ficamos separados nesse dia e na manhã seguinte nos reencontramos.

Percorremos 390 km.

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pela América do Sul

Alemã viaja com uma Royal Enfield pela América do Sul

Da Colômbia ao Brasil, em uma rota de mais de 25 mil quilômetros, passando por quase todos os...

Viagem para o Uruguai e Argentina

Durante 26 dias dos meses de outubro e novembro passado, o carioca Filipe fez uma viagem solo...

Viagens Maneiras de moto pela América do Sul

Eles fizeram sucesso na TV a cabo com o programa Viagens Maneiras, que mostrou o dia a dia de uma...