alt

 

Esteli – Usulutan (Parcial = 362 Km / Total = 10.909 Km)
Na América Central, a filosofia espartana tem sido posta em prática, involuntariamente. Os hotéis tem sido péssimos e as cidades são escolhidas em função do tempo gasto nas fronteiras e da limitação imposta pela iminência da noite; péssimas também. Ou seja, após as tramitações da fronteira – duas adunas e duas migrações – temos avançado na chuva, enquanto há luz do dia.
Em El Espiño cidade da Nicarágua, na fronteira com Honduras, a falta de informação e de segurança ao turista nos obrigou a ficarmos vigiando as motos e a utilizar os serviços do tramitador Erwin (Propina = US$ 20.00 / Custo Aduana = US$ 70.00).
El Amatillo cidade de Honduras, na fronteira com El Salvador, pelo mesmo motivo utilizamos os serviços do tramitador Roni Hernandes (Propina = US$ 20.00).
Em La Hachadura, cidade de El Salvador, o tramitador Erwin.

 

alt

 

A desinformação e a descentralização geográfica dos serviços de aduana, típicas das fronteiras na América Central, criou uma indústria de exploração ao turista chamada tramitadores que é abusiva e corrupta, porque eles próprios dizem que tem participação oficial. O tempo que se perde inutilmente, sem levar em conta o dinheiro que se gasta, foi um dos piores obstáculos que temos enfrentado até agora e esgotado a paciência do Roberto, a ponto de ele pensar em não voltar. O viajante tem que se preparar com todo o seu estoque de boa vontade e paciência para suportar a arrogância e a lentidão das “pequenas autoridades” e as imposições dos tramitadores.

 

alt

 

Outra característica importante da América Central é que as estradas são geralmente muito boas e muito bonitas porque são margeadas ou cobertas pelo manto vegetal. Muitos povoados se estruturam ao longo da estrada onde pessoas, muitos cães, porcos e rebanho de gado a utilizam como se fosse a própria varanda ou quintal. Além disso, é muito importante estar atento às armadilhas que surgem repentinamente em várias curvas da estrada, como uma árvore derrubada pelo vento, desmoronamentos de barro e pedra, deslizamentos que levam uma faixa da cobertura de asfalto ou um rebanho ocupando toda estrada etc e tal.

 

alt

 

Quanto à sociedade, a violência dá sinal de presença em todo lugar. Em todo lugar há seguranças armados. Sempre recebemos admoestação dos populares para não sairmos à noite.

 

alt

 

Depois de rodarmos muito tempo na chuva, chegamos encharcados a Usulatan e fomos recebidos pelo segurança do hotel, com uma escopeta na mão. Nos levou para ver o apartamento, que parecia uma cela: sem janelas, com porta e trinco de ferro, sem água quente e péssima aparência. Isso é muito mais que ser espartano. O Edinho iria adorar.



PHD Artur Albuquerque
Fonte: http://phdalaska.hwbrasil.com/site/ e http://www.phd-br.com.br/

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia

Mais viagens pelas Américas

De Campinas ao Alaska de moto

Relato de uma grande viagem solo de moto de Campinas (SP) até Prudhoe Bay no Alaska, percorrendo...

Entrevista Luis Plein - Viagem de Moto até o Alaska

No dia 29 de abril próximo os motociclistas gaúchos Luis Plein (58) e Marcelo Spode (50) iniciam...

Rodovia Panamericana

A Rodovia Panamericana é uma rede de estradas que se estende de norte a sul no continente...