Entrar

De Piracicaba ao Uruguai numa CG 150

  • Categoria: Uruguai

DSC 0195

Ano passado eu resolvi fazer a minha primeira viagem de moto solo. Saí de Piracicaba (SP) onde moro e fui até Punta del Este no Uruguai com a minha Honda CG 150 Fan. Além de São Paulo e do Uruguai eu passei pelas estradas de outros três estados brasileiros - Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul -, tendo percorrido um total de 4.400 quilômetros.

A viagem durou sete dias, sendo que na ida eu gastei dois dias e meio. No primeiro dia saí de Piracicaba, passei por Curitiba (PR) e fui até Florianópolis (SC), onde pernoitei. Aproveitei para conhecer as belas praias de Balneário Camboriú, que estavam quase desertas.

No segundo dia saí de Florianópolis e quando passei por Porto Alegre (RS) parei no estádio do Grêmio para conhecer. Depois fui até Eldorado do Sul (RS), onde pousei. Nesse dia me chamaram a atenção grandes campos com plantações de arroz e soja e os parques geradores de energia eólica.

No terceiro dia passei pela linda Reserva do Taim, que fica entre Pelotas e Chuí. Nesse trecho foram 200 km sem posto de combustível. Parei no Chuí onde encontrei uma pousada simples, mas acolhedora. Fiz amizade com a dona do lugar, mas isso não me garantiu nenhum desconto na pensão.

No dia seguinte fui para a aduana, onde não tive dificuldades, foi só mostrar a Carta Verde, um documento com foto e o documento da moto. Uma dica é fazer o Seguro Carta Verde na sua própria cidade. Se deixar para fazer na fronteira é mais caro.

Atravessei a divisa com o Uruguai e cheguei a Punta del Este, onde conheci os principais pontos turísticos da cidade, como o monumento La mano, a Casapueblo, o cassino e a Praça da Independência. Sem contar o Rio La Plata, que mais parece um mar gelado. Não pode deixar de conhecer o Museu Casapueblo, a arquitetura é linda. Uma dica para quem for até a cidade é pesquisar com antecedência os pontos turísticos, para otimizar o tempo, apesar de serem próximos.

Tentei arranhar um portunhol com os nossos vizinhos, mas não tive sucesso, mas achei o pessoal muito hospitaleiro e atencioso.

Podia permanecer na cidade até três dias, mas achei tudo muito caro, o preço das coisas é mais salgado que no Brasil, então acabei não ficando por falta de verba. No fim do dia retornei para Chuí, onde fiquei na mesma pensão de onde tinha saído de manhã. A volta foi assim, pousando nos mesmo lugares da ida e gastei três dias para chegar à minha casa.

Faz frio no extremo sul do nosso pais e no Uruguai e conforme ia voltando para São Paulo, a temperatura ia melhorando.

A moto não deu nenhum problema. A única coisa que precisei fazer foi trocar o óleo e esticar a corrente, provando que uma moto de baixa cilindrada te leva aonde você quiser, é só ter vontade de ir. Foi uma viagem única. espero ter a oportunidade de fazer de novo um dia.

Comentários (12)

  1. Hercilio da Silva Ramos Junior

Tudo bem Francisco? Parabéns pela aventura.
Gostaria de saber a data dessa sua viagem para o Uruguai? Em que mês foi?
Grande Abraço....

  1. Márcio Pinheiro    Hercilio da Silva Ramos Junior

Estou querendo ir em dezembro ao Uruguai na minha Broz 150. Seja o que Deus quiser.

  1. Marcelo CTT    Márcio Pinheiro

Também vou.....

  1. Fabrício

Sensacional a viagem. Um tapa na cara da galera que compra moto esportiva ou big trail e não sai do quintal da casa com ela porque acha cansativo. Parabéns !

  1. Hercilio da Silva Ramos Junior    Fabrício

É bem por aí mesmo1 Tenho uma média cilindrada XRE 300 e vivo dando tiros curtos de até 800km, alguns amigos preferem ficar no churrasco básico nos finais de semana argumentando que a moto é de baixa cilindrada para comer asfalto....Estou programando um passeio de 16.000 km em novembro. é um dos planos é ir a Montevidéu.

  1. Luiz Freitas

Pois é. Baixa cilindrada não quer dizer nada. Fui de Brasilia a Belém com garupa (2000 kms) em 2010 e de Brasilia a Fortaleza viagem solo (um pouco mais de 2000 km) em uma Factor 125 Yamaha. cansativo, mas quem disse que a viagem me desanima? Há 3 anos comprei uma Fazer 250, e nela, junto com minha mulher já fomos de Brasília a maceió (2000 km) e de Anapolis - GO a Asuncion - paraguay. O limite da viagem quem impõe é o piloto. A segurança dele quem faz é ele mesmo. Em Novembro desse ano (2016) irei a Montevidéu com minha mulher na garupa para conhecer a cidade. Novamente irei na minha Fazer 250. Enquanto novembro não chega, estou indo em Julho à ilha de Mosqueiro no estado do pará, próximo a Belém, para pegar uma praia. A estrada é tudo de bom.

  1. Francisco Pessoa Braga    Luiz Freitas

É isso aí Luiz, não tive oportunidade de conhecer Montevideu fui próximo quem sabe uma próxima, boa viagem

  1. Rogerio de Godoy

Puta q pariu em Chicao essas horas vc não me chama né ...

  1. Francisco Pessoa Braga    Rogerio de Godoy

a próxima vou para a Argentina vamos ver se vai mesmo

  1. marcelo

ola.. fiz o mesmo viajem solo no carnaval 2016, porem com minha moto de 800cc..... sai de SP (capital) pousei em floripa... dia seguinte pousei em chu descendo por osorio (estrada linda, sem transito e sem pedagio)i, dia seguinte pousei em punta del leste (tudo caro), dia seguinte pousei em montevideu, dia seguinte pousei em colonia del sacramento (mt bonito o lugar, vale a viajem) dia seguinte ja retornando ao brasil pousei em passo fundo e depois ja retornei a SP (capital)... total 4.500 Km sem problemas com a moto.

Otima viajem, pretendo fazer essa viajem novamente...

  1. Marcelo CTT    marcelo

Ola, irei fazer essa viagem agoro em Dezembro/17 com minha XRE 300. Abs.

  1. Francisco Pessoa Braga    marcelo

olá Marcelo fui até punta del lest e voltei para pousar em chui é mais em conta ,assustei até com o preço da nafta lá,ia ate te chamar para proxima ,mais nao acompanho uma 800cc kk

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização