Viagem de moto até o Chile

Caros amigos, realizei um sonho, viajar de moto, subir a Cordilheira dos Andes a 4170 metros de altitude e chegar a San Pedro de Atacama no Chile, a quase 3 mil km de casa.

Comecei a viagem três meses antes, pesquisando a rota e os locais por onde iria passar. Sai de Florianópolis no dia 6 de março de 2013 pilotando uma Honda XRE 300 e meu amigo Ricardo Tavares numa TDM Yamaha 225. Loucos? Não, guerreiros!!!

Abaixo, o roteiro seguido e algumas informações que poderão ser úteis para os amigos motociclistas.

1º DIA 06/03/2013 – Florianópolis - São Luiz Gonzaga

Primeira parada, após viajar 778 km, em São Luiz Gonzaga (RS). Nada mal para o 1º dia. Ficamos bem no Centro, em frente à praça, no hotel Sérgio a R$ 40,00 com café da manhã.

2º DIA 07/03/2013 – São Luiz Gonzaga - Corrientes

Atravessamos a fronteira para a Argentina em São Borja. Apresentamos a Carta Verde, que comprei por telefone numa agência em São Borja por R$ 40,00 por 30 dias. Acertamos tudo por e-mail e me enviaram por Sedex. Levamos passaporte, o que facilitou e agilizou a passagem na Fronteira. Compramos pesos Argentinos na fronteira por um câmbio muito bom, 1 Real por 3,10 Pesos.

Finalmente na Argentina, ufa! Nunca havia saído do Brasil de moto... Seguimos nosso roteiro, passando por Posadas. Vale lembrar que nessas regiões tem poucos postos de combustível, então, sempre que passar por um posto, complete o tanque.

Chegamos a Corrientes Argentina de noite, após andar 480 km. Encontramos um hotel a R$ 43 por pessoas, 270 pesos para duas pessoas. Vale lembrar que se estiver em dois podem rachar o quarto, fica mais barato. Uma pessoa sozinha iria pagar 250 pesos.

3º DIA 08/03/2013 – Corrientes - Monte Quemado

Nosso objetivo era chegar a Salta. Passamos pela Província de Chaco na Argentina, uma região com muito calor, quase 40º, uma reta sem fim e muitos pássaros passando na frente da moto. Atropelei duas rolinhas, era impossível desviar de tantas. Chegamos a Monte Quemado depois de percorrer 447 km, andamos pouco, porque a moto do meu amigo apresentou problemas elétricos... Monte Quemado tem um só posto de combustível e muitas, muitas motos pequenas com condutores rodando sem capacetes.

Hospedamos no Hotel 9 de Julho a 180 pesos e jantar a 95 pesos, tudo para duas pessoas.

4º DIA 09/03/2013 – Monte Quemado - Salta

Saímos bem cedo e o dia estava lindo. Andamos 386 km e chegamos à tão esperada Salta, nos pés da Cordilheira dos Andes, uma cidade muito linda, com praças grandes e construções históricas, muitas opções de lazer e aventura...

Ficamos no Hotel Continental, bem na entrada da Cidade, pagamos 150 pesos por pessoa, cerca de 50 reais em um hotel muito bom!!! recomendo.

5º DIA 10/03/2013 – Salta

Ficamos um dia e meio conhecendo a cidade, aproveitamos para comprar Pesos Argentinos e recomendo comprar Pesos Chilenos também. Não fiz e me arrependi depois, pois paguei mais caro... a moeda você consegue fácil na praça central da cidade.

6º DIA 11/03/2013 – Salta - Susques

Partimos rumo a Susques Argentina, 286 km subimos muito a Cordilheira e passando por uma altitude de 4170 metros. As motos já não rendiam tanto... nesses locais não tem tantos postos de combustível e é melhor levar uma reserva para completar a cada oportunidade.

Procuramos um hotel, hostel, pousada e nada, tudo ocupado e não conseguimos hospedagem. Minha cabeça estava estourando de dor e já escurecia. Susques é uma Vila bem pequena e só tem um hostel. Nossa sorte é que levamos barracas, mas à noite faz muito frio. Achamos umas casinhas feitas com paredes de barro, em construção, sem as portas, mas com telhado, então achei melhor acampar dentro delas. A cobertura e as paredes fechadas garantiriam um lugar mais quente, protegendo contra o vento que estava muito forte lá fora.

7º DIA 12/03/2013 – Susques - San Pedro de Atacama

Mais uns 400 km. De Susques, passamos a fronteira com o Chile pelo Paso de Jama, rumo a San Pedro de Atacama, um lugar único no mundo... uma paisagem lunar.

Finalmente, após sete dias, chegamos... Eu via San Pedro lá de cima, um vale de cor arenosa e terra. Parei ao lado do vulcão Licancabur e fiquei ali por 30 minutos admirando o visual. Agradeci ao meu Deus por me guiar e estar comigo em todos os momentos da viagem.

Chegamos na entrada da Cidade e passamos pela aduana, verificaram a bagagem e passaporte e fomos liberados. Dali fomos para o centrinho, na praça ao lado da igrejinha de San Pedro, onde fomos recebidos por um motociclista que nos indicou uma pousada para ficar. Ficamos ali por 7 dias e pudemos conhecer boa parte da Cidade e da região. Pagamos 45 reais por dia na pousada e fizemos as refeições na sua cozinha, onde economizamos bastante. San Pedro é uma Cidade cara para comer e hospedar. A gasolina beirava os 4 reais o litro, tem muitos passeios e vários opções de aventura, como por exemplo, escalar um vulcão. Um lugar único que recomendo para todos os apaixonados por aventura e para quem quer pegar estrada de verdade.

Voltei para o brasil em 5 dias, sozinho, pois a moto do meu amigo apresentou problemas com a parte elétrica, e assim pude vir mais rápido, mas nada como ter uma parceria para dividir a emoção de uma viagem como esta.