Mais uma vez tudo pronto para uma longa viagem com minha Honda Shadow 750, dessa vez pelo interior do Brasil. O plano era percorrer de moto as estradas de 6 estados brasileiros e o Distrito Federal para conhecer a Chapada dos Veadeiros e a Chapada Diamantina.

Dia 01: Saí da cidade de Jacareí (SP) bem cedo para render. Estava chovendo muito a semana toda e assim foi por todo o dia. Do estado de Sao Paulo passei por Minas Gerais e logo entrei no estado de Goiás, tendo com destino final a cidade de Pirenópolis. Nesse caminho, encontrei um parceiro que ia com sua Harley-Davidson Heritage sentido Brasília e assim rodamos juntos por muitos quilômetros.

Despois de muita chuva, ficar perdido e cansado, cheguei a Pirenópolis (GO), tendo rodado 1.150 km no primeiro dia de viagem.

Dia 02: Sem pressa desta vez, fui ao Museu Rodas do Tempo, o que me levou até a cidade de Pirenópolis. Valeu a pena: um acervo incrível de motocicletas antigas de todas as marcas no local, muito legal.

Após a visita, parti na direção da capital do nosso país. Passei por Brasília (DF) com sua arquitetura espetacular e trânsito confuso, que fez com que desviasse um pouco minha rota, mas no fim, cheguei a Alto Paraíso de Goiás (GO) e ao portal da Chapada dos Veadeiros.

Viagem de moto chapada 02

Dia 03: Após conhecer a cidade no dia anterior, o dia foi para conhecer os cartões postais da Chapada. Primeiro passei pelo Vale da Lua com suas belas formaçoes rochosas. Depois fui para o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e percorri uma trilha de 11 km, onde passei por cachoeiras enormes e lindas que valem muito o esforço. Depois do banho na cachoeira, voltei para o hostel para descansar.

Dia 04: Hora de rodar. Sai de Alto Paraíso tendo como destino a Bahia. O calor estava muito forte durante todo o dia. Saí do estado de Goiás para Tocantins em Campos Belos e um tempo depois cheguei à Bahia, onde percorri uma estrada com retas interminaveis até Barreiras (BA).

Dia 05: No dia anterior ja havia tentado esgotar o óleo do motor sem sucesso por causa de um parafuso espanado, então acordei e fui até o posto para conseguir ajuda. O cara do posto conseguiu soltar o parafuso, então fui atrás de um novo. Andei muito até encontrar. Voltei para o posto, trocamos o filtro e pronto, tudo novo. Ao perguntar o preço do serviço, recebi um aperto de mão e ele me falou que era um presente kk. Agradecido pela força, juntei minhas coisas e parti.

Depois de muitas retas e calor, cheguei à cidade de Lençóis ainda a tempo de subir o Morro do Pai Inácio, cartão postal da Chapada Diamantina. Realmente, é uma vista incrível.

Viagem de moto chapada 12

À noite fui até o centro da cidade, e que vibe (vibração) encontrei.

Dia 06: Nessa noite tive que acampar, então levou um tempo a mais para juntar as tralhas e partir. Fui pra cidade de Ibicoara, no Sul da Chapada. Chegando lá, encontrei dois rapazes que iriam para a cachoeira do buracão. Assim, me juntei a eles e fomos de carro até a trilha para a cachoeira, uma enorme queda d'água entre paredões rochosos que forma cânions enormes. Com certeza um dos lugares mais bonitos que já vi.

Dia 07: De volta para a estrada, sai de Ibicoara cedo e não sabia o que encontraria. Foi o pior dia para rodar porque encontrei estradas horríveis no interior da Bahia. Antes do almoço caiu uma tempestade e assim foi o resto do dia. Cheguei à cidade de Itabela (BA) ja escurecendo, querendo somente um banho e uma cama.

Dia 08: A chuva parou, então segui viagem. Desci a BR-101 saindo da Bahia e chegando ao Espírito Santo, agora com belas praias. Ainda na Rodovia, ganhei um presente de 7 pontos na carteira para nunca mais esquecer. O destino do dia era Guarapari (ES).

Dia 09: Tranquilo, levantei para curtir uma praia. O dono do hostel, muito gente boa, me acompanhou. Depois do banho no mar, fomos até um lago próximo com águas quentes. Porém, ainda tinha estrada pela frente. Após o almoço, juntei as tralhas e voltei para a estrada. Entrei no estado do Rio, porém somente para chegar a Minas Gerais, onde segui pelo interior do estado até a cidade de Muriaé onde pernoitei.

Dia 10: Mais uma vez levantei acampamento e peguei estrada. Passei por Juiz de Fora e segui pelo sul de Minas com suas belas montanhas e curvas de raspar a pedaleira. Cheguei à cidade de Sao Lourenço a tempo de pegar uma piscina e dar um rolé no centro.

Dia 11: Ultimos quilômetros da viagem. Sai sentido São Bento do Sapucaí e sua serra que desafia os motociclistas da região. Um dia de sol agradável para fechar com chave de ouro. Cheguei à minha casa à tarde, depois de 4.860 km percorridos, feliz e com o sentimento de dever cumprido

Viagem de moto chapada 14

De todos os lugares estradas e paisagens, o que mais vale a pena são as pessoas que encontramos na estrada, pessoas que eu pude ajudar e que foram solícitos com um cara estranho e sua moto. Realmente são as pessoas que enriquecem de uma forma incrível uma viagem de moto. E assim encerrou a expedição as chapadas. E que venha a proxima!!!

Comentários (9)

This comment was minimized by the moderator on the site

Salve, Victor.

Show de viagem, hein? O irado é que sempre encontramos pessoas do bem disposta a ajudar. Isso realmente não tem preço.

Comprei um Midnight recentemente. Já fiz viagens curtas mas estou planejando fazer uma viagem longa, Curitiba / Brasília, provavelmente.

Qual a tua experiência em viajar sozinho? Quais pontos positivos e negativos? Imagino que em turma tende a ser mais seguro na hora de um aperto. Mas entre ir sozinho e não ir é melhor ir com tudo, hehe.

Abraço, man.

This comment was minimized by the moderator on the site

http://viagemdemoto.com/viagens-pela-america-do-sul/3692-viagem-de-shadow-pela-america-do-sul
a outra viagem que comentei antes irmão se quiser dar uma olhada.

This comment was minimized by the moderator on the site

Irado.

Um dia chego lá... e em breve. hehehe

\m/

This comment was minimized by the moderator on the site

Valeu Eduardo
Cara além dessa viagem fiz outra um pouco maior ano passado passando pelo Chile, Argentina e Uruguai tenho relato aqui no site também, além de outras viagens a Serra do rio do rastro e outras.
Cara já fiz os dois tipos de viagens e particularmente para viagens longas prefiro ir sozinho oou com no máximo mais um, apesar dos riscos de rodar sozinho a liberdade que se tem programar e alterar a viagem no seu decorrer é muito maior, em grupo é muito mais seguro porém gera-se muito mais conflitos e dependendo do lugar você precisa deixar coisas ou lugares de lado que talvez depois se arrependa. Eu ando em grupo faço parte de moto grupo porém acho que com um bom preparo tanto da moto quanto pessoalmente você consegue ir aonde quiser, e caso ocorra imprevistos como eu sempre digo a estrada cuida do resto acredito que o espirito seja esse.
Espero ter ajudado irmão e você tem razão de todas as opções a melhor é ir kkkkk, um abraço e bons ventos pra você e pra motoca!

This comment was minimized by the moderator on the site

Obrigado! Minha moto também tem roda raiada com câmara. Mas esse ano tiro um dos projetos da gaveta: de Brasília ao ES, passando por Curvelo, Diamantina, Ipatinga e depois a serra capixaba até Guara pari ou de Brasília até a Serra do Rio do Rastro em SC.

This comment was minimized by the moderator on the site

Já estive também na serra do rio do rastro e são apenas belezas diferentes, particularmente eu prefiro o sul do país porém ambos roteiros são incríveis, bora rodar irmão!!

This comment was minimized by the moderator on the site

Como lidar com pneus furados? Como iniciante, esse é o maior obstáculo que vejo para começar minhas andanças também.

This comment was minimized by the moderator on the site

Eduardo primeiro você deve levar em consideração sua moto, a minha por exemplo por ter rodas raiadas possui câmara de ar isso dificulta um poucos as coisas, agora se for roda maciça de liga são pneus sem câmara e existem reparos bem práticos para viagens neste caso.

Sempre que viajo levo um spray de reparo que caso o furo seja pequeno ele veda e enche o pneu aplicando na válvula, desta vez nao tive problemas com isso mas em outra viagem que fiz para o Chile, Argentina e Uruguai, meu pneu furou na fronteira do Uruguai com o Brasil porém o furo foi muito grande ai não tive outra escolha a não ser abandonar a moto e ir atrás de um borracheiro da região para me socorrer.

A gente pode se prevenir até um certo ponto a partir disso temos que deixar acontecer, agora uma coisa te garanto vale muito o risco, então se você pensa em cair na estrada vai irmão que você não vai se arrepender. Espero ter ajudado.

Abraço.

This comment was minimized by the moderator on the site

Obrigado! A minha moto também tem roda raiada com câmara. Esse ano vou tirar um dos projetos da gaveta. Ou de Brasília ao ES, passando por Curvelo, Diamantina, Ipatinga e depois a serra capixaba até Guarapari, ou de Brasília à Serra do Rio do Rastro em SC. Levarei uma coleção de telefones de borracharias e guinchos ao longo do caminho.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.