• Américas
  • Publicado em:

Perseguindo alguns raios de sol da meia noite

Neil Peart Viagem de moto 6Foi uma ideia idiota, para começar, e eu me culpo. Brutus e eu estávamos planejando um passeio de moto de duas semanas para o oeste do Canadá e eu mencionei que poderia ser divertido ir mais ao norte. Longe o suficiente, talvez, para ver o sol da meia-noite.

Examinamos o mapa e verificamos as distâncias. Não havia muitas opções no extremo norte, as estradas são poucas e os destinos habitados são limitados. Uma linha pouco tentadora no alto do mapa, a Dempster Highway, percorre todo o caminho para Inuvik. E o Círculo Polar Ártico. Mas não, não desta vez. O mesmo para o Alasca ou o Yukon - nunca poderia chegar lá e voltar em duas semanas.

Algum idiota sugeriu Yellowknife e começamos a planejar. A viagem de ida e volta, com algumas tangentes cênicas, totalizaria de cerca de 13.000 km, permitindo ficar um dia em Yellowknife, isso significaria uma média de mais de 900 km por dia, um dia após o outro. Fatores como tempo incerto, montanhas, alguns trechos longos e remotos de estrada de terra em British Columbia e nos Territórios do Noroeste, várias forças policiais interferindo com a nossa ideia de dar um ritmo adequado à viagem e problemas mecânicos... Parecia um pouco assustador.

Muito além do fim do arco-íris, em seu caminho para o norte do paralelo 60º, Neil Peart encontra esplendor na lama. Ou talvez não...Ao mesmo tempo erguemos os olhos do mapa e assentimos solenemente um para o outro. Sim, nós iríamos ao norte do paralelo 60º para pegar alguns raios de sol da meia noite.

Aqui está a lama em seu olho

Assim, partimos em uma longa e dura viagem com nossas BMW sport-touring - ótimas para as estradas pavimentadas, mas não tanto para a outra parte da rota: Mil Milhas de Sujeira. E pior: a chuva forte nos Territórios do Noroeste fariam com que os trechos em obras se transformassem em atoleiros, fazendo com que nós e nossas motos nos estatelássemos na lama. Mas somente mais tarde, quando eu já estava deitado na lama argilosa e olhei para minha moto caída que eu soube disso com certeza.

Foi uma ideia idiota para começar. E eu culpava Brutus.

Indo a lugar nenhum, muito rápido

Neil Peart Viagem de moto 6Como regra geral, somos a favor de estradas de duas pistas (com uma pista de ultrapassagem), um belo cenário (com um bom hotel e uma boa carta de vinhos nas proximidades) e rotas criativas (serpenteando pelo campo por centenas de quilômetros, mas chegando a um hotel para um coquetel). Nosso lema oficial: "Levando sempre / para ir a lugar algum / muito rápido".

Este plano nós colocamos em prática. Na estrada com o sol nascendo, geralmente por voltas das seis horas, nós progredíamos rápido enquanto as estradas estavam quietas e o mundo ainda estava acordando. Um lanche viria mais tarde em um restaurante de cidade pequena. Nos primeiros dias, contornamos o Lago Huron e, em seguida, a costa norte do Lago Superior, com a sua paisagem de rochas cobertas por geleiras e pinheiros açoitados pelo vento, tão amada por pintores de paisagens canadenses.

Depois de Thunder Bay, um vento quente de pradaria substituiu a brisa fresca do lago e, em Manitoba, a floresta recuou como uma cortina. A vasta pradaria verde aberta de todos os lados e para o mundo lembrava um disco, com 360 graus de horizonte. Uma parada rápida na concessionária BMW em Winnipeg para corrigir uma junta com vazamento, um relé defeituoso e continuamos para oeste com óleo e filtros novos.

Em Saskatchewan, uma curva cênica através do Vale do Rio Qu'Appelle levou-nos para fora da Trans-Canadá. No cume de uma montanha, paramos e olhamos por sobre a garganta profunda, através das antigas muralhas do outro lado e para baixo, onde um pequeno trator levantava uma longa nuvem de poeira no ar.

Nesta pradaria, o Vale do Qu'Appelle é, por falta de muita coisa, uma característica geológica significativa. As sinuosas trilhas gramadas de uma colina de esqui foram esculpida nas paredes do vale. No entanto, no seu conjunto, a paisagem de Saskatchewan não parece exatamente plana, mas mais amarrotada e ondulada, um grande edredom verde. Brutus e eu corremos pela vasta rede de estradas vazias, os campos de trigo e canola estavam brilhantes com as chuvas do início do verão. Meu capacete enchia com o perfume de violetas quando passamos pelas fazendas isoladas. Em Melville, uma linha de vagões esperava pelos grãos colhidos na pradaria, criando uma cena clássica e imponente. Enquanto tomamos um copo de limonada no Waverley Hotel, Brutus e eu discutimos como nossa quilometragem parecia ter radicalmente diminuído por essas "rodovias da pradaria". Algumas peculiaridade da atmosfera, sem dúvida.

Westward Ho

Neil Peart Viagem de moto 6Trovoadas caindo sobre as ruas de Regina naquela noite nos detiveram para assistir ao jogo de luz. Ao amanhecer, o céu da pradaria estava claro e as ruas lavadas. Voltamos para a Trans-Canadá - e Brutus ficou sem gasolina, uma centena de metros antes do posto de gasolina de Chubby. Descobriu que seu tanque de gasolina não foi encaixado corretamente quando o relé foi substituído e agora havia três litros fora do alcance do captador de combustível. Este seria corrigido na concessionária BMW em Calgary, onde também compramos alguns materiais necessários - mais plugues de ouvido de espuma, um detector de radar para o Brutus, um parafuso para meus óculos de sol e um bom jantar japonês com frascos de saquê quente.

Após o café da manhã em Lake Louise (ainda um dos mais belos lugares que já estive) fomos para o norte, para a Columbia lcefields Parkway. Esse era um território novo para nós dois, então tínhamos planejado o dia para visitar mirantes, fazer caminhadas para longe da estrada para ver cachoeiras ou as águas cor de turquesa do Lake Peyto enquadradas entre as montanhas pintadas de neve. O tempo foi reservado para fotos e vídeos, observação da vida selvagem (urso preto, veados brancos e mula de calda, alces, carneiros selvagens, corvos, gralhas) e uma subida do Athabasca Glacier (de tirar o fôlego, em ambos os sentidos).

"A Columbia lcefields Parkway exigiu tempo para caminhadas e observação da vida selvagem. Um bisão ao lado da Liard Highway provocou um momento de pausa enquanto se dirigiam para os Territórios do Noroeste. Antes da chuva e da lama havia poeira, torrentes de poeira, na longa trilha para o norte através do permafrost e muskeg."Jasper é uma cidade agradável para restaurar as energias dos amantes do ar livre e de lá voltamos para oeste, saindo ao amanhecer. Havia névoa sobre os lagos e montanhas e uma manada de veados, com pesados chifres, descansando na grama encharcada de orvalho. Através da Yellowhead Pass, descemos a Mount Robson (pico mais alto das Montanhas Rochosas) e a Northern British Columbia Interior. O tempo permaneceu instável e, eventualmente, decidimos que a única maneira de estar preparado na British Columbia era usar nossas capas de chuva o tempo todo. Com os óculos de sol.

Nessa área remota eu tinha pensado que poderíamos dispensar o detector de radar. Foi uma ideia idiota eu reconheço. Com certeza, perto do meio do nada, fomos parados e acusado de exceder o limite de velocidade. Brutus me deu uma surra verbal e eu merecia.

De Hazelton, um longo caminho levava para o mato. Pavimentada a princípio, ela mudou para cascalho, depois tornou-se estreita e áspera, até que finalmente chegamos ao Sportsman Kispiox Lodge, onde ficamos em um chalé bem decorado - o meu tipo favorito de alojamento, uma espécie de fuga. O caudaloso Kispiox River movimentava-se entre as árvores, montanhas polvilhadas de neve apareciam distantes e um arco íris repentino brilhou ao sul. Do seu final não veio um pote de ouro, mas uma Harley, rugindo em minha fotografia, indo longe na pequena estrada de cascalho. Gostaríamos de saber o que estava fazendo lá. Talvez tenha visto nossas BMWs e se perguntado o mesmo sobre nós.

Neil Peart Viagem de moto 6A Stewart-Cassiar Highway leva direto para o norte, para a Alaska Highway, e foi parcialmente pavimentada e em parte não. O dia estava claro em parte, e em parte ... não. Usávamos nossos óculos de sol ... e nossas capas de chuva. A maioria do tráfego consistia em carretas, muitas delas viajando em comboios, tanto para a segurança em números, ou porque uma vez que se encontravam, nenhuma poderia passar (com a massa e aceleração de uma geleira).

Perto do final do dia mais longo ainda - mais de 1.100 km - que foram percorridos com o melhor caminho: a Alaska Highway, a leste de Watson Lake no Yukon. Agora viajando contra o fluxo de carretas, todas com título "ao norte do Alasca," tínhamos a estrada para nós. Como minhas notas contam:

"A estrada torna-se um uma sucessão de curvas, prazer rápido e eficiente. Todo o cansaço, dor e fadiga são totalmente esquecidos, perdidos no puro prazer de andar por uma estrada desafiadora através de montanhas majestosas.".

Depois disso, as coisas ficaram selvagens. A Liard Highway, uma grande estrada de cascalho em linha reta, leva para os Territórios do Noroeste (onde é chamada, mais precisamente, de Liard Trail), por trechos ininterruptos de floresta baixa, alternadamente escuras com abeto vermelho ou brilhantes com álamos. Esta é a terra do permafrost, sem a qual esta parte do norte seria um deserto, a terra congelada durante todo o ano, tem água suficiente para suportar os pântanos e cerrado.

Torrentes de poeira na estrada obrigou-nos a andar bem separados e, em um ponto, deparei-me com Brutus parado no meio do cascalho, apontando para um grande vulto negro à frente na estrada. "É um urso", disse ele. "O que você acha que devemos fazer?"

Depois de um momento de consideração, eu disse: "Eu vou prosseguir muito devagar e você mantenha a câmera de vídeo pronta quando ele começar a mastigar minha perna". Quando eu passei ao lado, o urso sentou-se me confrontado com as orelhas eretas, em seguida virou-se e saltou para a floresta.

Outra vez foi um bisão, um enorme touro de aparência brava com moscas pululando em torno de seus olhos vermelhos. Mais uma vez eu segui devagar, imaginando o que ele iria fazer, mas o bisão balançou a enorme cabeça um par de vezes e se arrastou para o mato.

Sempre que paramos para uma pausa ou para olhar para uma cachoeira, outro tipo de vida selvagem aparecia: os infames insetos do norte. As grandes moscas eram chamadas de "bulldogs" pela população local e pareciam ser atraídas pelo calor das nossas motocicletas, enquanto as nuvens de mosquitos estavam atrás do nosso sangue.

Vinte tipos de lama

Neil Peart Viagem de moto 6Diz-se que o inuit têm 20 palavras para descrever diferentes tipos de neve e logo ficamos sabendo que estradas não pavimentadas são assim também. Às vezes, uma superfície mais firme nos permitia desenvolver facilmente velocidade de cruzeiro a 80 ou 100 km / h, enquanto em outras seções, sentia como se estivéssemos navegando sobre pedras soltas. Se olhássemos muito à frente, poderíamos escolher o ponto ideal - o sulco deixado por caminhões - e simplesmente deixar nossas rodas segui-lo. Às vezes as motos dançavam abaixo de nós, derrapando no ritmo e nós tivemos que aprender a usar o nosso instinto para usar os freios ou reduzir a aceleração - como pilotos de trilha - e andar no meio.

Uma balsa levou-nos sobre o Liard River para Fort Simpson, longe o suficiente para o norte. Às 11 horas da noite eu estava olhando pela janela do meu quarto de hotel (que tinha um buraco de bala) e observando as crianças brincando na rua. Na manhã seguinte estávamos na Mackenzie Highway, dirigindo para Yellowknife, quando a chuva começou.

Depois de quase 300 km de cascalho molhado e deserto sombrio, durante os quais encontramos um punhado de outros veículos, uma balsa sobre o Mackenzie River (as balsas são substituídas no inverno por "pontes de gelo"; os caminhões só atravessam o rio congelado, que tem as capacidades de carga de segurança afixadas na orla). A chuva continuou, mais difícil agora.

Durante o almoço no Snowshoe Inn, em Fort Providence, caminhoneiros que passavam nos disseram que esta foi a primeira grande chuva desde que a neve tinha derretido, em abril, e se estivéssemos indo para Yellowknife ... eles balançaram a cabeça.

Parece que não importa aonde você vá no Canadá, é um país de duas temporada: inverno e construção. A estrada tinha a superfície de barro repleta de buracos e a consistência de tinta. Com a nossa ampla experiência e relativamente lisos pneus, era como derrapar sobre uma chapa untada e escorregar lentamente através de profundas e escorregadias trincheiras. A roda traseira do Brutus pegou uma pedra saliente e ele caiu, deslizando até parar com a moto de lado. Deslizando e dançando, eu consegui estacionar minha moto no cavalete central e patinar sobre a lama para ajudá-lo. Depois que sua moto foi erguida, com a perda de um espelho, eu não poderia começar a me mover novamente - cada uma das minhas rodas estava atolada em um barranco diferente e a roda traseira girou inutilmente, empurrando-me para o lado e para baixo da estrada.

Neil Peart Viagem de moto 6Brutus veio para ajudar, mas tudo o que podia fazer era me ajudar a levantar. Logo minha moto caiu e eu segui junto, escorregando como em um rinque de luta na lama. Um motorista de caminhão tinha parado quando fiz sinal para perguntar quanto tempo isso duraria. Se fosse por muito mais tempo, poderíamos estar diante de uma derrota.

"Talvez cinco horas mais", ele me disse antes de tentar continuar, mas não conseguiu colocar a grande plataforma em movimento novamente. Como Brutus e eu, meio rebolando na outra direção, as rodas motrizes do caminhão giravam na lama e ele atolou. Depois de parar para mim. Eu me culpei e tenho certeza que o motorista do caminhão o fez também. Sem dúvida, ele ainda está esperando para me encontrar em algum momento, em uma estrada escura.

Meia-noite bronzeado

Depois de uma luta de 10 horas através do cascalho e lama da Mackenzie Highway, nossa primeira parada em Yellowknife foi em um posto de lavagem a jato. Estávamos com nossas capas de chuva e pulverizamos um ao outro antes de nos voltarmos para as motos. O Hotel Explorer é um arranha céus surpreendentemente luxuoso na orla da cidade e seu restaurante proporcionou uma excelente recompensa para os nossos sofrimentos: truta do ártico e bifes de caribu e búfalos, um bom vinho e um final decadente com Cherries Jubilee e conhaque.

Exploramos a cidade no dia seguinte, esperando que o sol brilhante e a brisa fresca secassem a Mackenzie Highway antes de a enfrentarmos novamente em nosso caminho de volta. A população de Yellowknife é de apenas cerca de 12 mil habitantes, mas é o centro do governo e de negócios para um território enorme (um milhão de quilômetros quadrados, ou um quinto da área do Canadá). Ao longo de suas ruas pavimentadas, edifícios modernos abrigam muitas das lojas franqueadas do Canadá.

Em contrapartida, a parte antiga da cidade reflete o início da Comunidade, com pistas que serpenteiam em torno da baía de Great Slave Lake. Aviões decolam e pousam durante todo o dia, servindo caçadores, povoados remotos, minas, plataformas de petróleo e instalações de defesa. O rústico Wildcat Cafe e Bush Pilot's Brew Clube têm vista para a praia e as façanhas dos primeiros pilotos ousados também estão documentadas no museu da cidade, que visitamos antes de nossa ida à concessionária Honda local.

Era hora de outra troca de óleo, o que poderíamos ter feito no estacionamento do hotel, mas nestes tempos esclarecidos, o que você faz com o óleo usado? Além disso, a lavagem da lama entupiu algo no meu motor - saiu pela culatra em voz alta por toda a cidade, enquanto personagens de aparência rude correram para se proteger - e eu esperava que um mecânico pudesse ajudar. O serviço era orientado principalmente para snowmobiles, mas o jovem e eficiente mecânico Mark foi capaz de ajustar um cabo e colocar a injeção de combustível em sincronia.

Depois de correr em cinco ou seis horas de sono por noite durante uma semana, estávamos na cama cedo naquela noite, com os nossos alarmes definidos para a meia-noite - o solstício de verão. Na hora marcada, quando liguei para o quarto de Brutus, sua voz sonolenta me disse que ele já tinha decidido "deixar passar" e desligou o alarme, mas agora ele rosnou: "Ok, vamos acabar logo com isso." Conversa agradável, com nosso objetivo finalmente em mãos. Tentei convencer o gerente da noite para nos deixar subir ao telhado do hotel, mas ele alegou não ter chave, por isso fomos para o estacionamento. No curso da meia-noite, uma pitada de sol ainda brilhava no horizonte e um crepúsculo sobrenatural refletiu sobre os lagos próximos. Guardamos tudo isso em souvenirs, fotos e vídeos e Brutus foi feliz para a cama.

À nossa frente agora uma longa viagem de volta para casa, descendo por Alberta para Peace River e Edmonton, onde pegamos novos pneus e pastilhas de freio, depois para o leste na Yellowhead Highway através de Saskatoon e o mais ampla edredom verde de Saskatchewan. Perto de Winnipeg, pegamos a Trans-Canadá novamente, mas o sol acabou na fronteira de Ontário e vento e chuva nos perseguiram o resto do caminho para casa.

Depois de mais um dia de mil quilômetros, com frio, chuva e rajadas de vento fortes vindas do Lake Superior, pernoitamos no Parkway Motel em Wawa, Ontário. Estávamos profundamente cansados, gelados e espancados pelo vento. A roupa molhada foi espalhada em todos os lugares para secar. The Weather Channel falou que viria mais frio, mais vento, mais chuva. Um táxi entregou pizza no nosso quarto de motel.

Ao mesmo tempo olhamos para cima e balançamos a cabeça solenemente um para o outro. Tinha sido uma ideia idiota para começar. Eu me culpei. Brutus também.

Por Neil Peart
Revista Cycle Canadá, abril de 1996

Tradução e adaptação: Rômulo Provetti

Deixar seu comentário

Postar comentário sem fazer login

0 / 2000 Restrição de Caracter
Seu texto deve conter 5-2000 caracteres
Seu comentário será enviado para moderação pelo administrador.
  • Nenhum comentário encontrado