A fantástica viagem de moto do baterista do Rush

Navegando pela internet encontrei o texto abaixo escrito pelo Neil Peart em seu site oficial. Ele conta de forma bem detalhada e ao mesmo tempo com muita sensibilidade, uma viagem de moto que fez na companhia do amigo Brutus pela América do Sul. Eles partiram de São Paulo, passaram pelo Rio, depois foram até Buenos Aires, na Argentina, atravessaram os Andes e finalizaram a viagem em Santiago, no Chile.

Para quem não conhece, Neil é escritor e músico da banda canadense Rush, e considerado um dos melhores bateristas de rock de todos os tempos. A viagem foi feita durante a turnê da banda, Time Machine, pelas quatro cidades acima em outubro passado.

Como acontece em toda viagem de moto, ele teve a oportunidade de meditar sobre sua vida, ter medos, questionar religião e igreja, a humanidade, os governos, se emocionar com a situação dos mineiros chilenos, e muitas coisas. É um texto longo, mas vale a pena ser lido por todos os motociclistas e fãs. Melhor ainda se for motociclista e fã. Algumas fotos me são familiares, lembrando a viagem que fiz em janeiro de 2009 e que incluiu boa parte do mesmo percurso que eles fizeram. Me desculpem os eventuais erros na tradução.

Rômulo

Viagem de moto pela América do Sul - Andes Loops
Photo by Brutus

O Poder do Pensamento Mágico

Todos temos as nossas próprias marcas do pensamento mágico, o meu me trouxe a este "caminho", como descrito. Apesar de minhas crenças sobrenaturais não incluírem deuses do céu ou "técnicas de visualização", eles adotam as perseguições igualmente irracionais de sonhar, ousar e confiar. Essas são as qualidades que me fazem acreditar que eu poderia fazer a turnê de concertos no Brasil, Argentina e Chile, de moto.

Quando a turnê sul-americana estava sendo planejada para outubro de 2010, comecei a sonhar com ela pilotando, depois me atrevi a pensar em voz alta, e a partir de então, era uma questão de esperança. Eu sabia que não seria fácil. Meu parceiro de longa data de viagens, Brutus, deveria tratar do planejamento de rotas e logística (até mesmo viajando dez dias antes para o Brasil para fazer um "reconhecimento antecipado"), e voltar comigo. Para mim, me daria a oportunidade de, através das performances com o Rush em São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires e Santiago (para ganhar o dinheiro para o combustível), e preparar minhas duas motocicletas BMW R1200 GS, com novo óleo e pneus, bagagem, kits de ferramentas e primeiros socorros, e reservatórios de gasolina extra.

No passado, Brutus e eu tínhamos feito uma quantidade considerável de aventuras viajando de moto, muitas delas juntos. Sabíamos como nos preparar para uma viagem como essa, e como improvisar em torno de vários obstáculos pelo caminho. Mas, ainda assim, nós também precisaríamos ter sorte. É aí que o pensamento mágico entra.

Seria minha primeira viagem de moto na América do Sul, e a primeira vez que eu tinha tentado combinar "aventura" e "viagens de negócios." Um passeio de bicicleta na China, em 1985, introduziu-me na viagem de aventura, que me levou a viagens de bicicleta pela Europa, América do Norte, e muitos países da África Ocidental. Em turnês, eu tinha usado motos e bicicletas, como uma espécie de "veículo de fuga" durante muitos anos, mas até agora eu sempre tinha mantido o turismo de aventura separado das viagens de negócios.

Com as datas na América do Sul se aproximando, eu admito que estava cada vez mais nervoso com isso, definindo os meus sentimentos como "expectativa e apreensão - em medida mais ou menos igual." Esperança e medo, em outras palavras. Na van do aeroporto para o primeiro hotel, em Campinas, perto de São Paulo, sendo conduzido (e escoltado) ao longo de uma estrada escura, eu senti um pouco de medo. Depois do primeiro show, em São Paulo, quando Brutus e eu começamos a viajar, parecia que eu tinha um nó no estômago, e eu carreguei essa ansiedade comigo todo o caminho. Houve muitas vezes que eu pensei, "Essa foi uma má idéia".

Muitos concordaram comigo, sempre pensando que era uma má idéia, minha esposa, Carrie, por exemplo. Quando ela ficou sabendo dos meus planos de passeio para os shows na América do Sul, ela ficou chocada e incrédula. Minha mãe não gostou da idéia. Meu parceiro de viagem americana, Michael, que eu também descrevo como o meu "Diretor de Segurança Interna" (que certamente inclui a mim) tentou me desencorajar. Meu gerente Ray e meus colegas de banda Alex e Geddy devem ter tido suas reservas, mas sabiamente deixaram de falar (eles sabem que posso ser incrivelmente teimoso, talvez especialmente quando estou próximo de agarrar uma má idéia). Os agentes, promotores e membros da tripulação teriam sentido preocupação com sua subsistência.

Mas o que eu podia fazer?

Sério, assim que eu vi o roteiro, com quatro dias de folga entre os shows no Brasil e em Buenos Aires, e uma vez que Brutus tinha feito alguns rascunhos da rota que poderia ser feita, parecia que eu não tinha escolha. Era um exemplo perfeito do tipo de decisão que apenas parece óbvia para mim: eu tenho quatro dias de folga entre os shows da América do Sul, o que é a coisa mais excelente que eu possa fazer nesses quatro dias?

Pilotar minha moto lá, é claro.

Como se fosse assim tão fácil. Concordei com os meus entes bem-intencionados (e minha preferência egoísta de sobrevivência) que não iria andar em qualquer das grandes cidades, ou para os estádios de futebol gigante, onde nós estaríamos realizando os shows. Aparentemente, Brutus e eu tínhamos mais do que o tráfego a temer por lá - ladrões, assaltantes e seqüestradores (oh meu!), Então nos organizamos nós mesmos em algum lugar utilizando estes sites de serviço, entrando e saindo das cidades por van, acompanhados por Michael.

Tudo deve funcionar, desde que nada saia errado. Esse foi o ato de fé e pensamento mágico: sonho, coragem, esperança. . .

Viagem de moto pela América do Sul - Wine-Country
Brutus and me in Argentina’s Wine Country

Como mencionado, Brutus e eu tínhamos compartilhado viagens de aventura em motocicletas para o Ártico Canadense, em torno do México, e até mesmo da Europa ao Norte de África, e à beira do Saara. E em cada uma dessas viagens, algo inesperado ocorreu, um problema mecânico, o mau tempo, um acidente que tinha nos atrasado um dia ou dois e mudou os nossos planos. Quando uma viagem de aventura é interrompida assim, você pára e lida com o que você tem, e faz novos planos para se adequar.

Mas não tínhamos nada parecido com flexibilidade nesse momento.

Sobre a "viagem de negócios", eu tenho pilotado motos entre os shows há 14 anos, centenas de shows e dezenas de milhares de quilômetros e ainda não tinha sequer atrasado até mesmo para a passagem de som, muito menos para um show. No entanto, desta vez eu não teria a "equipe de apoio" de um ônibus e reboque por perto (seguindo as interestaduais, enquanto eu explorava as estradas vicinais). Não teríamos motos sobressalentes, assistência de viagem BMW e concessionárias bem localizadas, enfim, nenhum desses resgates "fáceis" disponíveis na América do Norte e Europa Ocidental. Ficaríamos muito bem só na nossa cabeça.

Como eu escrevi para Brutus no início, quando ele meticulosamente pesquisava e planejava a viagem (cerca de seis meses), "Você sabe que muita coisa está "andando" sobre este nosso pequeno empreendimento, e nada pode dar errado?"

Ele não precisava lembrar, é claro, mas talvez declarar claramente isso fosse outro tipo de pensamento mágico, um talismã para afastar o mau-olhado.

Nós tivemos um "anjo da guarda" de verdade cuidando de nós. Michael instalou dispositivos de rastreamento por satélite em nossas motos e, enquanto ele viajava pelo ar, com a banda e sua equipe, ele podia verificar sua tela de computador e seguir as nossas "migalhas de pão" (que é a maneira curiosa com que chamam as trilhas eletrônicas que deixamos, imaginário divertido que por vezes emerge da alta tecnologia - contradição da língua que me fascina, pelo menos desde que escrevi a letra de nossa música "Vital Signs", nesse estilo, em 1980).

Era algo estranho sentir que estávamos sendo observados, como que (uma vez por dia, pelo menos, eu olhava para o céu, levantava a mão, e dizia palavrões para Michael), mas foi reconfortante, também. Se ocorresse qualquer problema em nosso caminho, nós queríamos toda ajuda que poderíamos ter, o mais rápido possível.

Viagem de moto pela América do Sul

No primeiro dia, navegando através do tráfego intenso de Campinas, me senti como se estivéssemos montando dois cavalos através de um vasto rebanho de búfalos de carros, com caminhões como elefantes elevando-se acima de nós, e enxames de pequenas motocicletas como se fossem mosquitos, pululando por toda parte.

De Campinas para a região do Rio de Janeiro, depois de volta por São Paulo e sul, nós viajamos por auto-estradas de quatro pistas, principalmente em longas distâncias, pois tínhamos muito a percorrer. Como Brutus tinha me avisado, havia mais caminhões do que carros, na proporção de dez para um, mas os motoristas pareciam bons, e nós fomos capazes de passar facilmente por essas estradas. No entanto, havia um monte de pedágios (quinze em apenas um dia de viajem), e ao negociar esses, Brutus e eu seguimos o mesmo ritual que Michael e eu sempre fizemos nos EUA: Brutos pára na janela do pedágio e eu paro na sua direita. (Dica Roadcraft:. Evite a faixa gordurosa no meio, onde escorrem resíduos de carros e caminhões, especialmente em dias úmidos). Enquanto Brutus pagava o pedágio, o atendente levantava a barreira uma vez e acenava-me para passar, então uma segunda vez para Brutus, ao mesmo tempo que ele estava coletando o troco, puxando suas luvas, e engatando a marcha na moto.

Longe das auto-estradas (bem, estradas com pedágio), as coisas eram muito mais animadas e pitoresca, é claro. Aqui está o Brutus na estrada até Petrópolis, uma bela cidade colonial aninhada na floresta úmida montanhosa ao norte do Rio de Janeiro.

Viagem de moto pela América do Sul

Normalmente, talvez, as coisas realmente começaram a ficar interessantes quando ficamos horrivelmente perdidos no sul do Brasil, no segundo dia da nossa odisséia de quatro dias para Buenos Aires. De volta a Campinas, antes de partirmos, Michael e Brutus passaram muitas e muitas horas (e muitas caipirinhas, cocktail nacional do Brasil) trabalhando em nossas unidades de GPS (um trio conhecido como estúpido, bobo e otário, enquanto o programa de computador que mapeia suas rotas é chamada de Mãe).

Depois de todo esse trabalho on-line e de várias chamadas para o fabricante, as unidades funcionaram bem para os 515 km (322 milhas) de São Paulo para Petrópolis, em seguida, 550 milhas (um dia longo) para sul, até outra cidade de bom tamanho, Curitiba. Mas logo após sair de lá, eles começaram a "passear". Algo semelhante havia acontecido com Brutus e eu há alguns anos, na Polônia e na antiga Alemanha Oriental, e então como agora, a linha roxa do nosso percurso permaneceu na tela se não exatamente no caminho em que estávamos, mas perto o suficiente para que pudéssemos navegar por ele. Desta vez, nós só percebemos que estávamos andando através de uma outra área mal mapeada, e as unidades de GPS acabariam por conduzir-nos corretamente. (Pensamento Mágico novamente.)

Sabíamos que a maior parte do tempo nós teríamos que percorrer o caminho oeste-sudoeste, em direção ao Rio Uruguai. Havia apenas uma ponte naquela parte do país, onde se cruzaria e continuaria a oeste-sudoeste em direção à fronteira com a Argentina. À medida que andávamos juntos, nós olhávamos ocasionalmente a linha roxa na pequena tela, ou mudávamos para a função "bússola", para ver que ainda estávamos seguindo na direção certa. Imaginamos que não podíamos ir muito longe de maneira errada.

Viagem de moto pela América do Sul - perdido no Brasil

Até esse ponto. Pilotando para fora de uma pequena cidade, o asfalto se esgotou em uma pista de terra correndo ao longo de um rio largo de cor castanho-esverdeado à nossa esquerda. Foi no final do dia, com cerca de 400 milhas atrás de nós, e as sombras estavam crescendo desde que o sol se pôs. Ainda não havia ponte à vista e nem cama para nós. É claro que tínhamos mapas em papel com a gente, mas eles estavam sem uso naquele momento, porque não havia nenhuma cidade, nenhum sinal, nada para passar, e não havia pessoas a pedir informação. A melhor idéia que poderíamos chegar era fazer o nosso caminho em direção ao norte, onde deveria ter asfalto. O nó no estômago foi crescendo, e eu disse a mim mesmo, mais ou menos nestas palavras: "Estamos fodidos".

Mesmo quando encontramos o caminho para a estrada pavimentada, estávamos confusos, pensando que ainda tinha que ir mais para oeste ao longo do rio. Então nós fomos assim, seguindo uma deliciosa estrada sinuosa de duas pistas ao longo de um cume com vista para os vales verdes de florestas e terras agrícolas, apenas alguns caminhões ocasionais para ultrapassar. Nós não percebemos ainda que ainda estávamos muito perdidos, por isso ficamos com um passeio de fim de tarde lindo. O Rio Uruguai ocasionalmente aparecia à distância ao sul, exatamente onde deveria estar. E sim, as linhas roxas no Dingus e Dork continuaram a garantir-nos que estávamos indo na direção certa. (Idiotas, eles e nós. Eles muitas vezes também nos mostravam andar no meio do rio - o ícone de uma motocicleta em um campo azul - que talvez devesse nos ter alertado sobre a perdição total de nossas máquinas. Michael nos diria mais tarde que, enquanto observava nossas migalhas errantes, ele desejava poder gritar para nós lá de cima, "Vocês realmente estão perdidos!")

Enquanto seguíamos para uma pequena cidade chamada Itapiranga, o asfalto da estrada de repente acabou mais uma vez, com as árvores fazendo uma sombra escura. Paramos e abrimos o mapa novamente. Agora que sabíamos onde estávamos exatamente, pudemos ver o quanto estávamos perdidos. Havíamos perdido a entrada para a ponte algumas horas antes, e agora estávamos no canto mais distante do Brasil, com o rio para sul e, imediatamente a oeste de nós, a fronteira com a Argentina de norte a sul. Não há estradas cruzando essa fronteira, ou o rio e eu soube imediatamente o que deveríamos fazer.

"Vamos parar por aqui", eu disse, apontando para trás até a estrada para Itapiranga, "era uma cidade de boa aparência - poderia ter um hotel."

"Sim", Brutus disse: "Então amanhã..."

Eu cortei-o, "foda-se amanhã... vamos ver hoje em primeiro lugar." (Roadcraft.)

Como já havia nos levado de volta para a rua principal, apontei para uma placa, em letra gótica, "Hotel Mauá." Para uma cidade de apenas 13.000 habitantes, "no fim da estrada", em todos os sentidos, o hotel era absolutamente agradável: pequeno, austero e escrupulosamente limpo, como você pode encontrar na Áustria rural, por exemplo, com estacionamento coberto e seguro para as motos.

Eu havia notado também um par de restaurantes na cidade, e nós caminhamos para um lugar descontraído ao ar livre, bem como você pode encontrar em uma pequena cidade da Itália. Alto Falantes tocavam música em um híbrido de estilos brasileiro e oeste africano, e eu tive que pedir ao nosso garçom para anotar os nomes dos artistas, entregando-lhe o meu notebook e fazendo-o entender sobre a "música". Noite subtropical, bom hotel, jantar ao ar livre, intrigante música - agora tudo estava funcionando bem.

Enquanto eu estava na calçada em frente do restaurante conversando com Carrie no meu celular (que milagrosamente funcionou perfeitamente naquele canto remoto do Brasil), Brutus estava falando em Português de chats com alguns moradores. Ele soube que havia uma balsa, um ferry, direto de Itapiranga e na parte da manhã poderíamos levar as motos para o outro lado sem ter que recuar várias horas. De lá poderíamos tentar navegar (com os mapas de papel, à moda antiga) para a fronteira, de San Borja.

Na varanda do hotel, Brutus e eu tínhamos arranjado todos os nossos "aparelhos de mão" (ainda poderia ter feito uma turnê de grande de nome, como já observei antes): telefone celular, telefone via satélite, rádio Nextel por telefone, dispositivo de localização por satélite ("olho nas migalhas" de Michael), GPS idiota, mapa em papel, e câmera. (Para a "verossimilhança", nós também adicionamos um copo de uísque e um maço de Red Apples, como outros importantes dispositivos portáteis).

Em contraste com a exibição de alta tecnologia, Brutus ficou acordado até tarde com os mapas de papel, copiando até nomes de vilas, distâncias, e os números (quando possível) de estradas em folhas de papel, para o porta mapas da bolsa de tanque. (Esse é o tipo de GPS que chamo de "pegue uma caneta, estúpido.")

Viagem de moto pela América do Sul - Itapiranga

Meu quarto, com sua pequena varanda, no andar de cima, Hotel Mauá, Itapiranga, Brasil—
Em 1º plano, o idiota Dingus exibe o ícone da motocicleta, me representando,
no meio do rio

Ao amanhecer, como em tantos daqueles longos dias de viagem, ingerimos um pouco de pão e café no hotel, carregamos as motos, e dirigimos para o embarque na balsa. Era apenas uma pequena embarcação movida por um motor fora da borda da plataforma, mas em poucos minutos ela tinha atravessado toda a extensão do rio, naquela manhã de sol brilhando fazendo um céu azul em cima do marrom-esverdeado. E estávamos imediatamente perdidos de novo.

Não havia ninguém ali, apenas algumas casas pequenas e uma rede de dois quarteirões de ruas estreitas, a sujeira marrom e pedras (cascalho não - rochas). Nós imediatamente recorremos à mais primitiva forma de GPS para encontrar uma pessoa e dizer o nome da vila mais próxima que nós estávamos tentando encontrar ("Vista Gaúcha?" Neste caso), repetidamente, e apontando para a estrada interrogativamente. Basicamente, olhando como idiotas.

A única desvantagem desse método é que você precisa de pessoas a perguntar, e elas eram escassas ao longo da estrada de terra, indistinguível das estradas que levavam para as fazendas em direções diferentes. Muitas vezes uma pausa para considerar as opções e olhar para a nossa bússola GPS ("os idiotas", como chamo rotineiramente essas unidades, enquanto Brutus sarcasticamente se referiu à sua como "bússola de mil dólares.") Não havia sinais de estradas pavimentadas, e como já comentei antes sobre essas faixas não sinalizadas que também ocorrem na África e no México, mesmo quando você está no caminho certo, você não tem como saber isso.

Havia uma certa ansiedade extra sobre esse dia, pois realmente precisávamos chegar à fronteira, em São Borja, tão cedo quanto podíamos. O promotor tinha arranjado que um agente nos encontraria lá para nos ajudar com as "formalidades", e nós deveríamos estar lá ao meio-dia. E ainda havia um longo caminho para chegar em Buenos Aires nos próximos dois dias.

Viagem de moto pela América do Sul

Mas logo encontramos uma importante verdade sobre o Brasil - várias verdades, é fato. Claro, estávamos perdidos em uma estrada de terra em uma área rural isolada, mas Michael e eu nos encontramos muitas vezes na mesma situação nos Estados Unidos. E à semelhança do que aconteceu em seguida, uma vez que Brutus e eu tentávamos um caminho para fora da "trilhas batidas" deste bolsão rural isolado, estávamos em uma bem-pavimentada estrada de duas pistas, com pouco trânsito, passando por lindas paisagens.

Um detalhe: pela estrada de terra, perto do rio, vi um homem dirigindo um arado com um par de bois, e menos de uma hora mais tarde, pela estrada asfaltada, passamos por grandes fazendas, e vi muitos grandes e modernos tratores John Deere verde brilhantes e colheitadeiras com lâminas de sessenta pés. A agricultura de subsistência pode ser a realidade econômica de áreas isoladas, atrasadas, mas ainda na mesma região, os elementos da Idade do Ferro coexistem com a mecanização em grande escala e a urbanização ao longo das principais estradas e cidades, muitas delas nos dias atuais. Brutus e eu vimos regiões subdesenvolvidas no Brasil e na Argentina também, mas você certamente não diria que os países eram subdesenvolvidos, muito pelo contrário.

A maioria das histórias de aventuras de motocicleta na América do Sul que li têm se preocupado com quais estradas percorrer. Pilotos de maratona percorrem a Rodovia Panamericana, do Alasca à Terra do Fogo, por exemplo. Mas logo percebi que você poderia certamente fazer uma agradável viagem pela América do Sul. Essas estreitas estradas vermelhas, como são mostradas nos mapas do Guia Quatro Rodas, são a chave, e ao contrário de São Paulo e Rio, as cidades pequenas e vilas são totalmente civilizadas e acolhedoras.

Minha própria definição da cápsula para o que alguns denominam "Terceiro Mundo" é: ". Qualquer lugar onde o ar está impregnado de resíduos humanos" (O leitor pode traduzir isso livremente.) Tal definição inclui, necessariamente, grande parte da China, a África Subsariana e até mesmo partes das cidades ao sul da Europa rural na Itália e na Grécia, por exemplo. (Isso não significa que eu não amo alguns desses lugares, eu amo, significa apenas que eles cheiram).

Na América Latina, só maiores cidades parecem cair sob esse ranço - São Paulo, Rio, Cidade do México, apenas porque são os tais ímãs de esperança para os jovens. Pensamentos Mágicos. Eles sonham, eles ousam, eles têm esperança.

No final dos anos 90, eu visitei a Cidade do México com bastante frequência, e aprendi que a cada dia, 1.000 pessoas novas chegavam, deixando suas aldeias e vilas e buscando um futuro melhor, carregando nada, apenas os braços fortes e esperança. Mil pessoas por dia, como poderia qualquer cidade lidar com esse tipo de fluxo? Para seu crédito compassivo, a Cidade do México tentou, trazendo eletricidade e água canalizada para as crescentes favelas (em oposição a queima-las, como fez o governo dos EUA na década de 1930), mas nunca poderia ser o suficiente.

Em uma megalópole confusa, expandindo diariamente para além de qualquer possibilidade de infra-estrutura de igualdade, sempre haverá mau cheiro e mau-comportamento: o crime. Por um lado, as cidades são incapazes de fornecer as necessárias "facilidades" para os seus novos cidadãos, enquanto o desenraizamento e desamparo dos recém-chegados os afasta do sentido de comunidade - de casa - que poderia governar, ou pelo menos moderar o seu comportamento.

Tudo somado, é muito bonita, mas uma receita perfeita para o desastre, estufado em seus próprios sucos malcheiroso.

Viagem de moto pela América do Sul

Uma cidade pequena como Itapiranga não aparece nos guias turísticos. Mesmo com vastos recursos e, aparentemente, tudo incluído on-line, o máximo de informação a ser encontrada é que Itapiranga é "o município mais ocidental do Estado de Santa Catarina." No entanto, era um lugar bonito, limpo e amigável, com acomodações totalmente adequadas e alimentação para os visitantes, e Itapiranga foi colocada no final de alguma estrada muito boa para os motociclistas, também.

Mais do que tudo, parecia um milagre que nós encontramos Itapiranga apenas no fim daquele dia muito cansativo. Nós não tínhamos nenhum lugar para ir e lá estava ela.

Mágico.

Como dito no início, acredito que todo mundo tem sua própria versão do pensamento mágico. O meu é "sonhar, ousar, ter esperança". Para uma vida que não é baseada na razão, é um tipo de fé de que vou ser capaz de realizar algo que me atrevo a sonhar. Certa vez, chamei isto de "tentativismo", acreditando que se eu tentasse algo bastante difícil, ele terminaria por ceder e viria a acontecer. O fato é que não há nenhuma prova empírica de que essa abordagem às vezes funciona. Lembro-me de uma conversa que eu tive depois que eu atropelei um servo com minha moto ("Cada estrada tem seu preço", Junho, 2007). Após esse susto, eu fiz uma pesquisa sobre medidas defensivas, tais como apitos que simulam os sons dos servos, que emitem um som estridente que se supõe para repelir estes animais. Eu logo aprendi que aqueles dispositivos tinham sido ineficazes na melhor das hipóteses, e uma atração real, na pior. Quando relatei para um amigo, ele disse, "Bem, eu tenho deles em minha caminhonete, e eu nunca bati em um cervo."

Bem, isso resolve o assunto, então. (Como um médico que recusava vínculos suspeitas entre vacinas e autismo: "O plural de 'anedota' não é 'dados'.")

Mas é claro que esse tipo de urdidura subjetiva é apenas uma variação de um tema humano, que trás desde trevos de quatro folhas e pulseiras curativas até templos para deuses do céu como este, em Petrópolis, Brasil.

Viagem de moto pela América do Sul - Petropolis

No âmbito incrível de impossibilidades abraçada pela fé humana (por definição seja o que for correto, os outros são, portanto, "impossíveis"), parece que por mais estranhas que essas crenças tornem-se, maiores são os gritos de "intolerância" e fundamentos de "respeito".

Durante a parte norte-americana da turnê do Time Machine, após coquetéis e passeios pós-jantar, Michael e eu tínhamos discutido longamente esse assunto - a escala e o poder do pensamento mágico. (Nossas conversas não são todas brincadeiras alegres e palavrões, ou pelo menos elas também trazem nomes de filósofos alemães e poetas ingleses metafísicos). O tema da fé, muitas vezes surgiu quando estávamos andando no Tennessee do Sul, por exemplo, ou mesmo na Pensilvânia (ou algum estado do sul, eu penso, fora das cidades). Sentimo-nos oprimidos pelo grande número de igrejas e seus símbolos, outdoors e adesivos, além da prevalência de "igrejas boutique". Às vezes parecia que a cada encruzilhada rural tinha três ou quatro blocos de igrejas de concreto, a maioria marcadas por diferentes estilos da Cruz Batista.

"Cobrem imposto de todas elas", diz Michael, e eu concordo, afinal, as igrejas são produtos como o álcool e o tabaco, que prestam um serviço que alguns acham reconfortante, e outros acham condenável. Chamem de "imposto sobre o pecado."

Quanto à tolerância e respeito, nós concordamos que a tolerância é necessária, as pessoas podem acreditar na matéria fecal louca da sua escolha, mas não temos certeza sobre o respeito. Aqueles que atribuem o poder espiritual a formações geológicas, uma divindade sem humor, ou artigos de vestuário (pense no Católico, hassídico, Mórmon, ou budista) são difíceis de respeito, não tanto pela sua "magia", mas pela sua vaidade.

Os fundamentalistas de todos os matizes, e os teóricos da conspiração da mesma forma, são praticamente impossíveis de respeitar, especialmente se eles pregam a dor-violência para os outros, o primeiro pecado mortal real.

Em termos simples, da minha bússola moral (embora, como Dingus, ele era muito caro para adquirir!), se os maiores males de um indivíduo são dor, medo e preocupação, então é lógico que as piores coisas que podem infligir a outro ser humano são dor, medo e preocupação.

(Uma parte admirável do "código de cavalheiros" que eu vi em algum lugar anos atrás era: "Um cavalheiro nunca inflige dor intencionalmente." Da mesma forma, com medo e preocupação, eu acho.)

Não-crentes são sempre advertidos a "respeitar" as crenças dos outros, mas não são respeitados por sua vez. Da mesma forma, eu não acredito por um segundo que os mórmons "respeitam" as crenças da Cientologia, por exemplo, ou que as Testemunhas de Jeová dão igual peso aos ensinamentos do profeta Maomé. Coloque dez crentes das religiões mais importantes do mundo em um círculo, e seus "balões de pensamento" vão mostrar o mesmo que o meu: "Você acredita nisso?"

Estou com medo de afirmar que tolerância é o melhor que pode ser oferecido. Pessoas assim só respeitam a si mesmas. . .

Viagem de moto pela América do Sul - Uruguay

Mas vamos voltar para o passeio no tapete voador do pensamento mágico em ação, e da ponte sobre o rio Uruguai, entre Brasil e Argentina em São Borja. Seria a nossa primeira passagem por uma fronteira sul-americano, e estávamos um pouco nervosos. (Bem, um pouco mais nervosos.) Fomos recebidos nas portas das fronteiras pelo agente promotor da turnê, o Sérgio, um amável homem barbudo, que falou o necessário em Inglês, Português e Espanhol. Ele tinha um assistente do lado brasileiro, e um do lado argentino, e eles faziam o trabalho com os papéis e a fila de espera, o que tornava o processo muito mais fácil para Brutus e eu, e nós tivemos apenas que esperar.

Por um tempo nós assistimos o monitor do computador através da janela da estância aduaneira argentina, que estava mostrando imagens ao vivo do resgate dos mineiros no Chile. Para quem não estava incluído na estimativa de um bilhão de pessoas em todo o mundo que assistiu ao evento ao vivo, a versão curta é que no início de agosto de 2010, uma mina de cobre notoriamente insegura no norte do Chile desabou, prendendo trinta e três mineiros meia milha debaixo da terra e três milhas da entrada da mina. A colaboração tecnológica entre a NASA e a Marinha chilena permitiu que fossem perfurados poços para ajudar os mineiros, a entrega de alimentos em primeiro lugar, seguida de um guincho com os mineiros presos, um de cada vez, em cápsulas cilíndricas, uma subida íngreme de quinze minutos.

Nos dias anteriores, Brutus e eu tínhamos vindo a sentir que estávamos no fundo da América do Sul. (Nada como ficar realmente perdidos para aumentar essa sensação.) Nesse ponto, também estávamos perto do Chile, tanto geograficamente como com a sua aparição no nosso itinerário em poucos dias. Por essas razões, a história se tornou ainda mais triste - mais parte do nosso mundo.

No processo burocrático em andamento que atualmente define nosso mundo, mesmo com três pessoas ao nosso lado, ainda levou duas horas para os funcionários decidirem que todos os nossos documentos estavam em ordem e devidamente carimbados e assinados em triplicata. (Sérgio disse-nos que os controles nas fronteiras da Argentina são os mais lentos e mais rigorosos na América do Sul). Depois disso nós éramos livres para andar pela Argentina. Eram quatro horas, então nós decidimos correr para o sul por um par de horas e, em seguida, encontrar um hotel antes de escurecer. O céu estava cinzento, o ar frio, e algumas águas dispersas estavam começando a respingar em nossos pára-brisas.

(É claro que, em meados de outubro era primavera no Hemisfério Sul, e tivemos tempo para nos acostumar mentalmente com isto - e ambos, Brutus e eu, tínhamos tomado como certo que, como nós viajávamos para o sul, o clima se tornaria mais quente, quando é claro que o oposto era verdade. Estava tudo de cabeça para baixo!)

Viagem de moto pela América do Sul Argentina

Muitas coisas foram imediatamente diferentes na Argentina. Pilotamos por uma planície gramínea chamada Pampas, e a paisagem parecia com o oeste do Texas depois de um pouco de chuva - pastos planos verdes estampados por ocasionais árvores atrofiadas. Uma rodovia de quatro pistas tinha sido recuperada e em parte construída, mas nenhum trabalho mais recente parecia ter sido feito. O tráfego era quase exclusivamente de caminhões nas duas pistas existentes, e que muitas vezes tinham que ser ultrapassados em grupos de três ou quatro ao mesmo tempo, como comboios de fumaça. Mas pelo menos em zonas planas e abertas como ali, a visibilidade era perfeita para as ultrapassagens.

No início de nossas viagens brasileiras, pedágios tinham sido uma constante interrupção, mas nas estradas com pedágio na Argentina, as motocicletas tinham passagem livre. No entanto, em troca, fomos parados frequentemente em barricadas com soldados e policiais que retardavam ou interrompiam o tráfego. Nós nunca fomos questionados e pesquisados, mas um monte de motoristas de caminhão e carro à nossa frente eram, alguns deles puxados de lado para uma análise mais aprofundada. Como outro indicador de "subdesenvolvidos" (leia-se "incivilizados", eu acho) do mundo, qualquer país que interfira com os movimentos dos seus cidadãos, e dá aos seus policiais armados o direito de parar e revistar qualquer veículo que escolher, está corrompendo a liberdade. Os piores exemplos de países como eu encontrei foram na África Ocidental, China, México do norte, e. . . sudoeste dos Estados Unidos. (Livro de Derek Lundy's Borderlands aprofunda em algo que eu mesmo vivi - os abusos que se perpetuam nos EUA através de seus governos estaduais nas fronteiras, em nome de seus cidadãos, e "Homeland Security").

Mesmo que não estivesse pessoalmente incomodado pelos bloqueios armados, o curso do tráfego era retardado, e tínhamos que esperar por trás dele. Os outros obstáculos para nós foram muitos desvios de construções, levando-nos através de locais enlameados, uma confusão escorregadia, muitas vezes esburacadas e amassadas por causa das chuvas recentes. Nós deslizávamos em torno dos caminhões, que pairavam sobre nós como hipopótamos em banho de lama. Logo nossas motos e extremidades inferiores estavam pintadas de marrom, e a situação era ainda pior, em lugares como este - no pátio de uma estação de gasolina.

Viagem de moto pela América do Sul - Argentina
photo by Brutus

Encontramos refúgio durante a noite em uma cidade um pouco degradada da fronteira ao longo do rio Uruguai, Paso de Los Libres. Do outro lado do rio estava Uruguaiana do Brasil, uma grande cidade com altos edifícios modernos e muitas luzes refletindo na água. Não era um contraste como Ciudad Juárez - El Paso, mas a diferença era gritante.

O nosso hotel era um pouco surrado, localizado num arranha-céus chamado Alejandro I (dedicado a Alexandre, o Grande, aparentemente, a julgar por uma escultura em baixo-relevo enorme na sala de jantar). O elevador antigo era pequeno, e tinha o portão de metal velho estilo tesoura, que eu só usei uma vez com a bagagem. A partir de então eu usei as escadas. Eu não tinha medo de andar nele, mas tinha receio por um motivo - ocorreram terremotos por lá. E quando eu acordei por um breve período às 5h00, com as cortinas abertas, notei que a cidade inteira estava sem luz, um corte de energia, enquanto Uruguaiana brilhava através da água. Eu definitivamente nunca usei o elevador depois disso.

O Alejandro I era um velho hotel singular, do tipo que o cara da recepção nos entregou o controle remoto da TV junto com nossas chaves. O carregador veio para os nossos quartos para garantir que eles trabalhavam, e deixou-nos no quarto com uma estação diferente, de língua espanhola, que falava sobre o bem-sucedido resgate dos mineiros, todos os trinta e três estavam de volta à superfície. Após mais de dois meses de escuridão, todos eles usavam óculos escuros, mas sorrindo brilhantemente, com a barba raspada e tudo preparado para a comemoração. Enquanto eu olhava aquelas almas afortunadas reencontrarem com seus entes queridos, uma agitada música tocando atrás, aquilo começou a me tocar, e logo as lágrimas rolavam pelo meu rosto. Mesmo Brutus admitiu que sentiu um pouco de umidade nos seus olhos azuis.

O resgate já estava sendo chamado de "milagre", e se a palavra era adequada, era difícil argumentar. No entanto, aqueles que o chamaram de "ato da Divina Providência" estavam implorando uma pergunta como um dos personagens de Voltaire em Candide. "Se Deus salvou a trinta e três, porque é que, a cada ano, desde 2000, uma média de trinta e quatro outros mineiros morreram nas minas do Chile?"

"Ah", diz a resposta, "O Diabo matou aqueles. . . "

Viagem de moto pela América do Sul - Aermotor

Como Brutus e eu trabalhamos o nosso caminho para Buenos Aires, a rodovia de quatro pistas estava pronta, por isso o tráfego era mais fácil de fazer (mais fácil de passar). No entanto, a navegação tornou-se mais difícil. Como em qualquer área metropolitana, não é possível prever quais as informações que o ajudarão a tomar o retorno correto, pode ser um número da rota, poderia ser um nome de cidade (mesmo um que é muito mais longe, e só por coincidência na mesma direção que você está indo), ou você pode não obter absolutamente nada. Um conjunto de rampas em uma estrada principal não teve sinal qualquer, deixando-nos na bússola e no instinto. Ambos falharam-nos algumas vezes, mas acabamos circulando o nosso caminho para um destino único, o Campo Resort & Polo (sempre usando o & comercial, ao invés de "y" ou "e"), um clube de polo!

Eu sabia pelas memórias do meu amigo Stewart Copeland, 'Strange Things Happen', onde ele escreveu sobre ser um grande jogador de pólo, que a Argentina era o único lugar no mundo para comprar cavalos de pólo. Perto da cidade de Lujan, começamos a passar por enormes haras e clubes de pólo, até chegarmos ao nosso destino, em meio a vários campos de pólo verdes e jardins exuberantes. Muito parecido com um hotel country club dos EUA ou Europa, oferece um elegante hotel e restaurante, mas em vez de campos de golfe, foi construído no meio de campos de pólo.

E ao contrário de a maioria dos hotéis Country Club nos EUA ou Europa, o Campo Resort & Polo estava interessado em nosso desejo de realizar a troca do óleo em seu pátio.

Viagem de moto pela América do Sul - troca do óleo

Brutus conseguiu baldes de drenagem de tamanhos perfeitos, e Michael saiu cedo com a van e motorista de Buenos Aires, trazendo a nossa caixa de ferramentas, óleo novo e filtros que tínhamos enviado junto com o equipamento da banda. Fiquei contente em lidar com a parte mecânica da operação, tendo realizado muitas trocas de óleo na minha motocicletas ao longo dos anos. (Guardo um serviço de notas no meu blog que contam alguma história interessante sobre os locais onde ocorreram as trocas de óleo e de pneus. Para a turnê do Time Machine do verão e outono de 2010, a lista para uma moto inclui Los Angeles, Albuquerque, Chicago, Quebec, Toronto, Nashville, Las Vegas, St. Louis, Colombo, Nova Jersey e Lujan, Argentina. A lista da segunda moto Toronto, Quebec, Omaha, Tulsa, Atlanta e - Lujan, Argentina. Foi gratificante adicionar esse nome no fim de ambas as listas, no sentido de um trabalho que vale a pena fazer, e numa localização muito incomum.

O motorista da nossa van nos proporcionou um tour por Buenos Aires à nossa maneira, e apesar do dia nublado fundindo tudo em uma luz cinza, a palavra que me ocorreu foi "monumental". Influências francesas, espanholas e italianas dominam os edifícios mais antigos, enquanto modernos arranha-céus foram adicionados com escultura metálica ardilosa, como a deslumbrante flor de metal polido gigante que abriu e fechou mecanicamente pela manhã e à noite. A principal avenida, 9 de Julio, é dita ser a mais larga do mundo, e Brutus contou 24 faixas de tráfego.

O local do show, infelizmente, estava longe de ser "monumental", um velho estádio esquálido com vestiários improvisados e banheiros portáteis. O público, como no Brasil, era grande e entusiasta (32.000 pessoas em São Paulo, 13.000 no Rio, onde tivemos um "show mágico" que ecoou o outro de 2002 que se tornou nosso DVD Rush in Rio e 10.000 em Buenos Aires) . Mas o maior show, em todos os sentidos, nos aguardava em Santiago.

Brutus e eu, toda a gente, estávamos preocupados se conseguiríamos chegar a tempo. Nós só teríamos um dia de folga para chegar lá, e teríamos que andar 1.000 quilômetros (600 milhas) do primeiro dia, para Mendoza, na Argentina, para estar perto o suficiente da fronteira com o Chile para ter a certeza de chegar a Santiago bem e cedo.

Ainda no escuro e antes do nascer do sol, pilotamos através dos pampas novamente. . .

Viagem de moto pela América do Sul - Pampas
photo by Brutus

Em Buenos Aires, Brutus e eu ouvimos dizer que "alguém" (provavelmente o promotor) estava mandando um carro para nos acompanhar por toda a Argentina. Brutus avisou, "Apenas certifique-se que não veremos o cara - no hotel ou na estrada." Ele e eu concordamos, "Nós não queremos ser como Ewan e Charley" (referindo-nos aos atores Ewan McGregor e Charley Boorman, que fizeram duas viagens de moto incríveis pelo mundo - Long Way Round, e da Escócia à África do Sul - Long Way Down, mas viajaram com uma van que transportava uma equipe de filmagem, médico e oficial). Na verdade, é claro que queria ser como Ewan e Charley (quem não?), Mas sem o "cortejo".

Sabendo que tínhamos um longo caminho a percorrer, atacamos o dia dessa forma. Brutus e eu seguimos o ritmo que tínhamos estabelecido em nossas primeiras viagens de moto juntos, revezando a liderança em todas as paradas de combustível, e mal parando em outras situações. Várias vezes nessa longa viagem tivemos que usar nossos galões de reposição de gasolina para chegar a postos por vezes muito distantes, mas era por isso que os carregava conosco.

Em uma parada eu disse a Brutus que esta viagem me fazia lembrar uma no início da turnê, em Kansas Ocidental, com Michael. Na época, eu a tinha descrito a Michael como "plana, inexpressiva, e rápida", e Michael disparou: "Parece com minha ex-namorada."

Eu ri e disse: "Agora é por isso que quero mantê-lo por perto!"

O objetivo era chegar em Mendoza no escuro, e nós fizemo-lo com uma hora de antecedência. Brutus não tinha mencionado nada sobre as acomodações lá (na semana anterior ele tinha me enviado um monte de sites para ver, mas estando profundamente dentro da turnê americana, naquele momento eu não tinha tido tempo de olhar). Ao longo do caminho naquele dia, ele me disse que era uma coisa chamada "Wine Lodge", e a mulher com quem ele havia falado ao telefone sobre o trajeto tinha dito a ele para procurar "uma estrada de terra."

Brutus me falou: "Estou sempre procurando por isso."

(Claro, ela se referiu a uma "estrada de terra.")

Viagem de moto pela América do Sul - Cavas
Casitas among the vineyards—Andes in the distance

Após o nosso dia mais longo até então, mais de 1.000 km, 633 milhas, eu estava completamente despreparado para ser esmagado pelo esplendor do Cavas Wine Lodge, uma maravilha da arquitetura de adobe com quatorze casitas separadas, em meio a vinhedos alinhados, com os Andes cobertos de neve a oeste. Nossas casitas foram perfeitamente equipadas, gesso em pátina, pedras naturais e encanamento ultra-moderno, iluminação e mobiliário.

Eu fiquei no meio do chão de pedra, tirando aos poucos minha roupa de motociclista em meio à minha bagagem espalhada, e pensei: "Isso seria lindo, se eu não estivesse cansado demais para apreciá-la!" Embora eu adicione no meu diário, "ainda melhor do que estar cansado em um lixão! " Depois de um cochilo, mas uma excelente refeição e um sono curto e nervoso que foi até às 5:00, preparamos as motos, comemos um pouco de pão e café e, estabelecendo a primeira luz, partimos para a viagem final.

(Um pós-escrito à Cavas Wine Lodge, que tanto me impressionou que eu estava delirando sobre isso com as pessoas, e recomendando a alguns amigos que viviam em tempo parcial no país vizinho, Chile. Depois que Brutus e eu voltamos para casa, ele descobriu algumas histórias perturbadoras sobre grupos armados que roubam hóspedes em hotéis de luxo naquela área, incluindo o Wine Lodge Cavas. Aparentemente tais roubos teriam ocorrido pelo menos 22 vezes nos últimos anos. Brutus disse: "Eu diria que se esquivou de um outro ponto ali, mesmo sem saber isso. "Então é melhor eu qualificar minha recomendação).

Brutus e eu esperávamos que seria uma manhã fria, pois estávamos indo acima de 10.000 pés, por isso, basicamente, usamos tudo o que tínhamos: ceroulas, camisas de meia, coletes elétricos, luvas térmicas e, sobretudo, capas de chuva.

A subida começou delicadamente no lado argentino, com bastante retas para passar os poucos caminhões que encontramos naquela manhã de domingo. Logo estávamos acima da linha das árvores, então nas quase estéreis rochas cobertas de neve dos picos mais altos, vislumbrando o ombro do branco Aconcágua, a 6.962 metros, 22.841 pés, o mais alto das Américas, ou em qualquer lugar fora do Himalaia.

Viagem de moto pela América do Sul - Up-the-Andes

A fronteira estava perto do cume da passagem, Los Libertadores, em pouco mais de 10.000 pés. O representante do promotor na fronteira desta vez tinha uma fala mansa, o jovem homem de óculos chamado Carlos, que traduziu a pergunta do soldado se eu era "o baterista". Carlos disse-me que o jornal de Santiago do dia anterior tinha noticiado que eu estava chegando para tocar desta forma incomum, e um casal de fãs apareceu também. Eu apertei as mãos deles e os cumprimentei, mas quando passaram tirando fotos com seus aparelhos portáteis outra vez Brutus e eu acenamos. Já era o suficiente, e nós estávamos muito nervosos já sem qualquer problema extra.

Atravessar fronteiras são sempre provas incertas para qualquer um, mesmo entre o Canadá e os Estados Unidos, por onde eu passei muitas vezes. No entanto, em contraste com a fronteira de duas horas de passagem para a Argentina, desta vez, a burocracia para nós e nossas motocicletas levou apenas 20 minutos. Enquanto isso, Carlos me explicou que o soldado estava dizendo a ele que seríamos acompanhados por todo o caminho para a cidade, 150 km. Mais cedo, através de Michael, que perguntou se alguém poderia nos encontrar fora da cidade, talvez, para ajudar a guiar-nos para o estádio (as motos iriam para casa de lá, com o equipamento da banda, então precisávamos entregá-las direito no local), mas parecia que os funcionários tinham "super-reagido."

Logo entendi que não havia saída educada para esta situação, e quando nós nos afastamos da fronteira, seguimos uma caminhonete 4x4 da polícia. Brutus e eu paramos para "fotografias de ação" no topo do ziguezague íngreme retratado no início deste conto, então desci à frente deles, inclinando-me para as curvas apertadas na forma como queriam, com pulsação de escalada. Onde a estrada se endireitou, deixei escapar uma respiração profunda, estacionei minha moto na estrada e esperei para uma foto do Brutus pilotando. A picape parou ao meu lado e um dos policiais se inclinou para fora e acenou com a mão para baixo, dizendo: "Piano! piano! "

Eu suponho que ele não estava sugerindo que eu deveria trocar de instrumento, mas que eu deveria diminuir (a palavra significa realmente, "baixinho, com pouca força"), como ele parecia estar explicando que as nossas motos eram muito mais rápidas que seu caminhão.

Bem, sim. . . mas não faz mal. Aceite o inevitável.

Como a estrada desceu e abriu-se em bosques com arbustos e pequenas cidades, fomos apanhados por outro grupo de escolta e dois soldados, carabinieri, em pequenas e sujas motos e a picape retornou dali.

Viagem de moto pela América do Sul
Com certeza se parece com problemas . . .
Photo by Brutus

Levaram-nos para os limites da cidade, nos deixando em um pedágio. O atendente se inclinou para fora e me perguntou: "Baterista?" Eu concordei e ele puxou a câmera do celular para comemorar o evento. Um par de agentes de Santiago em grandes motos BMW assumiu a partir daí, nos levando pela cidade, boa aparência, com os Andes nevados ainda visíveis a leste.

Finalmente estávamos entrando no estádio, e estacionamos em um túnel lá dentro. Brutus e eu saímos das motos lamacentas e demos um forte abraço de alívio. Sobrevivemos a 5.000 quilômetros, 3.000 milhas - e fizemos isso entre todos os shows. Nosso trabalho estava feito.

Bem, não o meu, exatamente, porque agora, finalmente, chegamos ao final do show. . .

Eu havia decidido que queria mais uma fotografia para completar todas as fotos de moto que eu tinha tirado: Eu queria uma do palco. Em 36 anos de turnês, eu nunca tinha tirado uma única vez uma fotografia assim, e eu pensei que ela iria fazer o complemento perfeito. Pouco antes do show, eu pedi ao Michael para levar minha câmera para fora do palco e dá-la ao meu técnico de bateria, Gump, com instruções para ele me passar antes de nós tocarmos "Stick It Out". Essa seria a quarta música, depois de "The Spirit Of Radio", "Time Stand Still" e "Presto", e no ponto onde Geddy conversaria com o público pela primeira vez - eles seriam iluminados para nós olharmos para todos eles.

Quando eu conversei com meus companheiros de banda na passagem de som, eu fiquei sabendo que eles também tinham assistido ao resgate dos mineiros chilenos. Geddy planejava dedicar essa música, "Stick It Out", para os mineiros, enquanto uma foto deles apareceria na tela gigante atrás de nós. Além disso, a guitarra de Alex seria decorada com o número simbólico do resgate, "33".

Então tudo isso faz parte do "fundo" dessa foto, a magia invisível, mas certamente sentida, em tantos rostos sorridentes entre as 36.000 pessoas, os flashes, a bandeira chilena no meio, um cartaz à direita, e outro à esquerda que eu e Michael tivemos que ampliar e melhorar. Ele lê, comovente, "All My Life / for Rush". ("Eu também, camarada - eu também.")

No fim de quarenta e quatro shows, para mim, meus companheiros de banda, e nossa incrível equipe, e no final de 23.132 milhas de moto para mim e meus parceiros de pilotagem, Michael e Brutus, Alex e Geddy e eu (sentado, no meu caso) pudemos olhar do palco para a platéia, exigente, cantando muito, vendo, ouvindo e sentindo. . . o poder do Pensamento Mágico.

Viagem de moto pela América do Sul - Santiago view


Neil Peart

Deixar seu comentário

Postar comentário sem fazer login

0 / 2000 Restrição de Caracter
Seu texto deve conter 5-2000 caracteres
Seu comentário será enviado para moderação pelo administrador.