Viagem de moto ao Salar de Uyuni - Bolívia

Um grupo de oito amigos está acabando de realizar uma viagem de moto que começou no dia 2 de janeiro. Como destino, o Salar de Uyuni, com passagem pelo Deserto do Atacama. O grupo veio de três cidades distintas de São Paulo e Paraná e se reuniu em Londrina. De lá foram em direção a Foz do Iguaçu, por onde entraram na Argentina, passaram pelo Chaco e chegaram a San Pedro de Atacama pelo Paso de Jama. No dia seguinte eles foram com jipes alugados até o Salar de Uyuni, onde viram as paisagens mais espetaculares da viagem. Depois retornaram ao Brasil passando pelo Paraguai.

O grupo é formado por Antônio Mário (Toni) e Juliana, de Campinas, SP, que viajam em uma BMW e Otávio e Inha de Londrina, PR, numa VStrom. O Zé Mauro, Suzana, Pedro e Amanda vão de apoio para o grupo em uma caminhonete e partiram de Bauru, SP.

Os relatos são feitos a seis mãos, por Toni, Juliana e Otávio, cada um com suas impressões que complementam uma bem contada viagem por lugares belíssimos, boa parte familiares à memória.

Viagem de moto Salar de Uyuni Bolívia

Verdadeiramente emocionante a descrição do encontro do grupo com o Salar de Uyuni, feito pela Juliana, quando ela viu a primeira imagem deste artivo (clique nas fotos para ampliar), depois de muitas dificuldades causadas pelo mau de puno: “Sobrevivemos para contemplar o espetáculo mais fabuloso que tive o prazer de ver: o nascer do sol refletido no salar. Salar que estava molhado pelas chuvas do dia anterior! Que segundo ouvimos estava seco antes... Quanta sorte. E ao descer no salar, com o sol começando a aparecer do meu lado direito, eu não sabia mais para onde eu olhava. A imensidão branca que nos cercava, o sol surgindo ou quando me deparei com a parte molhada e vi que os jipes parados a nossa frente, não eram mais dois, mas sim quatro, por que refletidos como espelhos, formavam uma imagem que eu jamais irei esquecer. O sol, as montanhas, as pessoas, que como crianças brincavam com suas imagens refletidas, tudo, tudo isso me fez chorar. E só então entendi porque tive que buscar meu Salar...”

O Toni também ficou muito impressionado com o que viu: “... saímos do hotel por volta de cinco da manhã justamente para isso. Havia chovido barbaridade na noite anterior. O telhado do hotel de sal, fixado por pedras, tremia por causa do vento. Até nos recomendaram que fechássemos todas as portas, para evitar que o telhado levantasse voo. Fiquei um tanto apreensivo com a possibilidade de a chuva estragar o passeio. O que eu não sabia é que a chuva, ao invés de estragar, estava construindo o cenário do mais belo nascer do sol que tive oportunidade de presenciar em minha vida. E digo sem medo de errar: nunca mais verei outro nascer do sol como esse da Bolívia.
O sol nasceu para cima e para baixo. Em duplicata. Cada raio refletido no chão branco do salar, revestido pela água da chuva da noite anterior. Todos ficaram absolutamente sem palavras. E emocionados.

As fotos ... apenas dão uma idéia de tudo aquilo. É preciso vivenciar esse momento para perceber tamanha beleza.”

Vale a pena uma leitura nos relatos feitos pelo grupo através do blog CDF Motoblog.

Viagem de moto Salar de Uyuni Bolívia

Deixar seu comentário

Postar comentário sem fazer login

0 / 2000 Restrição de Caracter
Seu texto deve conter 5-2000 caracteres
Seu comentário será enviado para moderação pelo administrador.