A caminho do Atacama

Viagem de moto ao sul

Sempre tive vontade de fazer uma grande viagem, e meu sonho é que ela tivesse uma característica de aventura. Quando encontrava o relato de alguém que fez uma viagem longa a pé, de bicicleta, de moto ou carro eu prestava muita atenção e absorvia o máximo de informações. Ficava me imaginando fazendo o mesmo percurso.

Roteiro da viagem ao Atacama

Em maio eu fui convidado por dois colegas para fazer uma viagem de moto até o Chile. A intenção, além de conhecer aquele país e todos os lugares que passaríamos até chegar lá, era acompanhar uma das etapas do Rally Dakar, que foi transferido este ano da África para a América do Sul.

1º dia - Belo Horizonte - Ribeirão Preto

Saí de casa só às 11:00 horas e cheguei a Ribeirão Preto às 18:30 horas. Bom, considerando a quantidade de paradas, principalmente para pedágio, que com moto são muito demoradas. As luvas atrapalham bastante manusear o dinheiro.

2º dia - Ribeirão Preto - Londrina

Retas, retas e mais retas. Numa das fotos que tirei dá pra ver que a estrada desaparece no horizonte. A primeira reta que peguei, saindo de Ribeirão preto, só acabou quando cheguei à ponte que atravessa o Rio Tietê (foto em seguida). Andei uns 200 km sem fazer uma única curva.

3º dia - Londrina - Foz do Iguaçu

Estou em Foz do Iguaçu. A viagem foi bastante tranqüila hoje. Saí de Londrina às 08h30min e cheguei a Foz do Iguaçu às 15h00min. Apesar de o tempo estar fechado durante todo o percurso, não choveu em nenhum momento. Isto fez com que a temperatura se mantivesse agradável todo o tempo, exceto quando cheguei a Foz, onde as avenidas têm sinal pra KCT e todos fechavam na medida em que eu me aproximava deles. Cozinhei debaixo da roupa de cordura.

4º dia - Foz do Iguaçu - Posadas

Ontem à noite encontrei com o "Trio Electra", três casais de São Paulo que conheci este ano através do da internet (Genaro e Márcia, Celestino e Marcela, Bugno e Danny). Foi a terceira vez que nos encontramos pessoalmente desde que nos conhecemos há cerca de um ano, mas mantemos contato quase que diário pela internet. Tenho muito carinho e respeito por eles e ontem foi ótimo passarmos algumas horas juntos em Foz do Iguaçu. A viagem solitária tem suas vantagens, mas de vez em quando bate uma vontade danada de conversar com pessoas conhecidas.

5º dia - Posadas - Parana

Hoje retomei o cronograma. Depois de uma noite bem dormida, acordei com disposição e peguei a estrada com tranquilidade, corpo e mente em ótima forma, o que permitiu rodar 760,1 km sem pesar muito.

6º dia - Parana - Cordoba

Estou em Córdoba. Resolvi hoje cedo alterar um pouco o meu roteiro e a cidade de destino do dia. Como é uma cidade maior, pensei que as estradas poderiam ser melhores e a rota mais fácil de seguir que a do roteiro original, que previa passar por muitas cidades pequenas, dificultando a viagem e podendo me fazer errar algum caminho e atrasar o cronograma.

7º dia - Córdoba - Mendoza

Hoje rodei 707,6 km desde Córdoba até Mendoza. Agora sim, sinto que comecei realmente a viagem. Ao contrário dos dias anteriores, em que passei por lugares sem muitos atrativos, paisagens que deixavam a viagem monótona, hoje passei por lugares muito legais e ví paisagens fabulosas, como vou descrever abaixo. Tirei neste dia mais fotos e fiz mais filmes que nos seis dias que o antecederam.

8º dia - Mendoza

Estou em Mendoza. Acordei e fui tomar café da manhã. A variedade era grande. O cara perguntou qual das variedades de pão que eu gostaria de comer: um pão doce chamado fortuna ou um croisant. E se queria café, leite puro ou café com leite. E só. Bolas. Observei que na Argentina, mesmo nos hotéis melhores que fiquei, o café da manhã, que aqui chamam de desayuno, não é farto, mas este foi ridículo.

Conteúdo relacionado - América do Sul