Entrar

Ushuaia - Superação

O Início

Ushuaia

Pai e companheiros da Superação, estou tomando a liberdade de publicar os primeiros posts dessa incrível e emocionante viagem. Estamos torcendo para que tudo ocorra conforme planejado.
Fiquem com Deus.

Iniciamos oficialmente nossa expedição...

00_O_InicioHoje iniciamos oficialmente nossa expedição com destino ao Ushuaia, denominada SUPERAÇÃO por ter um caráter muito especial para cada um de nós três.

Iniciamos o dia com muita ansiedade e até parecíamos três meninos inquietos para irmos brincar.

Logo por volta das seis horas o Ruy chegou na casa do Ivan para terminarmos as arrumacoes. Se não fosse a parafernalha eletrônica (GPS, scala rider, celulares etc) os quais não conseguimos fazer com que se comunicassem, tava tudo prefeito.

2º dia, já com surpresa... !!!

Dia 2 e Pneu no chão...Já no segundo dia, a primeira surpresa.

Despertamos na hora combinada, com tudo pronto subimos nas motos e o Ivan detectou o seu pneu dianteiro furado. Decidimos que o Ruy iria atrás do Ricardo da oficina CABEÇA DE FERRO, que é a referência local, eu e Ivan tentaríamos contato telefônico com os PHDs locais. Destaque para os PHDs de Curitiba Robertinho, Célio, Reginato e Chico Neto que via telefone nos direcionaram para contactarmos o Ricardo.

3º dia, seguimos hoje até Pelotas...

Seguimos hoje até Pelotas no RS e tudo transcorreu bem nestes 800 km.

Fez muito calor com chuvas esparsas o que tornou a viagem mais cansativa do que o normal. No entanto, fomos brindados com as belíssimas paisagens da Serra Gaúcha e por fim as planícies de arrozais.

4º dia, Colônia Del Sacramento...

4_2012-02-07_16.34.42Seguimos hoje rumo ao Uruguai, sentimos intimamente que as emoções mais fortes da viagem iniciariam hoje e de fato foi que ocorreu.

Atravessamos a Reserva Ecológia do Taim e ficamos deslumbrados com as belezas naturais daquele lugar rico na flora e na fauna. A estrada também é linda, pena que tenha muita reta e acaba dando um pouco de sono, mas o fato mais marcante ocorreu em dado momento da travessia, quando nós três fomo contagiados pela magia daquele local e passamos a nos comportar em cima de nossas Harleys como se crianças fossemos, daí a bater asas, palmas, cantar, dançar e gritar pela estrada a fora, tudo isso em perfeita comunhão com Deus, Natureza, homem e máquina. Foram momentos extasiantes que com certeza não nos esqueceremos.

5º dia, Dia de folga!!! Ufa!!!

5_2012-02-08_13.08.08Dia de folga!!! Ufa!!!

Como venho dizendo, o calor está muito forte e tem nos deixado bem cansados mas não tem sido impecílio para fazermos o que havíamos programado.

Hoje tiramos o dia para deixar as motos paradas, formos logo cedo ao terminal do Buquebus fazer os procedimentos necessários para o nosso embarque amanhã, que será as 11 horas.

6º dia, Buquebus, Buenos Aires, grande emoção...

6_2012-02-09_10.57.55Hoje pela manhã aproveitamos para reorganizar as malas, pois foi a primeira vez que tínhamos descido com as bolsas maiores e também darmos uns apertos na minha moto (Luciano) que havia perdido um parafuso do Sissy bar. Neste quesito o destaque é o Ivan que tem se mostrado o grande apertador de bagagens e consertador de tudo, parece o smurf habilidoso, até no tamanho, hahaha.

7º dia, ...um sonho e duas rodas em perfeita sintonia...

7_2012-02-10_12.22.07Depois de termos conhecido um pouco da cultura local colocamos as Harleys na estrada novamente, nosso destino agora é Bahia Blanca. A grande diferença de viajar de Harley é que você não é apenas mais uma pessoa na estrada, você se sente A PERSONA. Em todos as cidades por onde passamos as pessoas buzinam, acenam, puxam conversa, tudo muito espontâneo. Vemos e sentimos nos olhares delas que estamos realizando o sonho de muitos. Quando nos sentimos meninos com os nossos brinquedos vemos também que as outras pessoas se sentem assim, por isso se comportam de maneira pura ao nos abordar, puxar conversa, sorrir, pedir para fotografar, se espantam e brilham os olhos quando falamos de onde viemos e para onde vamos.

8° dia, Três arroyos a Puerto Madryn

8_2012-02-11_10.34.08Quando nos preparavamos para sair do hotel, para nossa surpresa o Fancesco, o italiano que conhecemos no restaurante, foi até lá para nos ver saindo, o que nos deixou felizes. Já na estrada começamos a sentir um gostinho do vento que nos espera pela frente, frio e forte. As motos já iniciaram a bebedeira, foi só apertar na casa dos 140 que elas abriram os gargalos com vontade. Já na primeira parada o tempo começou a esquentar e logo já estávamos sofrendo novamente com o calor.

9° dia, Folga em Puerto Madryn

9_2012-02-12_12.53.16Hoje é dia de folga e como ontem estávamos muito cansados e ainda tomamos uns Jack Daniels levantamos mais tarde. Fomos a casa de informações turistas e decidimos então pegar um táxi para nos levar até a reserva de Punta Loma.

A reserva é muito bonita e lá pudemos avista lobos marinhos. Nada de pinguins e baleias não se avista nesta época do ano. Fomos conduzidos por um taxista de nome José que além de ser muito bem humorado nos passou dicas importantes.

10º dia, O dia começou prometendo...

010_2012-02-13_photo_0O dia começou prometendo, mas não passou disto... Mais uma vez, depois de tudo, pronto, subimos nas motos e a do Ivan não pegou.

No sábado, antes de chegarmos na cidade, coisa de uns 70 km, começou acender as luzes de bateria e injeção da moto dele. No domingo o Ivan ligou para o Nielson e ele deu algumas orientações para averiguarmos, mas não identificamos nada de anormal. Pelo que parece tem algo roubando carga da bateria. Imediatamente na tentativa frustrada de partida, apareceu um argentino de nome Artur, também hóspede do hotel e se prontificou a ajudar com cabos para enxerto e mais um tanto de ferramentas.

11º dia, DEL FIN DEL MUNDO, Hummm....

011_2012-02-14_11.13.37Saímos cedo de Trelew com destino a Calleta Oliva. A viagem transcorreu muito bem, mas já tivemos que mudar as roupas de calor para frio, muito frio e preparar para o vento, vento, vento e mais vento. A sensação é de estar num veleiro ao sabor dos ventos em mar aberto. Repetidas vezes temos essas sensações pelas extensas planícies que cortamos ao longo do dia, onde no final de nossas visões o céu parece tocar o chão. Por aqui sempre há um espetáculo da natureza para se admirar.