Um Sonho de Liberdade

Um Sonho de Liberdade

Viagem de moto Uruguai 01A aventura, que daremos início, começou comigo nos anos 70, mais precisamente em 1979. Naquele ano, o meu pai comprou uma "poderosa" Honda CB50 (isto mesmo, 50 cc), que dividimos entre três irmãos, as mulheres quase não usavam. Apesar de ser uma pequenima motocicleta, conseguíamos, mesmo assim, fazermos muitas besteiras em cima dela. Até que, pouco tempo depois, o nosso pai a confiscou e ficamos sem a nossa "poderosa". Habilitação, capacetes, jaquetas, luvas? Ninguém sabia o que era.

Roteiro da viagem

Viagem de Moto Uruguai MapaDistância a ser percorrida: 6.100 kms
Número de dias: 16 dias
Maior distância a ser percorrida em um dia: 569 km
Menor distância a ser percorrida em um dia:201 km

A nossa programação é andar pouco todos os dias e fazermos uma viagem de baixo custo.

Rastreamento em Tempo Real

SateliteAmigos, nesta aventura iremos disponibilizar o acesso ao sistema de rastreamento em tempo real existente em minha moto. Para isto, quem tiver interesse em nos acompanhar, acesse o link abaixo com o login e senha :

1º Dia - Belo Horizonte - Atibaia, SP

MG_SPNosso primeiro dia de viagem não teve grandes surpresas, exceto alguns pequenos problemas comigo e a Valentina. O primeiro foi que ao ligar o navegador GPS, saindo de BH para Lagoa da Prata, nada funcionou e depois de algumas pesquisas, descobri que o fusível do acendedor de cigarros (onde ligo o meu navegador), havia queimado. Fiquei tranquilo, pois sabia que existia fusível reserva na caixa, porém para minha surpresa não havia nenhum ! Como ainda tinha um pequeno tempo, consegui comprar alguns, agora com reservas. Na noite de ontem fiz um último check list na Valentina e me surpreendi com uma lâmpada de seta queimada, tive que esperar hoje e pela manhã consegui comprar, além de uma reserva. Na pressa em sair de viagem, deixei de colocar em meu check list itens de uso pessoal e hoje ao sair, descobri que eu havia retirado os protetores de minha jaqueta para lavá-la e me esqueci de recolocá-los e estou rodando sem eles, até conseguir encontrá-los em algum lugar.

2º dia - Atibaia, SP - Curitiba, PR

engarrafamentoA imprevisibilidade é inexorável, quando temos tudo acertado e acreditado como certo ! Por ser uma pessoa que conhece muito bem tudo que envolve a tecnologia GPS ... isto porque trabalho profissionalmente com esta tecnologia e por isto deixei disponível o acesso em tempo real do rastreador instalado na Valentina, uma vez que sou o fabricante do próprio rastreador. Por esse motivo, fiz questão, como conhecedor da tecnologia, adquirir o melhor Navegador GPS fabricado pela Garmin em 2011. Com este navegador, já fiz muitas viagens e sempre confiando muito nele e nunca fui decepcionado. Muito bem, ao ver a rota que este "cara" havia traçado como o melhor caminho, mais rápido, considerando diversas variáveis, entre Atibaia e Curitiba, sem passar por São Paulo, eu duvidei ! Não seria possível. Resolvi então confrontá-lo e mudei a rota por minha conta. Errei muito e quando resolvi pedir ajuda ao navegador, a única saída era passar por dento de São Paulo. Por sorte nossa, devido à época, o movimento dentro da cidade estava muito tranquilo e pegamos um trânsito até melhor que estamos acostumados em BH. No entanto, devido ao tamanho da cidade e à quantidade de semáforos, não tivemos como não atrasar a nossa viagem, cerca de 2 horas ! Em baixa velocidade, todos sabem o quanto estas motos aquecem e nossas pernas viraram verdadeiras "pururucas".

3º dia - Curitiba, PR - Criciúma, SC

Hotel Curitiba Tenho um amigo que mora em Curitiba, que diz que essa cidade tem somente duas estações: a primeira com chuva e a segunda com muita chuva, ou seja praticamente chove todos os dias do ano. Para não fugir desta verdade, saímos do hotel debaixo de chuva. Tudo bem, que era uma chuva muito fraca e que em nada nos atrapalhou; pelo contrário, nos ajudou refrescando o dia. Rodamos debaixo desta garoa paulistana por cerca de 80 kms, quando parou e enfrentamos um congestionamento longo, de mais de 20 km, normal dos feriados. Como eu não queria repetir a dose de "pururuca" na perna, do dia anterior, andando a velocidades abaixo de 10 km/h. Resolvi enfrentar o corredor central da via e como o Édno e o Luciano não toparam, preocupados com a pista escorregadia, acabamos nos separando e fiquei um bom tempo na frente deles. Antes disto, combinamos que caso isto ocorresse nos encontraríamos no primeiro posto do lado da via em uso.

4º dia - Criciúma, SC - Cristal, RS

Osório Para nós motociclistas, quando mergulhamos em um projeto, precisamos aceitar todos os desafios como possíveis. Mesmo quando tudo foge daquilo que planejamos e os aceitamos simplesmente como uma mudança de projeto. No entanto, quando as coisas saem como desejamos e muitas vezes melhores até, somente nos resta agradecer ao Alto pelo bem concedido. Pois bem, assim foi o dia de hoje. Saímos de Criciúma, em Santa Catarina a caminho do nosso destino do dia, Cristal RS. Uma pequena cidade, localizada a cerca de 150 kms ao sul de Porto Alegre.

5º dia - Cristal, RS - Chuy, Uruguay

estrada 1Infelizmente o acesso à internet aqui no Chuy (Chuy/Uruguay, Chuí/Brasil) , não está fácil. Por este motivo ainda não havia feito o relato de nossa viagem do 5º e 6º dia.

Muito bem, fizemos a nossa despedida da cidade de Cristal, onde fomos muitíssimos bem recebidos. Saímos por volta das 9 horas para rodar um pequeno trecho de 369 km, o menor de nossa viagem até agora. Pegamos a BR-116 e fomos em direção ao extremo sul do país.

6º dia - Chuy, Uruguay

almocoO dia amanheceu debaixo de uma forte chuva e, como havíamos programados passear na Barra del Chuy, tivemos que cancelar o passeio. Ainda na parte da manhã, a chuva parou e resolvemos voltar à nossa programação, porém já não havia mais carro disponível.

É tudo muito confuso e não sabíamos que existia a Barra do Chuí e a Barra Del Chuy e os taxis com placa do Brasil, não podem levar passageiros para o lado uruguaio e vice versa.

7º e 8º dia - Chuy, Uruguay - Montevideo, Uruguay

estrada 4Saímos de Chuy, por volta das 9 horas, abastecemos nossas meninas e pouco mais de 3 quilômetros paramos na aduana uruguaia. Como já me haviam dito, foi muito tranquilo. Verificaram os documentos das motos, nossos documentos e ... quase zebrou ! A carta verde, seguro obrigatório para estrangeiros circularem por países do Mercosul que o Édno trouxe não estava em nome dele e criaram um caso danado. Porém, após um pouco de conversa e uma "pequena lavada de cara", conseguimos enfim adentrar território uruguaio. Seguimos então por uma estrada não duplicada, porém muito boa, por cerca de 240 km até Punta del Leste. Neste caminho, trafegamos por uma pista de aeronaves, isto mesmo, um aeroporto no meio do nada ! Não conseguimos entender como funcionaria aquilo, pois a rodovia de repete se transforma e estamos andando em um aeroporto !