Entrar

1350 km pelas Serras Catarinenses

  • Categoria: Sul do Brasil
Viagem de moto pelas serras catarinenses - Serra do Rio do Rastro

Como não tenho condições de fazer grandes roteiros devido à minha atividade profissional, a partir de Curitiba realizo trechos de até 700 km/dia nos raros finais de semana de folga. Nos dias 7, 8 e 9 de novembro, fui recordar as Serras Catarinenses que mais gosto, Rio do Rastro e Corvo Branco.

Parte 1 - Curitiba a Lauro Müller - Serra do Rio do Rastro

Às 16h30 da sexta-feira, saindo de Curitiba, fui para Lages percorrendo 370 km pela BR-116, que está muito boa de andar.

Seguindo pela SC-438 em direção a São Joaquim, foram mais 90 km de bom asfalto e curvas venenosas. Após jantar por lá, percorri mais 80 km até Lauro Müller, percorrendo a Serra do Rio do Rastro à noite, com uma temperatura de 12ºC, tempo limpo de noite estrelada, estrada praticamente só para mim e tomadas de curvas espetaculares.

Depois da diversão extrema, descendo e subindo a Serra, foi difícil arrumar um hotel ou pousada para pernoite, fecham todos cedo na região.

No sábado, após merecido descanso, voltei à Serra do Rio do Rastro para cumprimentar os quatis; Agora era seguir em direção a Urubici, por 100 km de uma estrada espetacular. Alguns trechos lembram o Rastro da Serpente com "esses" intermináveis, asfalto em bom estado e paisagem espetacular como em toda a região.

Parte 2 - De Bom Jardim da Serra a Itapema do Norte via Serra do Corvo Branco

O roteiro planejado foi de Bom Jardim da Serra até Itapema do Norte via BR-101 a partir de Tubarão, passando por Urubici e pela Serra do Corvo Branco, totalizando 600 km.

Os primeiros 80 km, de Bom Jardim da Serra até Urubici, é feito em uma estrada muito boa, a SC-430. As curvas e "esses" lembram muito o Rastro da Serpente, principalmente a lição que, se errar alguma, vai adquirir um lote....

Urubici é uma cidade muito simpática, além de hospitaleira com motociclistas.

As fotos revelam um pouco do trajeto. Fico devendo somente o cheiro da estrada, que nesta época é de mel devido às flores da beira da pista. A viseira fica cheia de insetos e requer manutenção a cada parada.

Seguindo de Urubici, sentido Serra do Corvo Branco, o asfalto é um tapete, novo. Quando vir a placa de final de asfalto a 100 metros, é necessário conduzir com muito cuidado, pois a estrada de terra começa com muita pedra solta e chega rápido.

De Grão Pará até Braço do Norte e Gravatal (termas) a estrada está boa, mas também requer cuidado, pois é região turística com muito motorista distraído. Chega-se a Tubarão e a BR-101, com obras em Laguna e trânsito intenso. Depois foram 350 km de arame torcido até Itapema do Norte.

Parte 3 - de Itapema do Norte/SC a Curitiba

Esta poderia ser feita via BR-101, ou BR-277, mas nada melhor que voltar a Curitiba pela Estrada da Graciosa, antiga ligação da Capital Paranaense com o Litoral. Fico a me perguntar o desafio que era empreendido para suplantar esta estrada por caminhoneiros em seus Alfas Romeos (FNM). Subidas muito íngremes, estreitas e sem acostamento, na pedra, deveria ser uma aventura a cada viagem ao calor da serra e seus mais de 40º no verão rumo ao porto de Paranaguá...

De Itapema do Norte via ferry boat se atravessa a baía de Guaratuba até Caioba, após via Alexandra e trecho na BR-277 até Morretes, onde começa a Serra da Graciosa. Morretes é uma cidade turística com bons hotéis e pousadas e o famoso prato do litoral paranaense, o Barreado.

Foram 1.350 km bem aproveitados, parando quando queria e ficando o tempo necessário. O interessante é que nestas paradas nunca fico sozinho, sempre vem alguém conversar, contar que já teve moto ou ainda quer comprar uma e fazer estas viagens descritas aqui pelo site. Devido às boas dicas que encontrei aqui, me sinto na obrigação de relatar os trechos que percorro e fico à disposição dos Amigos Motociclistas para esclarecer suas dúvidas.

Forte Abraço,

Dinho Sprenger

Comentários (9)

  1. fabricio ferreira dos santos

Parabéns motociclista, viagem linda que você fez. Muito bonita a moto tb. forte abraço.

  1. Osman

Parabéns meu caro pelos relatos e generosidade de compartilhar a experiência. Já estive nessa região duas vezes sendo que na primeira fui de moto de Salvador com minha esposa. Em abril/2014 vou voltar com alguns camaradas pois o lugar é show. Abração.

  1. Dinho Sprenger    Osman

Caro Osman: grato pelo comentário, como não posso ir muito longe meus roteiros ficam concentrados de Curitiba mais uns 1000km no máximo, por este motivo que exploro bastante esta região que por sorte concentra várias rotas excelentes. Forte Abraço.

  1. Andre Ramon

Dinho meu velho, hj confesso que não sei como elogiar seu relato, pois dizer que ele está "show" já está ficando redundante, pois em todos os seus relatos anteriores eu falei a mesma coisa!!! Nesse caso, só me resta agradecer por seu carinho conosco em nos relatar de forma tão clara e verdadeira...

Dinho meu velho, hj confesso que não sei como elogiar seu relato, pois dizer que ele está "show" já está ficando redundante, pois em todos os seus relatos anteriores eu falei a mesma coisa!!! Nesse caso, só me resta agradecer por seu carinho conosco em nos relatar de forma tão clara e verdadeira os seus momentos de distração e conhecimento. Valeu mesmo!!!<br />Um forte "motoabraço", tudo de bom, muito sucesso e estradas pra curtir a vontade meu camarada!!!

Ler Mais
  1. Dinho Sprenger    Andre Ramon

Grato pela observação Andre Ramon. Quanto aos relatos é que temos o Motociclismo em comum e gostamos de todos que estão presentes neste site. Estes dias perdi a hora lendo a epopeia dos 58.000kms do Alasca à Ushuaia Impressionante, o que comentar daquele texto???

  1. Roberto Araujo

Parabéns pelo belo roteiro e o excelente relato de viagem. ainda esse mês pretendo fazer esse mesmo trajeto e também curtir a Serra Gaúcha. Se puder, gostaria que me informasse se as condições da estrada dá para a Harley encarar de boa garupado.<br /><br />Abraço

  1. Dinho Sprenger    Roberto Araujo

Caro Roberto Araujo: de Urubici ao Mirante da Serra do Corvo Branco o trecho de terra, na verdade deveria ser chamado de pedra, muita pedra, com cuidado até em dias de muita chuva ele possibilita transito. Devido ao excesso de pedras acredito que o uso de patrolamento esteja negligenciado. Apos...

Caro Roberto Araujo: de Urubici ao Mirante da Serra do Corvo Branco o trecho de terra, na verdade deveria ser chamado de pedra, muita pedra, com cuidado até em dias de muita chuva ele possibilita transito. Devido ao excesso de pedras acredito que o uso de patrolamento esteja negligenciado. Apos atingir o mirante, descer os esses da serra até um certo ponto para em seguida retornar. Não aconselho ir em frente devido à obras em andamento até Grão Pará. Retorne a Urubici e siga viagem de lá. Escutei que está em estudo um túnel na região e a parte da serra ficaria preservada para turismo. Ver para crer... Em relação as estradas da região sua HD encontrará boas condições de piso. Após andar na 116 e 101 fico na duvida se não prefiro a 116, a 101 com muitas obras, filas, transito pesado e muitos acidentes, embora a 116 ainda em pista simples a viagem parece transcorrer bem mais tranquila. Se desejar mande seu roteiro que poderemos lhe dar algumas dicas de experiências recentes.

Ler Mais
  1. Guilherme Orlando

Caro Dinho, parabéns pelo excelente relato, para mim será muito útil, ano que vem estarei rodando por estas estradas. As fotos estão muito bonitas e a sua moto, como já falei, está um capricho. Um grande abç

  1. Dinho Sprenger    Guilherme Orlando

Grato pelo comentário e estamos sempre a disposição.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização