Viagem de moto até Ushuaia - Argentina

Olá amigos do viagemdemoto.com, vou repassar algumas informações sobre a viagem que eu e minha esposa vamos fazer em novembro para o Ushuaia. E nesta primeira postagem tentaremos explicar de maneira resumida o porquê da escolha desse destino (obviamente que não foi à toa e também não foi o primeiro).

Em 2013, a bordo de uma XRE 300, eu e minha fiel companheira e esposa Érika concretizamos o sonho de conhecer o deserto do Atacama, destino também muito percorrido por motociclistas. Ainda inexperientes com algumas situações, para traçar um roteiro e um passeio mais planejado na ocasião, tomamos como base todas as dificuldades que poderíamos enfrentar na viagem. Ainda assim, diferentemente de alguns amigos, fizemos o passeio sozinhos, só nós dois, o que torna tudo um pouco mais difícil.

Relato de Viagem de Moto

Lembro que ainda na volta do Atacama já estava pensando em Ushuaia, pois sempre li relatos sobre o quanto o lugar é diferente e incrível. Então, quando chegamos em casa já decidimos que esta seria a próxima aventura. O primeiro passo foi trocar nossa companheira de duas rodas. Nada contra a XRE, pois é uma excelente moto que não apresentou nenhum problema na viagem ao Atacama. Encarou tudo com muita coragem. Porém estamos falando de um motor que não passa de 100 km com toda a bagagem e isso acaba tornando a viagem mais cansativa, pois todo dia passávamos quase 10 horas na estrada. Depois de muita pesquisa optamos pela DL 650 – V-Strom, um verdadeiro carro sobre duas rodas. Excelente, segura, rápida e confortável, com ela já rodamos pelo Sul e Sudeste do Brasil e só tenho elogios.

Moto comprada, agora é hora de algumas adaptações para maior conforto, como encostos, baús, acendedores, pneus novos, assento em gel, etc., etc. Alguns itens comprados aqui, outros na China.

No próximo post vou falar sobre dois itens que comprei e já estão comigo: um assento em gel e um novo par de pneus.

Bem galera, espero que acompanhem nossos posts e comentem também com dicas, relatos ou seja lá o que for para agregar. E lembrem-se: não importa a cilindrada, pois quem leva a moto é você.

Rodrigo Fernandes & Érika Fernandes

Relato de Viagem de Moto