Entrar

3º dia - Na capital da Andaluzia

BMW F 650 GSPartimos para Sevilha bem cedo, pois teríamos muitos quilômetros pela frente. Optamos por não fazer o roteiro mais cênico, panorâmico e longo, para aproveitarmos mais a terra do flamenco e das touradas. Seguimos pelas rápidas autoestradas, que são pedagiadas. Em suas entradas retirávamos os tickets que eram recolhidos nas saídas, ou seja, pagávamos somente as distâncias percorridas. Nós mesmos abastecíamos a moto nos postos, que ficavam situados em estradas paralelas às autoestradas. Durante uma boa parte do percurso, as plantações de girassóis foram um colírio para nossos olhos. Após uma ótima viagem, chegamos a Sevilha, em torno das 14h00. O céu estava azulíssimo. Aliás, durante nosso passeio presenciamos raríssimas nuvens no céu. O tempo era claro, quente e seco, mas suportável.

Nosso Hotel, o Vincci La Rabida, estava situado próximo das principais atrações turísticas. De lá, partimos para visitar, na sequência, a Catedral de Sevilha e seu campanário mourisco (La Giralda); o Arquivo das Índias, local que abriga documentos relacionados à colonização espanhola das Américas; o Real Alcázar, antiga fortaleza árabe transformada em palácio real ricamente decorado; a Torre del Oro, torre mourisca construída no século 13 para proteger o porto de Sevilha; o Paseo de Cristóbal Colón, às margens do Rio Guadalquivir; a Plaza de Toros de la Maestranza, uma das praças de touros mais antigas da Espanha, construída no século 18. É claro que paramos para comer tapas (petiscos), tomar cañas (cervejas) e descansar. À noite fomos ao Tablao el Arenal, onde jantamos e assistimos um espetáculo de autêntico flamenco. Fomos dormir muito tarde, com o som dos sapateados, palmas, cantorias e guitarras flamencas permeando nossos pensamentos...

alt
Real Alcázar

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização