Roteiro da viagem de moto até os Balcãs

Da viagem aos Balcãs, contaremos apenas algumas das experiências mais importantes e marcantes, que podem contribuir ou incentivar outros que lá pretendam ir (se pretenderem colocar questões estão à vontade, estamos cá para ajudar!)

O conselho que damos é: não percam tempo, vão!

Quando pensámos nos Balcãs fizemo-lo com vontade de fugir ao fenômeno da globalização, descobrir como é conviver com outras culturas, outras moedas, outras religiões, outras formas de estar.

Viagem de moto pela Europa - no ferry

Alguns de nós ainda se lembra das guerras que assolaram aqueles países, queríamos ver como é ir aos locais, respeitando culturas e mantendo sempre a humildade de quem vai e pouco ou nada sabe.

Fomos ganhando alguma experiência de moto e sentíamo-nos capazes de enfrentar algo um pouco diferente.

Depois de marcadas as estadias e os ferries, (com antecedência), marcamos o itinerário, que tinha por base conhecer a cultura e a história mais profunda. Fizemos pesquisas exaustivas e escolhemos visitar as zonas de guerra, passar pelo interior de alguns países e sentir a Natureza no seu estado puro.

Viagem de moto pela Europa - desembarque

A primeira etapa foi, como alguns motociclistas que encontramos pelo caminho apelidaram, uma perfeita loucura: 1200 km seguidinhos de Santarém até Barcelona, com paragem apenas para abastecer. Tínhamos de chegar ao Porto de Barcelona antes das 20h, porque o ferry para Civitavecchia saía às 22h, ainda tínhamos de fazer o check-in, colocar as motos no porão e tirar toda a bagagem de que íamos precisar no barco. Depois de sair do porão, não é possível voltar.

De fato, foi, levámos logo uma valente tareia no primeiro dia.

Assim que chegamos, abrimos uma garrafa de vinho que partilhamos com um casal de motociclistas Italianos e outros, que estavam à espera de entrar no ferry, que ficaram, naturalmente, bem dispostos!!! "Estes portugas são doidos!"

Como bom Português, levamos comida para dois dias, queríamos poupar, sobretudo porque pensávamos que no barco a comida era cara, afinal, nem por isso.

Claro está, montamos o estaminé e lá preparamos o nosso piquenique no convés, com tudo, desde o presunto e queijo, mas também, os panados, os pastéis de bacalhau e, naturalmente, vinho com fartura, afinal a malta não ia andar de moto nas próximas horas. Ainda estou para perceber como o Mike meteu um pack de 5 litros de vinho na mala da moto…

Foram 20 horas muito bem passadas!!! O ferry é muito tranquilo, tem tudo, desde bares, restaurantes, sala de jogos, cassino, ginásio… mas passamos o tempo a apreciar o mediterrâneo do convés que é absolutamente maravilhoso.

Viagem de moto pela Europa - desembarque

Os camarotes são confortáveis, têm quatro camas individuais e banheiro privativo. Foi uma das noites mais tranquilas de toda a viagem, sem hora marcada para levantar e, apesar do espaço exíguo, é muito confortável.

Acordamos pela manhã com o Sol batendo na janela, com a vista do azul do mar que nos enchia a alma. Não é um quarto com vista para o mar, é um quarto dentro do mar.

Viagem de moto pela Europa - bagagem

Nem demos pelo passar do tempo, o ferry ainda passou pela Sardenha para deixar passageiros e as suas autocaravanas e seguiu até Civitavecchia.

As entradas e saídas do ferry fazem-se por umas plataformas basculantes, é muito fácil entrar e sair de moto ou de carro.

A todos os que queiram dar um salto a Itália de carro, mota ou autocaravana, o ferry é uma ótima opção, é uma viagem muito tranquila, segura e relativamente barata.

É impressionante a quantidade de caminhões, autocaravanas, automóveis e motos que entram no barco.

Viagem de moto pela Europa - no ferry

Comentários (1)

This comment was minimized by the moderator on the site

Meus senhores, 1200 km de seguida......é obra.
Eu fiz algo semelhante mas no caminho inverso (de roma para lisboa) mas tive de parar em madrid pois não há $#@ que aguente.

O camarote no barco dá muito jeito, eu fui sem direito a dormida e como à noite fica frio tive de dormir onde consegui encontrar espaço. Dormir lá fora está fora de questão por causa do frio e lá dentro é uma confusão desgraçada.

Mas é uma viagem que fica na memória e existe muita gente de moto para trocar experiências.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia