Viagem de moto pela Europa - Portugal e Espanha

Tiramos o último dia para mais algumas visitas, conhecer um pouco mais as ruas de Madri e voltar a rever alguns lugares que gostamos mais. Mas sem a moto a viagem perde um pouco da graça, mesmo estando em Madri, uma cidade fantástica.

Acordamos um pouco mais tarde, arrumamos as malas, agora sem a preocupação de colocar as roupas nas sacolas plásticas, pois não seria mais necessário transferi-las para os alforjes da moto.

Deixamos a bagagem na recepção do hotel e fomos passear. Andamos bastante, paramos no Museu do Jamón, uma lanchonete bem legal onde se come em pé no balcão, especializada no famoso Jamón Ibérico, um presunto típico da Espanha e feito de uma forma tradicional.

Para não passarmos ilesos dos problemas em uma viagem em que praticamente tudo deu muito certo, durante o passeio paramos em uma lanchonete chamada Rodilla para tomar um sorvete e beber água. Assim que acabamos nosso lanche fomos até uma loja próxima pela qual havíamos passado cedo e vimos na vitrine um "regalo" que queria comprar, mas estava fechada para a "siesta". Retornamos à lanchonete e sentamos na mesma mesa que havíamos ocupado pouco antes para esperar a loja abrir. O mesmo garçom que havia nos atendido nos disse que não poderíamos sentar a não ser que consumíssemos. Eu argumentei com ele que havia acabado de consumir e que a maior parte das mesas estava vazia, mas ele não se fez de rogado: teríamos que pedir algo ou sair. Disse a ele que iria consumir mais tarde, mas diante da falta de educação, nunca mais voltaria lá. Era a primeira vez que éramos tratados com falta de educação durante toda a viagem.

Por volta das seis horas pegamos nossas coisas no hotel, fomos para a estação do metrô de onde seguimos para o aeroporto para finalizar mais esta magnífica viagem.

Nesta viagem, durante a qual percorremos cerca de 2.000 km, eu conheci meu 11º país sobre uma moto. Foi uma viagem mais curta que as demais e pela primeira vez com uma moto alugada. Foi também uma grande extravagância alugar uma Harley, quase o dobro do preço que eu pagaria por uma BMW, por exemplo, mas era um desejo percorrer as belas estradas da Europa num mito, desejo este muito bem satisfeito. Também foi a primeira viagem de moto internacional na companhia do meu filho, uma oportunidade para ambos passarmos alguns dias juntos, apreciarmos um modo de vida que gostamos e também de nos conhecer melhor.

Obrigado a quem nos acompanhou e até a próxima grande viagem.