América do Sul de NX350 Sahara

Inspirado em livros de viagens de moto pela América do Sul, o motociclista mineiro Wladimir Rocha resolveu fazer uma viagem com uma Honda XN 350 Sahara com 25 anos de uso. Durante 25 dias ele percorreu 10.500 km de estradas do Brasil, Peru, Bolívia, Argentina e Paraguai com sua moto.

10.500 km pela América do Sul em 25 dias em uma moto com 25 anos

O sonho de rodar pela América do Sul durante o período de férias surgiu de certa forma inesperada, primeiro através de uma viagem de moto pela Argentina que fiz em 2013. Depois apareceu o desejo de conhecer o salar de Uyuni (o deserto de sal a 3600m de altitude na Bolívia), o lago Titicaca e Machu Picchu no Peru. Mas a idéia dessa aventura tomou forma mesmo após a leitura de dois livros:

1º dia de viagem - Belo Horizonte - Divisa com Itumbiara

"A estrada é longa e a vida é curta"... Finalmente a insônia e ansiedade que antecedem uma aventura chegaram ao fim... Moto na estrada acompanhada de forte frio. No estômago e no pensamento as perguntas: "porque estou entrando nessa loucura, porque deixar a zona de conforto, a família, os amigos, o meu amor?"

2º dia de viagem - Itumbiara - Rondonópolis

O segundo dia de uma viagem de moto é mais leve, você já superou a tensão do primeiro dia, quando a motocicleta, o equipamento e você foram testados em tempo de voo. É realmente como se fosse uma decolagem de avião. Depois disso você estabiliza.

3º dia de viagem - Rondonópolis - Pontes e Lacerda

Foi um dia completo do ponto de vista de uma viagem de moto. Primeiros 150 km rodados numa estrada péssima, com pista simples, sem sinalização e abarrotada de carretas bi-trem. Muito calor que aumentava na medida que me aproximada de Cuiabá (MT), a capital do Pantanal.

4º dia - Pontes e Lacerda - Ji Paraná

Decolei rumo ao norte/noroeste. Mais um dia perfeito para pilotar, com temperatura agradável, pouco trânsito e estrada boa. Segundo o escritor Romulo Provetti, “- o homem que sai numa viagem de moto volta outro homem.“

5º dia de viagem - Ji Paraná - Rio Branco

Rumo ao norte, o dia prometia ser um dos mais punks da viagem e com certeza se superou. Primeiro por conta da distância e segundo pela condição das estradas. Saindo de Ji-Parana (RO) são 30 km até a cidade de Ouro Preto do Oeste (RO), um trecho bastante perigoso e com muitos bi-trens. Após isso, a partir de Ariquemes, muito tranquilo numa estrada boa de andar até Porto Velho (RO).

6º dia de viagem - Rio Branco

Dia de manutenção e cuidados com a Capitão América antes de prosseguir a aventura. Troca de Óleo, uma seta com lâmpada queimada e o aro traseiro quadrado, resultado das crateras lunares de ontem à noite (imagina se fosse de Hayabusa Rs).

7º dia de viagem - Rio Branco - Puerto Maldonado

Após um dia sem rodar, aguardando a liberação da Capitão América da revisão, chegou a hora de partir. O café da manhã foi às 6 horas no hotel Gameleira em Rio Branco (muito bom Hotel).

8º dia de viagem - Puerto Maldonado - Urcos

Após um bom café da manhã no hotel Cabaña Quinta (muito bom, mesmo), sai para fazer o SOAT, uma espécie de seguro obrigatório peruano, similar ao nosso DPVAT e obrigatório segundo me informaram na aduana peruana. Havia uma seguradora que fazia a apenas duas quadras do hotel e o processo é bem rápido. O valor é de US$35 para 30 dias.

9º dia de viagem - Urcos - Ollantaytambo

"Munay (Amor); Yankay (trabalho); Yachay (sabedoria). Que aprendamos com os rios, com as montanhas, com as árvores, com os animais. Que aprendamos a ver com os olhos da alma, nos comprometendo com o essencial. Que nossas vidas sejam repletas de abundância, reciprocidade, amor, trabalho e sabedoria." (Pensamento Inca)