Viagem de moto pelo Nordeste do Brasil

Passei os últimos sete dias junto com minha família, em uma praia chamada Pontal do Maceió, na cidade de Fortim, Ceará, a cerca de 130 km de Fortaleza. É uma daquelas praias desertas que o brasileiro ainda não descobriu, por isso, ela é muito tranquila, sem o movimento e a consequente bagunça que encontramos nas praias mais badaladas. Além disso o mar é muito calmo. Tudo nos convidando a relaxar e descansar o máximo durante o período em que estivemos nessa localidade.

E foi o que fizemos, nadamos no mar e na piscina do hotel, caminhamos, relaxamos, dormimos e comemos bem. Eu descansei bem para poder retornar para a estrada, pronto para os desafios que vêm pela frente.

Como a cidade não tem muitos recursos, como posto de gasolina, supermercado, banco ou mesmo um caixa eletrônico, quando eu precisei de dinheiro tive que ir até Aracatí, a cidade mais próxima que tem caixa eletrônico. Seriam somente 60 km de ida e volta, mas que acabaram se transformando em 150.

Resolvi dar uma volta pela região, peguei uma estradinha de terra que me fez passar por pequenas vilas, grandes fazendas de criação de camarão e pelos gigantes geradores eólicos, que existem aos montes na região. Segui pela estradinha até um local chamado Cumbe, quando começaram algumas dunas de areia, me obrigando retornar e encerrar por ali minha aventura. Um belo e desafiante passeio.

Achei interessante um trecho da estrada que passa no meio de duas dunas de areia. Fiquei sabendo depois que antes existia ali uma enorme duna, mas quando instalaram os geradores eólicos que ficam após essas dunas, retiraram a areia até chegar na terra. Mesmo assim tive muita dificuldade para passar pelo local, pois tem muita areia fofa, que fizeram a moto dançar muito.

Num outro dia, contratamos um buggy para conhecer as praias da região. Uma pena que não escolhemos um dia com a maré mais baixa, estava cheia demais e nos impediu de passar por alguns trechos, obrigando uma volta pelo asfalto, mas foi muito bom. Conhecemos o Rio Jaguaribe, e as praias de Marjolândia, Fontainha, Refúgio Dourado, Ponta Grossa, Redonda e Canoa Quebrada. Cada praia diferente da outra, umas com falésias coloridas, dunas, nascentes. Passamos ainda pela Garganta do Diabo, onde brota água doce da falésia e as pessoas usam a lama para cobrir o corpo e alisar a pele. Na Praia Redonda almoçamos uma lagosta deliciosa e deitamos da rede para descansar. Em Canoa Quebrada, passeamos pelas dunas e fizemos tirolesa em uma lagoa escavada na areia. Não é muito radical, mas vale o divertimento. Eles ainda improvisaram um carrinho para permitir subir a duna de volta para o ponto de salto.

Descansado e cumpridos os compromissos com a família, retornei para a estrada, em direção a oeste do Ceará. Mas isto eu conto amanhã.