De Vitória a Fortaleza pelo litoral

Colors: Orange Color

Em meados de abril/maio de 2013, tivemos a informação que o padrinho da minha noiva assumiria o Circulo Militar de Fortaleza (CE). Militar de carreira, ele vive naquele sofrimento de morar dois anos em cada lugar. Quando recebi a notícia da então noiva e hoje esposa, falei meio que em tom de brincadeira. “May, porque a gente não vai à passagem de comando de moto?”. Apesar dela já ter feito algumas viagens dentro do sudeste com o pai e depois comigo (dei sorte, filha de motociclista já estava acostumada a ser garupa quando a conheci), nunca tinha feito uma viagem com tanta duração.

Como era o primeiro dia e estávamos descansados, fiz a opção de rodar uma distância maior. Acertei nesse ponto. Saímos no dia 06/01 por volta de seis da manhã. A moto já estava pronta e abastecida, era só ligar e partir pra estrada. Tempo e temperatura favoráveis, liguei o GPS, mesmo já sabendo o caminho até o destino do dia pra testar a eletrônica.

Optamos por conhecer as praias do centro de Itacaré, praia do Resende, tiririca, da costa e da ribeira, essa ultima com alguns quiosques e uma tirolesa. Almoçamos ou quase jantamos, no final de tarde na praia do concha, no lado oposto, em frente ao farol de Itacaré.

A ideia era fazer mergulho na praia de Taipú de Fora na Península de Maraú, mas as condições de lua e maré não permitiram. Então resolvemos seguir para itacarezinho, uma praia que tem o acesso dentro de uma fazenda. Ou desce à pé cerca de 4 km ou paga. Paguei na hora. Fui com a moto pela estradinha de calçamento, que desce pela encosta e conta com alguns mirantes.

Tudo pronto, tomamos café e voltamos ao quarto pra colocar os equipamentos. De repente uma tempestade! O clima da costa do cacau tem essas coisas, virou de uma hora pra outra. O dono da pousada, surfista e bom conhecedor do clima local, disse “só vai parar na hora do almoço”. Olhei pra madame e ela já tava no quarto esperando a chuvarada passar.

Fomos mergulhar em Maragogi (AL). Apesar de ficar em Alagoas, é mais perto de Porto de Galinhas que de Maceió. Se você gosta de mergulho, mesmo que seja aqueles de superfície, eu recomendo esse porque a profundidade não chega a 4 metros. Eles vendem o mergulho de cilindro, mas acho que nesse caso não compensa. Você não pode deixar de fazer essa escala.

Hoje foi pura diversão, a estrada é duplicada praticamente de cabo a rabo. É só sair de Recife que o paraíso começa. Feita pelo Batalhão de Engenharia do Exército Brasileiro em concreto, duas pistas pra cada lado, guard–rails no meio, um tapete. A estrada é perfeita e sem pedágio. Yes, we can! Porém, o Planalto prefere fazer com empreiteira. Não vamos entrar no mérito.

Página 1 de 3

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.