Choveu à noite, mas quando amanheceu, havia parado. Acertei a conta com o hotel e levei a bagagem para a moto. Enquanto prendia a bolsa no banco de passageiros, um outro hóspede do hotel veio conversar comigo. Ele parecia conhecer a região e me sugeriu um roteiro. Um motorista de taxi que aguardava outro hóspede e era de Salvador, também veio conversar e me deu uma série de dicas para chegar em Salvador evitando a BR-101 e os caminhões.

Ao sair de Maceió, segui pela Avenida Beira Mar em direção à Praia do Francês. A partir daí peguei a AL-101, de início uma estrada muito boa, duplicada e bem sinalizada, com pouco movimento, mas muitos radares. Depois a estrada passa para pista simples, menos conservada, mas continua com pouquíssimo movimento e um visual de tirar o fôlego. De vez em quando ela passa à beira mar e a maior parte do percurso entre fazendas de coco ou cana.

Na Praia do Gunga, fiz uma parada para ver a paisagem e formou uma fila para tirar foto com a moto.

Peguei um pouco de chuva, mas nem preocupei em colocar a capa, por causa do calor, que já era intenso.

O GPS não reconheceu nenhuma das estradas por onde passei. O dia todo só foi útil para me ajudar a entrar e sair das cidades maiores.

Numa cidade chamada Coruripe, havia um entroncamento sem placas com indicação de onde ir, eu acabei pegando a estrada errada e rodando 20 km a mais. Assim que percebi o erro, retornei e segui para Penedo, uma cidade histórica alagoana, muito bonita.

Para atravessar o Rio São Francisco peguei uma balsa, que havia acabado de sair quando cheguei no porto, então, esperei 40 minutos para ela retornar e sair novamente. Enquanto esperava, caiu uma chuva fina que me acompanhou durante toda a travessia.

O Rio São Francisco faz a divisa entre Alagoas e Sergipe, e cheganado do outro lado, em Sergipe, não havia nenhuma placa de boas vindas para fotografar com a moto, como fiz quando cheguei em outros estados.

Em solo sergipano, passei por muitos treminhões, caminhões que levam até três reboques carregados de cana. Muito difíceis de ultrapassar por causa do seu tamanho e também porque são bastante velozes.

Tive que passar por um trecho da BR-101, que está em obras, com muitos caminhões e buracos, um horror. Foi pela 101 que cheguei em Aracajú, mas parei na cidade apenas para abastecer a moto.

Seguindo orientação do taxista baiano que encontrei em Maceió, procurei seguir as placas indicando a Praia de Atalaia. Não foi fácil, mas consegui pegar a Rodovia Airton Senna, a continuação sergipana para a Estrada do Coco da Bahia. Uma estrada excelente, novinha, com uma ponte recém construída, que encurtou a distância entre as duas capitais, e como ainda não é conhecida, era praticamente só minha. E linda a estrada e a paisagem nas suas margens, com dunas de areia branquinha e muitos coqueiros.

Depois peguei a famosa Linha Verde, que passa por lugares badalados no litoral norte da Bahia: Mangue Seco, Arembepe, Costa do Sauípe, Praia do Forte, Imbassaí... Mas só chegando em Salvador que se vê o mar, mesmo assim de relance. Achei a parte de Sergipe da estrada mais bonita. Peguei uma chuva um pouco mais forte neste trecho.

Já havia visitado Salvador antes e fiquei hospedado em outra região, da orla. Desta vez eu resolvi seguir para o Pelourinho. Queria algo diferente. Ontem eu pesquisei na internet e achei o Hotel Pousada Don Juan no Pelourinho. Pela internet era uma coisa, ao vivo, outra. Bem ruinzinha, por R$ 80 a diária, com café da manhã e internet. Não tinha ar condicionado e a TV não funcionava. O chuveiro vazava água para todo lado, menos no box de banho. Mesmo assim, fiquei. Mais tarde descobri que eles aceitavam casais que pagavam por hora para usar os quartos...

Saí para uma volta pelo Pelourinho. Desta vez achei mais segura que da vez anterior que visitei a cidade. Muitos policiais e não fui importunado por vendedores ou mendigos. Mas estava cheia de barracas e tapumes em frente aos monumentos, para protege-los durante a passagem dos blocos de carnaval.

Percorri 642 km hoje.

Cidade Bandeira Litros Valor R$ Distância R$ / Litro km / litro
Piaçabuçu/AL BR 9,493 28,00 172,8 2,950 18,2
Estância/AL Petrox 12,472 38,04 214,5 3,050 17,2
Salvador/BA Shell 14,558 45,71 254,7 3,140 17,5

Comentários (5)

  1. Paulo Manuel Moreira Souto

Suas dicas de como sair de Maceió para Aracaju foram de grande valia.

  1. ednaldo sampaio

fortalecer o planejamento e a gestao urbana descentralizadoa com participaçao e controle social

  1. ednaldo sampaio

:-x 8) :-? :eek: :zzz :P :roll: :sigh: :cry:

  1. Lucio Mauro almeida bressan

essa travessia da balsa me foi indicada pela Noellem e vejo que é a melhor saida mesmo...

  1. Rômulo Provetti    Lucio Mauro almeida bressan

Essa vale a pena, principalmente pelo visual.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização