Fui para a estrada por volta das sete horas. Ontem, quando cheguei em Natal, eu passei em frente a um monumento com os três Reis Magos, não parei para tirar uma foto e depois fiquei pensando comigo que ficaria uma foto muito legal para representar a cidade. Ao seguir em direção à estrada para sair da cidade, passei pela mesma avenida, mas o monumento estava na outra pista, que estava com um grande engarrafamento. Mesmo assim, resolvi pegar o mesmo retorno e registrar a foto. E foi o que fiz, mas perdi quase uma hora neste processo.

Segui para João Pessoa pela BR-101. O céu estava bastante carregado quando amanheceu. Alguns quilômetros depois, começou uma chuvinha fraca, que só molhou a ponta da minha calça. A estrada está ótima até João Pessoa, bem sinalizada, parte de asfalto, parte de concreto, tudo muito novo.

Ontem eu passei pela região mais seca da viagem e hoje pela mais verde. Muita cana, boa parte irrigada. Parecia o interior de São Paulo.

Em João Pessoa, fui para a cidade antiga e depois para a litorânea. Achei a cidade muito organizada, limpa, com placas indicando os monumentos e os lugares. Bonita cidade, tive boa impressão dela.

Retomando a viagem, a estrada continuou em ótimas condições até chegar na divisa com Pernambuco, quando começaram as obras. Muitas obras. Parece que o estado está passando por um período de grandes investimentos, com indústrias se instalando por aqui. Começaram os "pare e siga" e a estrada passou para simples e esburacadas. Não tinha nem uma placa indicando a divisa entre os estados para tirar uma foto.

Passei por Olinda, bela cidade, poucas placas de orientação ao turista, muito calor. Depois fui para Recife. Que arrependimento. Toda rua que entrei para chegar ao centro da cidade estava engarrafada e não tinha corredor que me permitisse passar. Calor infernal que esquentava ainda mais a moto, cozinhava minhas pernas e a cabeça.

Voltei para a estrada com a intenção de pegar a rodovia litorânea e sair da BR-101, que continuava com muitas obras. Onde a estrada é duplicada, os caminhões transitam pela esquerda e tem muitos buracos. O GPS não reconhecia a estrada e achei as placas confusas, o que me fez entrar em uma estrada errada que me levou para o Cabo de Santo Agostinho e depois para uma vila de pescadores. Pelo menos curti o lugar, muito bonito. Parei em uma praia, sem estrutura e fiquei olhando a paisagem por um tempo, mas fazia muito calor e não havia uma única sombra por perto.

Ao voltar para a moto, enquanto colocava luvas e o capacete, vi um cara grande e branco vindo na minha direção e gesticulando. Era um alemão que me viu passar e veio conversar comigo. Ele fala muito mal o português e eu nada de alemão, mas conseguimos nos comunicar. Ele mora no Brasil a cerca de um ano. Me mostrou sua casa, que ficava por perto. Disse que em seu país os motociclistas se reuniam todos os domingos nas praias para conversar e falar de moto. Perguntou se aqui não tínhamos este costume. Falei a ele sobre os encontros nas concessionárias da Harley todos os sábados e dos passeios que fazíamos. Me convidou para tomar uma Coca Cola em sua casa, mas eu agradeci, dizendo que precisava voltar para a estrada.

Consegui achar a rodovia litorânea. Quando passava por Porto de Galinhas, resolvi parar para conhecer a cidade. O sol estava implacável e eu estava muito cansado. Resolvi ficar na cidade. Passei por várias pousadas, encontrei algumas lotadas, outras com a diária muito cara. Achei uma, bem ruinzinha, por R$80, mas resolvi ficar nela assim mesmo. Chama-se Marlin. Inclui café da manhã, ar condicionado, estacionamento para a moto e internet. A cama é bem dura, mas vai ajudar minha coluna, que anda reclamando da longa viagem.

À noite eu saí para uma caminhada nas ruas do centro. Parei em um restaurante chileno e pedi um cebiche. Um prato muito bonito, mas gostei mais do cebiche peruano.

Hoje eu estive em três capitais de três estados diferentes e rodei 502 km.

Cidade Bandeira Litros Valor R$ Distância R$ / Litro km / litro
João Pessoa/PB BR 14,370 40,22 200,1 2,799 13,9
Recife/PE Shell 11,520 35,01 181,9 3,039 15,8

Comentários (5)

  1. Jane Andreia Souza

Oi!!! acabo de fazer uma viagem de 6 mil km pelo nordeste tambem. E tambem passei de moto pelas dunas de jericoacoara rsrsrs, baita aventura... Pdemos trocar experiencias... vc tem face? Abraços Andreia

  1. Lucio Mauro almeida bressan

ótimo relato, muito instigante..que venha logo julho...

  1. waldir

parabens, meu maior sonho e fazer esta viajem fica na paz. waldir

  1. Vinícius Teixeira

Companheiro Rômulo; Parabéns pela viagem, e em especial pelo excelente e detalhado relato de cada dia viajado. Vc realmente repassa informações valiosas e sempre esperadas, para quem viaja de moto, como condições da estrada, do tempo, comportamento da moto, consumo, imprevistos, impressão da hospedagem e da cidade, custos, recomendações e passeios e situações adversas. Ou seja, tamanha riqueza de detalhes, o sujeito lê seu diário de bordo e já fica se programando uma data para fazer uma trip igual ou parecida. Bem, desejo boas estradas e um motoabraço! Vinícius - Répteis do Asfalto MC - Facção BH.

  1. Rômulo Provetti    Vinícius Teixeira

Obrigado, Vinícius. A intenção é esta mesmo, incentivar os motociclistas a irem para a estrada. Grande abraço

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização