Entrar

Parque Estadual do Ibitipoca

  • Categoria: Minas Gerais
Viagem de moto até o Parque Estadual do Ibitipoca

Deus reservou aos pássaros as asas, que os permitem voar e alcançar as alturas. Aos homens foi dado o espírito de aventura, que os permitem desfrutar das maravilhas que Deus criou.

Aproveitando esta dádiva, sonhei e realizei na companhia da minha esposa e uma valente Yamaha Lander XTZ 250, uma viagem para conhecer o Parque Estadual do Ibitipoca, localizado na cidade de Lima Duarte e Santa Rita do Ibitipoca, na Zona da Mata de Minas Gerais.

Meu nome é Ludgero e minha esposa, que esta no comando há 24 anos (não posso reclamar), chama-se Edna. Moramos em Ipatinga, a 220 km de Belo Horizonte.

No dia 18 junho, beijamos as crias, pegamos a moto e partimos às 07h30min. Pegamos a BR 381 (estrada da morte), que está com obras para duplicação em andamento. Seguimos para João Monlevade até o trevo de Barão de Cocais com um intenso trânsito de ferozes caminhões. Deu pra sentir o que é uma formiga perto de elefantes. Saímos da 381 no referido trevo e seguimos para Barão de Cocais, Ouro Preto, Mariana e Viçosa.

IMG 0127

Paramos em muitos lugares para registrar com fotos esta rota maravilhosa e também dar uma folga no motorzinho valente da Lander e descansar a buzanfa, que implorava por muitas paradas.

Chegamos na cidade de Ubá às 16 horas e encontramos um repouso na Pousada Bem Te Vi, propriedade da Dona Mônica, onde dormimos.

Às 7 horas a bagagem já estava amarrada na moto. Tomamos um café quente, pois o frio apertava o peito. Logo me perguntei: "que espírito aventureiro DEUS me concedeu?" Então era fazer a Lander roncar e partir ao destino. Seguimos para Juiz de Fora, Lima Duarte e a Vila Conceição do Ibitipoca.

Na Vila, um grupo de mochileiros malucos já nos esperava: Leonardo, Miriam, Bianca e Rafael. Gente bonita do Rio de Janeiro, que foi de carro para curtir as trilhas da serra do Ibitipoca.

Eram 11h50min quando chegamos e encontramos um almoço delicioso, feito no fogão à lenha do restaurante Paiol de Minas.

Às 14 horas deixei a Lander na pousada Sombra da Candeia e fomos trilhar na serra, 5 km de caminhada no circuito das águas, rochedos, cachoeiras e grutas. Mais um sinal que DEUS existe e fez belas paisagens para o homem descobrir e admirar. Encerramos esta trilha às 17h30min.

Voltamos para a pousada e tomamos um gostoso banho quente para aplacar o frio da serra que estava apertando o peito. À noite tomamos um vinho e a famosa chimboquinha, degustando um bom queijo e papeando pra conhecer a galera de mochileiros.

IMG 0230

No dia 20 Junho acordamos bem cedo para fazer a famosa trilha da Janela do Céu, que tem 16 km de muito sobe edesce, ida e volta, outra beleza natural. Fiquei agradecendo a DEUS por estar ali, por ter superado o sedentarismo e enfrentado o desafio.

Na mesma noite, encontramos mais 50 mochileiros no Bar Ibitilua, com forró, cerveja, chimboquinha e o alto astral da galera.

No Sábado, dia 21, depois da noitada e das trilhas do dia anterior, acordamos às 10 horas da matina e saímos para curtir a vila. Percorremos as lojinhas de artesanato, almoçamos com a galera e registramos mais fotos. À noite desistimos de ir a uma festa junina promovida por uma mochileira da hora chamada Paty, pois no dia seguinte cedo teríamos que enfrentar o frio e fazer a Lander roncar na estrada.

Na manhã seguinte a serra do Ibitipoca ainda estava fria e coberta pela serração baixa, que escondia a poeira e os buracos da estrada. Seguimos para Juiz de Fora, Ubá e Viçosa por outra rota, passando por ponte nova, Raul Soares, Bom Jesus do Galho, Córrego Novo e Ipatinga. Paramos muito para descansar a buzanfa e para comer pão com linguiça na Lanchonete do Nerço

Chegamos em casa às 17 horas para abraçar as crias, Rodolfo e Rudiery, que já estávamos com saudades. Agradeço a DEUS por me guiar na estrada da vida e superar os desafios que encontramos no mundo de aventureiros.

Comentários (5)

  1. EDUARDO WANDENKOLK DE OLIVEIRA

Boa tarde, Ludgero e Edna!

Sonhamos, eu e minha esposa, em conhecer Ibitipoca. Temos um HD Electra Glide e gostaríamos de saber se a estrada esta boa ou, no mínimo, trafegável para uma touring pesada como ela só. Ouvi dizer que a chegada à Vila dá mais trabalho que a viagem toda, devido aos...

Boa tarde, Ludgero e Edna!

Sonhamos, eu e minha esposa, em conhecer Ibitipoca. Temos um HD Electra Glide e gostaríamos de saber se a estrada esta boa ou, no mínimo, trafegável para uma touring pesada como ela só. Ouvi dizer que a chegada à Vila dá mais trabalho que a viagem toda, devido aos buracos. Tem muito ponto ingrime em meio as adversidades do caminho?
Alguma orientação a nos dar?
Abraço.
Eduardo Wandenkolk

Ler Mais
  1. EDUARDO WANDENKOLK DE OLIVEIRA    Ludgero Reis

Gostei do relato. Já fiz a viagem pelo Google e não me senti muito confortável. Como você mesmo disse 'esta gigante' às vezes tem vontade própria. Gostei muito do seu relato. Obrigado.

  1. Cesar Augusto Boareto

Conheci metade do Parque Est Ibitipoca ! Pretendo voltar lá pra ver o restante, mas desta vez de moto.

Valeu pelo relato !

  1. Ludgero Reis

Valeu pacero Provetti, amei ver minha viagem em destaque do site, vc é o cara hem !! Belo trabalho e que venha mais viagens pra enriquecer esta página .
Abraços do Jlud.

Não existem comentários postados aqui ainda.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização