Um velhote de moto pela Europa

Permaneci um dia em Roma para conhecer um pouco mais a cidade. Aproveitando que era domingo, sem o trânsito louco das scooters e dos motoristas italianos, levei a Brigitte comigo. Acabei vendo e Papa e recebendo a bênção por acaso.

Este foi o roteiro mais fácil de montar: qualquer estrada servia desde que passasse por Maranello. Como? O cavalheiro, ou a madame, não sabe o que tem de especial Maranello ? Sem exagerar nem um pouquinho, eu poderia dizer que em Maranello está o coração da Itália. Naquela pequena cidade se concentra a energia que é capaz de transformar um bloco de ferro no objeto mais desejado por 8 entre 10 pessoas sensatas. Sim, oito porque as outras duas já as compraram. Só para pronunciar o nome seria justo pagar uma taxa. FERRARI.......que som lindo.

Saí de Modena com o GPS “setado” para Rovigo, afinal era a terra de minha avó e pelo menos uma foto ao lado da placa da cidade eu tinha que tirar. Porém foi mais do que isso. Fiz as fotos, colei um adesivo do “Gato Cansado” na placa, tomei uma generosa dose de “Limoncello” (foi o que deu para arrumar, né).

Saí de Veneza em direção aos Alpes italianos. Cortina d’Ampezzo era um destino natural, além de muito próximo. Tão próximo que nem deu tempo de parar e fazer fotos, principalmente porque começou uma chuva fina que, além de não lavar a estrada, atrapalhava um bocado a visibilidade do para-brisas. Muito cuidado com as margens da estrada com restos de folhas e grama recém-cortada para não “comprar um lote” longe de casa.

Como dizia Nelson Rodrigues, na vida você tem que ter sorte até para chupar um Chica-Bon. O dono do hotel em Cortina é ciclista semi-profissional e me deu dicas preciosas sobre a região. Avisou-me que hoje (dia 5) vai acontecer uma competição onde se espera 10.000 (Dez mil!) ciclistas. Por isso, os melhores passos ficarão fechados para a competição.

Texto longo escrito dia 17 de julho, referente acontecimentos a partir de 5 de julho.

Meus amigos e seguidores, durante algum tempo, exatamente desde o dia 5 de julho, omiti alguns acontecimentos por motivos, na minha opinião, mais do que justificáveis. Neste dia sofri um acidente, uma daquelas coisas que você não encontra explicação e ao mesmo tempo encontra centenas de justificativas tão a gosto dos motociclistas. Prefiro assumir que, como sempre, a responsabilidade é de quem está conduzindo a moto. Estava no lugar errado, na hora errada e com a atenção desviada do foco principal. O fato é que um toque lateral com um automóvel é o suficiente para “comprarmos um lote”, como se diz na gíria de motoqueiros.

Saí de Bad Ragaz por volta das 10 da manhã. A idéia era atravessar a Suíça e entrar na França pela Basileia (Basel para os mais viajados, o que não é o meu caso). O GPS foi me presenteando com estradas espetaculares. Uma pena eu não poder parar a todo momento para fazer as fotos de praxe (o tornozelo incomoda um pouco). De qualquer forma, alguma coisa eu consegui, até mesmo a enfermeira sueca se exercitando.

Eu iria ficar mais uns três ou quatro dias em Mulhouse dando um descanso ao meu tornozelo e curtindo um pouco a cidade. Acontece que se mal consegui dormir na primeira noite por causa do calor, na segunda, além do calor, tinha um desgraçado tocando saxofone numa tal de Jam-Session no prédio em frente ao meu. Não existe melodia, não existe nada, o cara fica fazendo variações de escala que enchem o saco de qualquer pessoa minimamente lúcida. Que saudades de uma 12 “pump”!

Reservei um hotel em Saint-Ouen-l’Aumône, a 40 km do centro de Paris, porém a 1 km da Yamaha Motor France. Afinal tinha de pensar na minha caminhada de volta depois de entregar a moto, hehehe. A viagem até Paris foi excelente. Havia uma ameaça de chuva, mas percebi que elas ocorrem sempre a partir das 13 horas, por isso saímos cedo e fomos desfrutando os últimos quilômetros de nossa parceria.

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.