Um velhote de moto pela Europa

A previsão para o dia era de chuva à tarde, isso me obrigou a acordar cedo para fazer o circuito que contorna o Grande Canyon Du Verdon. São 115 km indo pelo lado direito do canyon, atravessando a ponte no Lac de Sainte-Croix e voltando pelo lado esquerdo, atravessando o Les Tunnel Du Fayet.

Acordei com um dia maravilhoso. A previsão do tempo estava se cumprindo. Arrumei a tralha toda na Brigitte e sai cedo (ainda não eram 8 horas) para tentar vencer dois desafios. O primeiro a “Route de Gentelly”, um percurso pela D2 que começa em Vence e termina na belíssima Gréolières. O segundo o “Col de Turini” com seus inúmeros “lacet” lembrando a nossa Serra do Rio do Rastro.

Dia complicadíssimo. Começou bem quando fui lá buscar a faixa do Col de Turini. Com direito a adesivo do Gato Cansado na vidraça do restaurante. Mas descobri que avancei demais ontem, por causa da chuva. Estava difícil visualizar as placas.

Quando clareou o dia, olhei pela janela e o Mont-Blanc, no quintal do chalet para mochileiros onde fiquei hospedado, contrastava com o céu azul sem uma nuvem sequer. Vou levantar e fazer uma foto padrão Mestre Adriano Machado, pensei. Mas, amador é amador, fui tomar banho antes e com isso as condições climáticas mudaram radicalmente. Isso aqui é muito comum. De qualquer forma, fiz algumas fotos para não perder o hábito.

Gênova, como cidade, foi uma decepção. Suja, com prédios em péssimo estado de conservação, quarteirões inteiros com obras paralisadas, muita gente trabalhando de flanelinha, camelôs ou simplesmente mendigando. E nota-se, nos italianos residentes, uma aversão crescente à imigração sem controle. Ainda tentei conhecer o Porto Antico, mas sinceramente, desanimei. A sensação de insegurança é grande. Apesar do estacionamento para motos ser gratuito, você é abordado por grupos de “guardadores” que tentam insistentemente lhe vender bugingangas.

Sai de Pisa com o objetivo de cumprir um compromisso que assumi comigo mesmo: visitar o antigo cemitério de Pistóia, hoje chamado de Monumento Votivo Militar Brasileiro, já que os restos mortais de nossos ex-combatentes repousam no Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial no aterro do Flamengo. Afinal, foi a única exigência do Brasil quando os vencedores faziam a divisão do "butim" : um pedaço de terra para enterrar seus mortos.

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.