Entrar

Efeitos das grandes altitudes

  • Categoria: Dicas
Recomendações para viajar de moto na altitude

Quem viaja de moto para países sul americanos e precisa atravessar a Cordilheira dos Andes, deve estar ciente de um problema pelo qual todos passam, o mal da altitude. O mal da altitude nada mais é que a dificuldade do organismo em absorver oxigênio para suprir as necessidades a que estamos impondo, o que acaba por causar uma série de efeitos. Em alguns casos, perigosos. Afinal, a altitude é um perigo?

1. Qual é a diferença entre as condições encontradas nessas cidades?

Quanto maior é a altitude, menor é a pressão atmosférica e mais rarefeito é o ar que respiramos. Também há uma redução na temperatura, que cai em média 6,5 graus a cada 1.000 metros de altura. Por fim, há um aumento na intensidade dos raios solares (que, aliás, podem provocar graves queimaduras). Com o ar rarefeito, somado ao incômodo provocado pelas condições climáticas mais duras, o funcionamento do organismo muda, e podem ocorrer efeitos desconfortáveis.

2. O que acontece quando alguém sai do nível do mar e sobe demais?

Quem vive em cidades ao nível do mar ou em localidades relativamente baixas não está acostumado às condições atmosféricas das grandes altitudes – portanto, o organismo sente o impacto da mudança e precisa de tempo para se adaptar. O corpo responde da seguinte maneira: a freqüência respiratória aumenta, a freqüência cardíaca se acelera e a concentração de glóbulos vermelhos, que transportam o oxigênio para os músculos, aumenta no sangue. Nesse período de adaptação, os sintomas mais comuns são respiração curta, dores de cabeça, náusea, vômitos, tontura, insônia (em dois terços dos casos) e perda de apetite (em um terço das pessoas).

3. Todas as pessoas sentem os sintomas negativos da altitude maior?

Não. É impossível prever se alguém sofrerá com os sintomas ou terá uma adaptação tranquila. Calcula-se que os sintomas negativos sejam sentidos por cerca de 15% das pessoas a 2.000 metros de altura. O índice sobe para 60% quando se chega a 4.000 metros. A mais de 5.000, todas as pessoas sentem algum tipo de efeito negativo. Qualquer pessoa está sujeita ao problema – fatores como idade ou sexo não são determinantes. A característica que mais pesa na definição de quem sofre ou não com os efeitos da altitude é a condição física. Geralmente, quem está bem condicionado lida melhor com a situação. O bom preparo e o fôlego em dia, porém, não garantem totalmente que uma pessoa ficará livre dos sintomas.

4. O que é possível fazer para amenizar (ou eliminar) esses sintomas?

O melhor é subir aos poucos, ou seja, viajar a alturas sucessivamente maiores e dar tempo suficiente para a adaptação. Quanto mais rápida é a chegada e mais alto é o destino, piores são os sintomas. Assim, uma pessoa que vive ao nível do mar e resolve visitar La Paz, a mais de 3.600 metros, pode evitar problemas gastando alguns dias numa altura intermediária, a pouco mais de 2.000 metros. Quem não tem tempo para fazer a adaptação deve tentar chegar ao destino com uma boa condição física – recomenda-se caminhar ou correr nas semanas que antecedem a viagem.

5. Que tipo de substância é possível ingerir para evitar os problemas?

Alguns médicos prescrevem medicamentos para combater os efeitos da altitude. O Diamox (acetazolamida), que ajuda a metabolizar mais oxigênio, é um deles – o consumo deve começar 24 horas antes da chegada ao destino, duas ou três vezes ao dia. Outras opções são a dexametasona, um esteróide, e o gingko biloba, um fitoterápico. O uso dos remédios, contudo, é polêmica. Muitos médicos não gostam de receitar essas substâncias contra a altitude. Soluções mais seguras são a aspirina, a cafeína e, nos países andinos, o chá de coca – todos são capazes de amenizar os efeitos da altitude.

6. Quais são as cidades onde os sintomas podem ser mais sentidos?

Todas as que são localizadas em grandes cadeias de montanhas ou em altiplanos. Há localidades muito altas na Europa, América do Norte e Ásia, em especial Nepal e Tibete. No continente sul-americano, as mais altas cidades estão na Bolívia, no Peru, no Equador e na Colômbia. O país de Evo Morales tem, além de La Paz, as cidades de Oruro, El Alto e Potosí – essa última é conhecida como a cidade mais alta do planeta, a mais de 4.100 metros. A peruana Cusco (3.400 metros), a equatoriana Quito (2.800 metros) e a colombiana Bogotá (2.650 metros) são outras cidades muito altas nos países vizinhos.

7. Existe risco de vida para uma pessoa que viaja às altitudes maiores?

Sim. Nos casos de sintomas mais graves, pode surgir até um edema pulmonar (fluidos nos pulmões) ou edema cerebral (inchaço do cérebro). Se o visitante de uma cidade muito alta não cometeu excessos (na alimentação, no consumo de bebidas alcoólicas e no excesso de atividade física) mas ainda assim sofreu sintomas fortes demais, recomenda-se procurar um médico. Os sintomas devem ser levados a sério: se não desaparecerem com o tempo, precisam ser examinados.

8. Quem mora na altitude elevada pode passar mal ao descer ao mar?

Algumas pessoas nessa situação reclamam de algum desconforto, de perda de apetite e de dores de cabeça por causa da diferença nas condições climáticas. No geral, porém, os moradores de cidades muito altas não enfrentam dificuldades na descida. No caso dos atletas, isso é até usado em favor de um melhor desempenho. Quem treina na altitude rende mais ao nível do mar. Como o ar rarefeito ensina o organismo a absorver e a processar melhor o oxigênio, o rendimento melhora.

Fonte: Veja.com

Comentários (6)

  1. Ricardo Vasconcelos

Diminuição de 6,5 graus a cada 1000 metros de altitude, bom, então na Bolívia, onde subimos a mais de 4000 metros de altitude, teríamos 26 graus a menos! Mas, a realidade não é essa... texto bobo, nem parece que é feito para motociclista. Antes de copiar e colar, leia para ver se faz sentido!

  1. Rômulo Provetti    Ricardo Vasconcelos

Prezado Ricardo, uma pena não ter gostado, mas o texto está correto e foi elaborado com o intuito de ajudar motociclistas na preparação de suas viagens para lugares de altitude e não foi um copiar / colar.

Estive várias vezes na Cordilheira dos Andes com minha moto e em vários momentos sofri os...

Prezado Ricardo, uma pena não ter gostado, mas o texto está correto e foi elaborado com o intuito de ajudar motociclistas na preparação de suas viagens para lugares de altitude e não foi um copiar / colar.

Estive várias vezes na Cordilheira dos Andes com minha moto e em vários momentos sofri os efeitos da altitude. Peguei neve e muito frio na Cordilheira, durante o verão, na mesma latitude de São Paulo ou Minas Gerais porque estava em altitudes próximas a 5.000 metros.

Isto ocorre porque um grande percentual do calor emitido pelo Sol é absorvido pela parte sólida da Terra antes de ser repassado para a atmosfera. Como o ar é um mau condutor de calor, a temperatura vai caindo conforme nos afastamos do nível do mar.

Em termos técnicos, a explicação é a seguinte: "a altitude e a temperatura do local em que ela é medida normalmente são grandezas inversamente proporcionais, pois quando a altitude aumenta em 150m a temperatura ambiente diminui aproximadamente 1 grau Celsius. Por conta disto, via de regra a temperatura ambiente diminui aproximadamente 6,5 °C/km, à medida que a altitude aumenta. A este valor de 5 °C/km - que nada mais é que uma taxa de variação de 6,5 °C para cada 1000 m de distância vertical percorrida - dá-se o nome gradiente térmico.

Pesquise na internet sobre "Gradiente Térmico" que você encontrará mais informações a respeito.

Se tiver mais alguma dúvida sobre o artigo, estamos à sua disposição para tentar te esclarecer.

Ler Mais
  1. Andressa Gasparelli

Tenham sempre BACTRIM F na bagagem. Eu fiz um edema depois de tanto subir e baixar entre a Venezuela e Ecuador por 9 meses, em Medellín e o BACTRIM foi que me salvou. Cheguei a um ponto que dava 4 passos e parecia que havia corrido uma maratona. Não desejo a ninguém um edema. Não senti nenhum...

Tenham sempre BACTRIM F na bagagem. Eu fiz um edema depois de tanto subir e baixar entre a Venezuela e Ecuador por 9 meses, em Medellín e o BACTRIM foi que me salvou. Cheguei a um ponto que dava 4 passos e parecia que havia corrido uma maratona. Não desejo a ninguém um edema. Não senti nenhum sintoma, quando percebi já estava com liquido nos pulmões. Vale a pena ficar esperto!

Ler Mais
  1. Fernando

Vou ser sincero, rodei diversos dias na casa dos 5000m de altitude, onde ate descer da moto cansava e o que fez toda a diferenca pra mim foi o fator HIDRATACAO.

Beber bastante liquido fez com que eu nao me sentisse mal em momento algum, atravssando Peru e Bolivia principalmente eu subia de...

Vou ser sincero, rodei diversos dias na casa dos 5000m de altitude, onde ate descer da moto cansava e o que fez toda a diferenca pra mim foi o fator HIDRATACAO.

Beber bastante liquido fez com que eu nao me sentisse mal em momento algum, atravssando Peru e Bolivia principalmente eu subia de 1500/2000 até 4, 5mil m e só notava quando descia da moto, mas ja vi conhecidos falarem que se sentiam mal na moto, sentiam enjoos e dor de cabeça, enfim, pra mim a questao é liquido :-)

Ler Mais
  1. João Cruz

Realmente! Trata-se de informação importante, necessária e útil para quem viaja a altitudes elevadas e desconhece possível problema à sua vida.

  1. Adriano Figueiredo

Esta informação é de suma importancia,temos que levar a sério e tomar todos os cuidados...
Valeu pela informação

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

Conteúdo relacionado - Dicas para viagens de moto