• Dicas
  • Publicado em

Ao viajar de moto em grupo, fique atento aos sinais

Viajar de moto é uma das atividades mais divertidas e instigantes para se fazer. O vento no rosto e a sensação de liberdade são um verdadeiro prêmio para os pilotos. E assim como em qualquer viagem, ter companhia para compartilhar a experiência é muito melhor. Sem dúvida diminuiu os riscos, sobretudo em caso de problemas nos veículos. Mas para isso, é fundamental que o grupo esteja organizado e que cada um faça sua parte, lembra o motociclista Humberto Lague:

Aventureiro com mais de 40 anos de experiência, Humberto já percorreu mais de 1 milhão de quilômetros em vários tipos de estrada, Sobre duas rodas, desbravar a estrada em grupo aumenta não só a diversão, mas também a segurança inclusive fora do Brasil. Ele é organizador do Abraçando o Rio Grande, evento que, todos os anos, no 20 de Setembro, reúne centenas de motos em uma viagem pelo Estado. Na largada, Humberto sempre passa informações básicas para quem não está acostumado a viajar.

Em primeiro lugar, precisa saber que é um passeio, não corrida. Cada piloto deve preservar sua posição na pista, sem ficar ultrapassando - alerta.

Melhor formação: filas intercaladas

A disposição das motocicletas na estrada é um dos fatores que mais faz diferença para a segurança do grupo. Na formação clássica, o líder segue pelo lado esquerdo da faixa. O piloto seguinte, guarda distância de pelo menos uma moto e roda pela direita. O terceiro, anda na linha do ponteiro e, assim, até o final do comboio.

Se todos estiverem em uma fila só, a visibilidade fica prejudicada. Em diagonal, todo mundo consegue se ver - explica Humberto.

É possível combinar sinais

Manter uma distância segura do veículo da frente é obrigatório. Além disso, definir locais de parada diminui o risco de engavetamentos. Já vi muito acidente porque o pessoal da frente parou sem avisar. Acaba um por cima do outro, um verdadeiro strike - conta.

Para garantir uma velocidade constante ao grupo, o puxador da fila e o piloto que fecha o comboio devem ser os mais experientes, com melhor conhecimento do percurso. Turmas de amigos podem, ainda, combinar alguns códigos na estrada. Os sinais com a mão esquerda servem para avisar uns aos outros sobre as condições da pista e as ações do grupo, como reduzir, acelerar e parar - ensina.

Dicas

  • Nunca trafegue lado a lado com seus parceiros de viagem. Se alguém tiver de fazer uma manobra brusca para o lado, pode ocorrer uma colisão.
  • Dê preferência a rodar nos mesmos trilhos dos carros. Os automóveis acabam "limpando" a pista, e a chance de achar pregos e pedras é menor.
  • Caso aviste algum perigo na pista (animal passando, acidente etc.), levante o braço esquerdo com a mão. Fará com que quem venha atrás perceba que haverá uma redução de velocidade.
  • Se o piloto da frente apontar para o chão com a mão esquerda, é sinal de algum obstáculo, como um buraco, nessa faixa. Para o lado direito, a sinalização deve ser feita com o pé, para não retirar a mão do acelerador.
  • Com a mão acima da cabeça, apontando o dedo indicador para cima, o líder orienta a formação de fila indiana, necessária para algumas situações de estreitamento da pista ou para passar por um pedágio, por exemplo.
  • Rodando em turma, é melhor reduzir o ritmo da viagem. A chance de abalroamento é sempre maior, por isso, é fundamental manter uma velocidade constante.
  • Também é interessante que o grupo seja o mais homogêneo possível nos tipos de moto e na tocada dos pilotos. Quando existe muita disparidade, os motociclistas mais rápidos precisam ter paciência para andar no mesmo ritmo dos demais, para não obrigá-los a correr atrás.
  • Arrancadas e paradas devem ser realizadas de forma progressiva, para que os que seguem atrás tenham tempo de repetir a ação.
  • Procure sair pela manhã bem cedo, para viajar com tranquilidade e chegar ao destino até as 17h. Se a viagem for mais longa, rode até esse horário, pare para descansar e só retome o trajeto na manhã do dia seguinte. Evite ao máximo pegar a estrada à noite.
  • A frequência das paradas varia conforme o perfil do grupo, mas, em geral, a cada 200 km percorridos é uma boa medida. Com a essa distância, se evita o cansaço e a perda de tempo.
  • Quando parar, todos devem reabastecer as motos e ir ao banheiro, para não atrapalhar o ritmo do comboio.
  • O piloto que está à frente, normalmente, deve trafegar do lado esquerdo da pista de rodagem. Quem vem atrás, fica do lado direito, guardando uma distância de pelo menos uma moto. O terceiro motociclista fica na linha do primeiro, e assim, sucessivamente.
  • A formação intercalada facilita a visibilidade entre os motociclistas e ainda ajuda em situações de frenagens, pois aumenta a distância entre os pilotos na mesma faixa e dá o espaço necessário para uma parada segura.

Carlos Ismael Moreira
Fonte: Diário Gaúcho

Deixar seu comentário

Postar comentário sem fazer login

0 / 2000 Restrição de Caracter
Seu texto deve conter 5-2000 caracteres