Em todos os encontros entre motociclistas, sempre surge a pergunta sobre como iniciamos no mundo das duas rodas, como viramos motociclistas ou de onde vem essa paixão - sem explicação! - pelas motocicletas. Foi a primeira bicicleta que despertou essa paixão? Foram os heróis da infância e adolescência, com suas máquinas fantásticas ou os pilotos de corridas de moto com suas vibrantes e heróicas vitórias?

Não incluo aqui aquelas pessoas que, por necessidades pessoais, financeiras, de emprego ou até de economia de tempo, optam pelas motocicletas como meio de transporte e/ou trabalho, por que essas pessoas podem até gostar de motocicletas, mas quem eu quero descrever aqui - e me incluo - são as que respiram o motociclismo, aquelas que sentem prazer ao pilotar uma motocicleta.

Então, "nós nascemos motociclistas". Eu acredito e sempre respondo isso quando me perguntam. Não nascemos e nos transformamos em motociclistas, pois na verdade nascemos motociclistas. Sempre conto a minha história: Meu pai tem nove irmãos. Minha mãe é a caçula de 14 irmãos. Tenho dezenas de tios e tias e talvez uma centena de primos. Em toda a minha família, considerando até meus primos de 2º grau, não conheço ninguém que pilote uma motocicleta. Não tive nenhum incentivo, muito pelo contrário, todos da família torceram o nariz quando andei pela primeira vez em uma moto. Me lembro dos sermões: "é perigoso! Você vai se matar!". E coisas do gênero. Mas nada disso para quem "nasceu motociclista". A verdade é que, no nosso DNA, vem programado: "esse será motociclista!". E ai, não tem jeito.

É claro que não podemos esquecer dos riscos de pilotar e de ser um motociclista. Conheço bem o assunto, já sofri das pequenas quedas aos acidentes sérios e já perdi amigos, mas isso será assunto a ser aprofundado em outro momento.

Minha história no mundo das duas rodas se confunde com a de muitos que vivem o motociclismo. Comecei com aquela paixão pelas bikes, as competições de bicicletas, as coleções de revistas de motos, a vibração quando eram noticiados lançamentos de grandes motos no Brasil, a primeira moto, a primeira viagem com apenas 16 anos - sim, tinha moto, mas não habilitação -, as trilhas, o sonho de virar um piloto de MotoGP para vencer aquela corrida, os rolés, os amigos da estrada, os moto grupos e moto clubes, as viagens internacionais de moto e a atmosfera do motociclismo que passa a ser parte do nosso cotidiano, da nossa vida.

Diferentemente de outros tipos de paixão, que dizem ter prazo para acabar, a paixão pelo motociclismo e pelas motocicletas não tem fim. Vemos por ai motociclistas idosos com 70, 80 e até mais de 90, passeando e até realizando grandes viagens. Nosso querido motociclista Tio Bel tem 97 anos e pilota uma Suzuki Hayabusa. E essa é a meta do motociclista, continuar rodando com sua máquina até onde o corpo e Deus permitirem.

Sigo então com minha paixão pelo motociclismo, sempre procurando curtir a motocicleta, os amigos, a estrada e a vida.

Se você se identificou com esse pequeno texto, tenha certeza, seu DNA é de motociclista.

Fonte: Eu Nasci Motociclista

Comentários (2)

This comment was minimized by the moderator on the site

Adorei seu texto!

This comment was minimized by the moderator on the site

Obrigado Suellin... vc deve ter nascido motociclista tbm rs.. abraços.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.