Ladies on the road

Paula Pellegatti tem mais de 170 mil km rodados em motos de diversas cilindradas, nenhum tombo, pino ou acidente - graças a Deus - e 20 anos de habilitação. Filha de motociclista, é daquelas que sobe na moto de salto e roupa social, que todos conhecem por chegar de capacete e mochila e retocar o rímel no retrovisor enquanto o sinal está vermelho.

Primeira viagem na HD

Inverno de 2015 no Sudeste do Brasil. Inverno?? Aproveitei um feriado local em São Paulo, clima quente e seco de "veranico" e o marido trabalhando em home office e aceitei o convite de uns amigos para ir até a praia e voltar no mesmo dia. Bate e volta clássico dos paulistanos, o litoral sul, mas com um plus – fui até a Riviera de São Lourenço, a exatos 124 km, incluindo duas serras.

W.O. contra acidentes

Dados alarmantes da Organização Mundial de Saúde, a OMS, afirmam que em 70% dos acidentes, a culpa é do motociclista. Mas existem pessoas que andam de moto e mostram suas cicatrizes de acidentes como medalhas de batalhas vencidas. Acho válido pelo lado da superação pessoal, mas que tal evitar pinos, pontos, dor física e psicológica, adotando algumas ações simples na condução da sua moto?

Quatro coisas que te dizem quando você vai viajar de moto

Viagem marcada, destino, data, tudo acertado. Daí aparece alguém com uma daquelas frases-chavão, velhas conhecidas de quem anda de moto. Quem nunca ouviu uma dessas abaixo?

Pilotas urbanas e suas scooters

Venho aqui parabenizar e defender o estilo de dirigir da mais nova classe de corajosas motociclistas que floreiam as ruas da cidade que eu moro: as felizes usuárias de scooters na capital do Estado de São Paulo. São muitas que encontro diariamente no meu caminho, sempre charmosas. E o charme começa na posição de pilotagem, que dá a impressão de estarem sentadas em frente à mesinha da manicure fazendo as unhas, passando pela maneira cuidadosa de se portar ao guidão e o charme de suas bolsas a tiracolo.

Uma viagem de moto pela ótica feminina

Seja qual for seu destino, distância a percorrer ou tipo de motocicleta que você tem, fazer uma viagem de moto requer cuidados simples e básicos, e que passam longe do estereótipo da mulher motociclista que a mídia vende, onde o corpo à mostra é a segunda maior atração - depois da moto, claro. Aquela figura da mulher em uma moto numa estrada gringa, de short jeans rasgado, botas, cabelos ao vento e capacete aberto, é um típico caso de fetiche que só funciona bem na parede da borracharia.

Paixões movem o mundo

Paixões movem o mundo. E a minha me move, literalmente. Sou uma apaixonada por motocicletas. Conta a minha mãe, que eu, ainda de fraldas, esperava meu pai chegar com sua Honda 750 four, muitas vezes tarde da noite, para dar uma voltinha no quarteirão, sentada no tanque, e voltava dormindo - e meu pai trocando a marcha no tempo do motor e me segurando com a mão esquerda.

Conteúdo relacionado - Artigos