Entrar

Planejamento nas viagens de moto

  • Categoria: Gugu

Esse breve e despretensioso manual vai tentar ajudar os motociclistas iniciantes em suas viagens de moto, seja você um "viajante solitário", mesmo que com sua garupa, seja em grupos de amigos ou com motociclistas de seu moto clube.

Planejamento da viagem:

É muito importante um bom planejamento da viagem enquanto ainda estamos em nossa cidade, em nossa casa, com telefone a mão, na frente do computador, sem chuva. Com os recursos atuais, GPS, MapSource, GoogleMaps, sites de viagens, hotéis, previsão do tempo, ficou muito mais fácil planejar uma viagem prazerosa e segura, sempre em conjunto com os parceiros, de forma que o roteiro, datas, etc. sejam decididos com antecedência e de comum acordo.

Um líder deve ser escolhido baseado em diversos detalhes, tais como experiência com motos, com viagens em grupos, conhecimento das estradas do roteiro estabelecido, potência da motocicleta, espírito de liderança, entre outros.

Cumprir horários é respeitar seu companheiro de viagem e ser respeitado.

Bagagem:

Quando viajamos de moto, uma bagagem mal planejada pode prejudicar o rendimento da viagem gerando desconforto. Lembre-se que todo o dia no final da viagem, já cansado, você terá que retirar a bagagem da moto e carregar até um quarto de hotel, e no dia seguinte levá-la até a moto e fixá-la novamente no lugar. Pode parecer fácil, mas depois de 5 ou 10 dias de viagem vira um "saco".

Itens indispensáveis:

  • Dinheiro em espécie: abastecer, comer, dormir. Se for para o MERCOSUL, importante fazer a conversão Real por Peso Argentino, Uruguaio, Chileno ou Guarani. Nunca viaje para fora do Brasil sem portar pelo menos R$ 100,00 em moeda do país visitado.
  • Cartão de crédito: usa-se muito para abastecer, em hotéis e restaurantes.
  • Peças de reposição mais sujeitas à quebra: vela de ignição, lâmpadas sobressalentes, câmara de ar, uma emenda de corrente, reparador instantâneo de pneu sem câmaras, spray para enchimento emergencial de pneus com câmara, ferramentas e cabos de aceleração e embreagem. Em viagens longas sempre parta com um par de pneus novos, rodas balanceadas e pastilhas novas.
  • Capacete de qualidade: que deve ser leve e com uma excelente viseira são indispensáveis, assim como uma viseira extra e um par de óculos escuros confortável.
  • Celular só dentro do Brasil - não pega nos outros países sem contrato especial.
  • Cartão e telefone da sua seguradora.
  • Cartão ou adesivo de seu moto-clube: se for o caso. No Brasil e também fora, é muito comum a troca de adesivos entre motociclistas que se conhecem na estrada, é uma forma simples de ter contatos e até de fazer novas amizades.
  • Roupas apropriadas de moto-viagem: algumas camisetas de preferência de cores escuras, que podem ser lavadas em hotéis ou lavanderias nas cidades onde ficarem mais de um dia. Cuecas serão lavadas no banho à noite. Um moletom sempre cai bem. Não leve muita roupa, você sempre vai se arrepender.
  • Máquina fotográfica: para registrar as belas paisagens e os bons momentos – fotografe sempre as placas com nomes das cidades é bem interessante como recordação. Se tiver bateria e cartão de reserva é bom levar. Nunca esquecer o carregador de bateria e os cabos de interligação.
  • Abastecimento: as paradas deverão ser em média a cada 200/250 km, aproveitando para dar uma boa olhada na moto e na bagagem. Importante verificar sempre o nível do óleo do motor – sempre. Recomendo caminhar pelo menos uns 100/200 metros e fazer alguns exercícios de alongamento, beber água e usar o WC. Uma vez a cada dois ou três dias calibrar os pneus e lubrificar a corrente pelo menos a cada 500 km.
  • Água: ter sempre a mão uma garrafa de água presa sobre a bagagem ou no baú.
  • Ferramentas & outros: o jogo de ferramentas da moto e um bom alicate extra, mapas, uma pequena lanterna, mangueira média de uns 2 m, um pano limpo, aranhas, remédios básicos, bloco de anotações, caneta, uma pequena calculadora, uma trava corrente ou cadeado, tirantes, lubrificante spray para corrente eu não recomendo, prefira sempre óleo mineral 90 [recomendado pelas montadoras e é o mesmo usado no câmbio dos automóveis], fita adesiva SilverTape e isolante, canivete ou faca de serra, luvas látex, protetor labial e solar. Bandeira brasileira se for sair do país.

Polícia Rodoviária:

No Brasil ou no exterior, seja simpático e afável, cumprimente o policial, responda somente o que for perguntado. Externar nervosismo falta de paciência ou pressa pode gerar desconfiança e irritação no policial. Nunca reclamar, sempre manter uma relação calma, amigável. No exterior, se um dos integrantes não falar bem espanhol o companheiro deve procurar ajudar na conversação.

Ciclística:

  • Respeite o seu ritmo. Mesmo viajando com motociclistas mais experientes, respeite seu próprio ritmo, siga na velocidade em que se sentir mais seguro e faça paradas regularmente, sempre que estiver se sentindo cansado, mesmo que os outros motociclistas tenham um ritmo mais veloz. Nas curvas entre na SUA velocidade.
  • Na chuva, relaxe o corpo para sentir menos frio. Redobre a atenção e evite andar e frear por cima da faixa de marcação, pois a tinta tem uma película escorregadia, tirando a aderência do pneu.
  • Os motociclistas em grupo devem sempre ocupar uma pista inteira na rodovia, mantendo formação defasada como marcas de "passos na areia". É importante manter-se dentro do campo de visão do motociclista à sua frente verificando se ele pode vê-lo pelo retrovisor. A distância entre as motos deve aumentar conforme aumentar a velocidade. Farol baixo sempre ligado.
  • As ultrapassagens, sempre que possível, devem ser feitas de forma contínua, o líder deve esperar condições que permitam a ultrapassagem de todo o grupo. Uma ultrapassagem segura requer entrosamento entre o líder e o último motociclista. Após uma ultrapassagem todos devem retornar à posição original. No caso de trânsito muito intenso, as ultrapassagens devem ser feitas gradualmente e o líder deve esperar que o grupo se una novamente, antes de iniciar um novo processo de ultrapassagem.

Sinais mais utilizados:

  • Parada ou emergência à frente: Braço levantado e mão esquerda espalmada para cima.
  • Reduzir a velocidade, posto policial ou radar: Braço esquerdo aberto subindo e descendo "batendo asa".
  • Obstáculo à frente: uma lombada, trecho com asfalto ruim ou buraco: Apontar com a mão esquerda para baixo
  • Virar à esquerda: apontar com a mão para esquerda na altura do ombro, além do pisca-pisca, é lógico.
  • Virar à direita: apontar para a direita por cima da cabeça – além do pisca-pisca, é lógico.
  • Retornar adiante: Apontar com o dedo para cima fazendo círculos no ar.

Importante: todos os integrantes do grupo devem repetir os sinais, sempre com a mão esquerda, para os que vêm atrás.

Não relate o seu destino ou rota para desconhecidos, mostre sempre o roteiro diferente ou inverso.

Normas pré-estabelecidas:

  • Horário e local de saída: definidos nas reuniões de planejamento. Neste horário [sagrado] todos já devem estar prontos para partir. Nada de tomar café, fumar, telefonar, ir ao WC, ficar arrumando a bagagem na moto. Horário de saída É DE SAÍDA, arrumação é ANTES do horário de saída.
  • Estradas, cidades e pontos de interesse já foram estabelecidos e discutidos nas reuniões de planejamento, devendo ser cumpridos salvo de comum acordo entre a maioria. Sugestões devem ser sempre bem-vindas e avaliadas.
  • A velocidade de cruzeiro será de 100-120 km/h, sempre respeitando as condições da estrada e as condições climáticas. Estas velocidades são para uma viagem menos cansativa, ou seja, para uma maior resistência a longos percursos, e para maior capacidade de autonomia das motos. Esta rotina de velocidade visa aproveitar melhor a luz do dia para viagem, chegar ao destino programado o mais cedo possível, evitando pilotagem à noite e facilitar a escolha de hotéis e também para conhecer melhor as cidades e tomar uma cervejinha.
  • As paradas para abastecimento são calculadas entre cada 200/250 km, salvo imprevistos, e não devem exceder o tempo de 15 a 20 minutos. Abastecimento preferencialmente em postos grandes, próximos às cidades e com bandeira – evitar postos de "beira de estrada". Na parada para o "almoço", ou lanche, o tempo limite deve ser de no 40 minutos. Importante frisar que excesso de comida no estômago pode comprometer o reflexo do motociclista na estrada. Jamais ingerir bebida alcoólica durante o percurso – pode estragar o passeio de todo o grupo.
  • Decisões: deverão ser tomadas com calma e democracia, a experiência de cada um será levada em consideração: a maioria decide quando, aonde e como. A minoria deverá acatar as decisões de forma esportiva, e educada.

Nosso lema nas estradas sempre será: um por todos e todos por um.


Exigências e Documentos – fora do Brasil

Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile:

  • Carteira de Identidade - nesses países você pode entrar apenas com a Carteira de Identidade (RG), não sendo necessário o passaporte ou visto de entrada. IMPORTANTE: esses países não aceitam documentos funcionais como CREA, OAB, CRM no lugar da Identidade. Tem que ser a identidade original e de expedição recente.
  • Documento da moto – para circular nesses países é necessário que o veículo esteja no nome do condutor e livre de alienação. Caso o veículo esteja em nome de terceiros, ou alienado a um consórcio ou banco, é necessário ter em mãos um documento com firma reconhecida do proprietário ou do banco autorizando você a realizar esta viagem com o veículo para fora do País.
  • Carteira de Habilitação - dentro da validade do exame médico.
  • Seguro Internacional - MERCOSUL "Carta Verde" – é um seguro temporário para os dias que for ficar fora do Brasil. Ele cobre apenas despesas que você possa causar a terceiros num acidente. É obrigatório e é a maior razão de multas para os motociclistas. Algumas seguradoras fazem este tipo de seguro no Brasil, geralmente nas fronteiras brasileiras pode ser feito na hora, mediante pequena taxa.
  • Seguro obrigatório para o Chilenessa seguradora chilena vc consegue o seguro rapidamente via internet, pagando com cartão de crédito, você mesmo imprime numa folha verde, preferencialmente.* Para maiores informações, visite SOAPEX - seguro para transitar com sua moto no Chile
  • Seguro saúde – é sempre bom ter um seguro saúde complementar, a Porto Seguro tem um seguro saúde muito bom.

Tentar fazer essa viagem inesquecível em nossas vidas, com segurança e respeito, que sempre será lembrada com muita alegria e saudade.

Que Deus nos acompanhe nesta jornada.

Otavio Araujo – Gugu - 72 anos, motociclista há mais de 56, administrador, empresário em Taubaté/SP, roda de Honda Varadero XLV 1.000cc – e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Comentários (2)

  1. Rubens Camargo - Capitão

Olá, Meu Povo!
De parabéns o Gugu por tão importante conteúdo e contextualização com a proposta de auxilio ao motociclista viajante. Por certo, de aceitação nacional. Só elogios ao trabalho e empenho do Taubatense Gugu! E de parabéns voces pela publicação do texto! - Forte abraço e Boas festas...

Olá, Meu Povo!
De parabéns o Gugu por tão importante conteúdo e contextualização com a proposta de auxilio ao motociclista viajante. Por certo, de aceitação nacional. Só elogios ao trabalho e empenho do Taubatense Gugu! E de parabéns voces pela publicação do texto! - Forte abraço e Boas festas de fim de ano! Capitão - DEMOTO - Pato Branco-PR.

Ler Mais
  1. José Haroldo Quinole

Manual muito bem escrito pelo meu amigo Gugu, vale a pena ler e tirar ótimos aprendizados para os iniciantes em viagens com motocicletas, parabéns Gugu, vou copiar o texto para enviar por e-mail para meus amigos e também divulgar na minha página no facebook, abraços e boas estradas.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização