Entrar

Tempos de Gasolina

  • Categoria: Caetano De Genaro
Texto sobre motociclismo

Olá, você aí no futuro !

Vou contar-lhe deste meu tempo, movido a gasolina. Sim, combustível fóssil... dá pra imaginar ?

Calor, fumaça, barulho, trepidação, engasgos e oscilações... acho que isso descreveria minha moto, uma Harley-Davidson, mas seria incompleto.

Você nem imagina que ainda saímos por estradas desertas, sentindo vento no peito, sem que necessariamente ninguém saiba, nem nós mesmos, aonde e quando vamos chegar ou porquê.

Podemos ter e dar apelidos, podemos andar sós ou em bandos, parar em qualquer lugar e simplesmente olhar ao redor. Ainda sabemos o que queremos, sentimos e criamos nossa própria música, cozinhamos nossa comida e podemos dormir sob o céu.

Paramos num posto de abastecimento, enchemos o tanque, tomamos café e comemos a porcaria que quisermos. Qual problema ?

Nestas estradas nos sentimos livres, desconhecidos, desconectados do virtual. Nossas máquinas nos carregam enquanto nossas forças se esvaem e cedemos ao cansaço, às intempéries ou às necessidades elementares.

Levamos mapas, eu e minha mulher na garupa, corpos colados sob risco de morte e isso não nos amedronta, pois ainda nos cabe escolher, arriscar e pagar por isso.

Alguns de nós têm tatuagens, outros usam cabelos longos ou barba, brincos, ou adornos metálicos. Muitos vestem couro natural e vêm nele a melhor proteção na estrada.
Mas não há proteção !

Você aí no futuro está nos invejando e lamento dizer, tem razões pra isso. Já podemos sentir o aroma do seu tempo, controlado, insípido, previsível..

Acelerando nossas montarias de metal deixamos até o futuro pra trás.

Resta apenas agora, um horizonte real, vasto, infinito que nunca desistimos de alcançar.

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização