Entrar

5º dia - Spiti Valley

Nesse dia eu tinha planejado conhecer o Ki Monastery, o mais cênico monastério budista que existe, além de outras atrações da região do entorno da cidade de Kaza, como o Sakya Tangyoud Monastery, o povoado de Kibber e alguns stupas. Assim desci do quarto, encontrei com o Ankur e ele me disse que iria conhecer o Ki Monastery comigo e depois seguiria para Manali, iniciando sua viagem de volta para casa.

Ankur sugeriu que eu contratasse um guia para me levar aos lugares que planejei conhecer, pois as estradas da região poderiam me confundir e eu acabar não encontrando os lugares que queria. Um rapaz que trabalha no hotel indicou um colega que conhecia a região e poderia ser meu guia. Fechamos pelo equivalente a USD$ 8. Ele sugeriu que, além do Ki e do Tangyud Monastery, eu fosse à vila de Langza, onde encontra-se uma grande estátua do Buda. Disse que eu não encontraria em Kibber nada diferente do que eu veria nos outros lugares que iria visitar, com o que eu concordei.

Quando estávamos preparando para sair, Ankur descobriu que o eixo da suspensão traseira da sua moto tinha quebrado. Era uma barra de ferro de cerca de 30 centímetros., que ele tinha colocado uma peça reserva na minha bagagem e eu achando que era excesso de zelo por parte dele e nunca iria usar. Ele também levava uma peça extra. Mas mesmo depois de tentar por mais de uma hora, com muito esforço, suor e pancadas, ele não conseguiu mover a barra quebrada do lugar.

Então ele saiu à procura de uma oficina. Enquanto esperava, escutei uma música que vinha da escola ao lado e corri para a laje do hotel para ver do que se tratava. Me pareceu uma cerimônia cívica e religiosa com a participação de estudantes, a maioria meninas com traços mogóis, impecavelmente uniformizados, que cantavam hinos acompanhando dois tambores tocados por dois rapazes.

Viagem de moto pelo Himalaia - Spiti Valley

Demorou muito até que o Ankur retornou com a moto consertada. O nosso guia, Sonam, subiu na garupa da minha moto e seguimos para o Ki Monastery, distante cerca de 15 km de Kaza. A estrada estava boa, mas era estreita e tinha muitas curvas.

Assim que avistei o complexo em cima de uma montanha o reconheci por causa das fotos que tinha visto na internet. O lugar é impressionante. Passamos por uma pequena vila que fica aos pés do monte e seguimos até um grande pátio, onde deixamos as motos. Subimos rampas e muitas escadas para visitar várias salas na parte onde era permitida a visita de turistas. Um monge nos serviu chá sem gosto em uma sala escura muito rústica onde havia apenas um fogão à lenha e bancos cobertos com tapetes.

Assisti a um evento muito interessante em um pátio, onde havia vários monges em duplas conversando. Um falava de forma acalorada o que ele entendia sobre determinado assunto de sua religião enquanto o outro escutava. Quando terminava, ele batia as palmas das mãos, indicando que a palavra era passada para seu interlocutor.

Viagem de moto pelo Himalaia - Spiti Valley

Quando estávamos descendo, encontramos um grande número de crianças vestidas com as roupas vermelhas de monges. Elas começam cedo na doutrina.

Despedi do amigo Ankur e segui com meu guia para o a vila de Langza. Eram pouco de mais de 25 km em uma estrada difícil, estreita, de cascalho e muitas, muitas, muitas curvas para subir e descer montanhas margeando penhascos e percorrendo desfiladeiros. Ao chegar à vila não paramos, passamos por ela e fomos até o alto de uma montanha onde fica a estátua do buda. Muitas fotos da estátua e da vila, que foi construída sobre as rochas.

Depois seguimos para o Tangyud Monastery, distante cerca de 10 quilômetros.

O Tangyud é um monastério budista da linha sakya e é considerado o mais antigo do mundo. É uma construção retangular muito rústica de três andares, pintada na cor vermelha escura. Havia um grupo de mulheres do lado de fora, carregando sacos de terra que eram içadas para o teto do monastério por um monge. Tirei algumas fotos das mulheres e depois fui para a entrada do prédio. Tirei as botas e entrei em uma sala onde havia um grande leopardo do himalaia empalhado e pendurado no teto. Em uma sala contígua havia um monge tocando um tambor e recitando orações. Deixei uma oferta em dinheiro em uma caixa e fiquei assistindo à cerimônia. Depois de um tempo ele parou, foi até um fogão e nos serviu chá. Depois pegou dois fios de lâ vermelha e nos deu. Sonam disse que eu devia amarrar o cordão em volta do pescoço.

Depois fomos até a sala de oração que fica em um prédio aparentemente mais novo, onde um outro monge me autorizou tirar fotos. Tudo muito colorido e cheio de cédulas de dinheiro espalhado sobre os objetos.

Viagem de moto pelo Himalaia - Sipi Valley

Próximo ao Manastério está a vila de Komic onde havia uma placa indicando que aquela era a vila mais alta do mundo conectada por uma estrada. 4.587 metros acima do nível do mar.

Retornamos para a cidade por volta das 16h30. Passamos pelo povoado de Hikkim, onde fica o escritório do correio mais alto do mundo, mas não paramos por causa do frio. Quando saímos de Kaza eram 11 horas e estava fazendo calor. Mas na medida em que o tempo passou e subimos para altitudes mais elevadas, a temperatura foi caindo. Em alguns momentos ventava forte e, mesmo o Sonam que é acostumado com o frio, sofreu com a temperatura baixa. E eu saí do hotel com a jaqueta de verão.

Quando chegamos ao hotel, não tinha energia. Quando escureceu, subi para a laje para tirar fotos do céu. A cidade inteira esta às escuras, exceto os prédios que pareciam ser hotéis de melhor padrão. Pedi no hotel mesmo um prato de arroz com legumes. Não consegui tomar banho novamente.

Comentários (1)

  1. Paulo Cesar Lima Gomide

Romulo, sensacional a viagem. Parabéns!!!!!!!

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização