BH em Milwaukee

BH em Milwaukee

A viagem ainda não começou. Vamos daqui a dois meses, um grupo de Belo Horizonte, para comemorar in loco – melhor dizendo – onde tudo começou, os 110 anos de aniversário da Harley-Davidson. Mas os preparativos já estão adiantados, claro, pois não se faz uma excursão dessa sem planejar com antecedência, organizar o grupo, reservar os hotéis, acertar o aluguel das motos e até dos carros, já que boa parte dos trechos não será feita sobre duas rodas.

New York a Niagara Falls

Estados UnidosUm olhar feminino sobre a aventura de um grupo de 30 brasileiros nas comemorações dos 110 anos da Harley-Davidson nos Estados Unidos

A viagem começou em New York, uns chegaram antes e aproveitaram mais, mas a maioria teve apenas uma parte da quinta-feira e a sexta para respirar por lá. Mesmo com tão pouco tempo saímos aos grupos para o turismo e as compras obrigatórios dos novatos e veteranos em Manhattan.

Niagara Falls a Toledo

Estados UnidosO segundo dia de nossa viagem foi bem mais leve – 295 milhas, aproximadamente 475 km. Saímos às 8h35, bem conforme o combinado. Ninguém pergunta a crença de ninguém, mas nas viagens desse grupo, mesmo as bate-volta perto de BH, Ivan ou Laerte sempre puxam um Pai Nosso, e às vezes vem também uma Ave Maria. Todos rezam em voz alta, e o fato é que tudo se acalma, e esse momento de maior ou menor fé, de mãos dadas em uma grande roda, tem um efeito muito importante na concentração, na troca de energias positivas, no foco que todos devem ter na segurança e no cuidado ao pilotar.

Toledo a Milwaukee

Estados UnidosFinalmente, em Milwaukee

No terceiro trecho da viagem, para chegar a Chicago, percorremos apenas 246 milhas, ou aproximadamente 394 quilômetros. O dia começou com uma chuva boa – pra alegria da turma que, na véspera, comprou capas em Toledo – mas logo o céu clareou e o calor é que marcou esse pedaço de estrada. Fez muito, mas muito calor mesmo. Começamos a nos desembrulhar das capas, trocar os casacos de couro pelos mais leves e, depois da última parada, por volta das 13 horas, a maioria usava apenas blusas de malha.

Festa em Milwaukee, volta ao Brasil!

Estados UnidosParticipar de um evento da Harley Davidson é coisa para fanáticos. Há diversas comparações possíveis com o futebol para nós brasileiros, por exemplo – de todas as experiências que me ocorrem, nada parece mais próximo do que essas duas paixões. Há torcedores que fazem tatuagens com os escudos dos seus times para demonstrar amor eterno ao clube, mas é provável que não haja no mundo empresa ou marca comercial mais tatuada em braços, pernas e corações do que a Harley-Davidson. Para quem nunca esteve em um evento ou mesmo em um simples churrasco com a "turma da Harley", é imprescindível descrever o que acontece nessas ocasiões. Todas as pessoas – a maioria homens e mulheres acima dos 40 – estão sempre usando roupas com a marca HD: camisetas compradas em lojas pelas viagens mundo afora, bonés e outros adereços como cinturões e fivelas enormes, relógios, óculos, pulseiras, faixas e bandanas, mas também brincos e anéis delicados para as mulheres, com cristais e muito brilho. Embora mais discretos que os americanos, que se vestem e se comportam com o exagero que parece ser um verdadeiro estilo de vida, os brasileiros não fogem à quase regra: em eventos da Harley, roupa só da Harley!