Entrar

Indochina

  • Categoria: Ásia

Indochina 20

Era o crepúsculo, quando entramos Cao Bang, e o tráfego estava pegando. Digby, o nosso guia, nos orientou estacionar as Minsks em um edifício anódino, em uma esquina, na metade do caminho para a cidade. Um homem sorridente se aproximou carregando um pequeno compressor, um tubode spray e uma mangueira.

Era a versão norte Vietnamita de uma lavagem de carro e era um serviço bem vindo, de fato. Tinha chovido durante todo o dia e as estradas de terra que andamos nas terras altas, ao longo da fronteira com a China, se transformaram em córregos, ou melhor, rios-de lama. Não foram só as motos que ficaram cobertas com lama, mas todo o nosso equipamento e roupas também.

Nós sete precisavamos de banho, tanto quanto as motos. Antes de lavar as motocicletas, o proprietário amigavelmente nos pulverizou também. A água barrenta escorreu de nossas capas de chuva, calças e botas. Em todos os nossos anos juntos na estrada, nunca tinhamos ficado tão enlameados como estávamos nesta viagem.

A pré lavagem nos garantiu uma estadia naquela noite no hotel em Cao Bang. Esta cidade, de 45.500 habitantes, é a capital de uma província e a maior que visitamos durante nossa viagem de oito dias. Mas o relativo luxo do Giang Hotel, administrado pelo governo local, como são todos os hotéis que paramos no norte do Vietnã, não aceitava motociclistas ocidentais barrentos vagando pelo seu lobby. Também fomos orientados a não usar as toalhas de banho brancas para limpar as botas, porque a lavanderia do hotel não conseguiria limpa-las depois.

Tínhamos começado nossa aventura três dias antes, em Hanói. Lá, encontramos Digby e Thuan, nossos guias australiano e vietnamita, respectivamente, da Explore Indochina, uma empresa de Hanói que oferece passeios de aventura de moto no Laos, Camboja e Vietnã.

Nosso avião para Hanoi havia atrasado, de modo que chegamos mais tarde do que o esperado. O plano era pegar um trem noturno para Lao Cai, perto da fronteira chinesa. Os guias nos levaram até a estação de trem, a tempo de carregar as motos e ocupar duas cabines.

A melhor estratégia para passar a noite em um trem vietnamita é beber algumas cervejas e tomar um comprimido para dormir. Não sabendo disso, eu rolei na cama superior de um beliche por muito tempo antes de usar o banheiro no final do trem. Eu era a única mulher na viagem, e comecei a conhecer os toaletes do Vietnã muito bem.

Acredite ou não, esta foi a nossa lua de mel. Lynn e eu havíamos casado no verão anterior, mas não tinhamos ido a nenhum lugar relaxante ou exótico após o casamento. De alguma forma ele me convenceu que andar em Minsks russas que os franceses haviam chamado de Tonkinese, no Norte do Vietnã, seria a viagem de lua de mel tardia perfeita. Depois de ter feito viagens sujas em outros países, eu fiquei entusiasmada com a idéia. Foi só depois que voltei para os Estados Unidos, dolorida e cheia de marcas pelo corpo, que eu li no site da empresa as informações sobre a viagem. "Esta rota é muito remota, como uma pista negra, e as condições podem ser básicas", disse. "Grau de dificuldade: Difícil."

Então, não foi uma lua de mel típica. Mal sabia o que me esperava nessa viagem, com viseira e botas de lama. Se em janeiro, quando estávamos lá, é a estação seca, eu odiaria ver como são as estradas durante a estação chuvosa.

Todos os dias experimentamos novos desafios: novas texturas de lama, travessias de riachos profundos e taludes íngremes. Eu não era uma piloto de trilha antes de sair, mas tenho certeza que virei uma quando voltei. Mas enquanto no norte do Vietnã, em janeiro, foi frio e úmido, lamacento e primitivo, também era extraordinariamente de tirar o fôlego.

Indochina

Os chineses fizeram, por muito tempo, pinturas de montanhas de pedra calcária cônicas cobertas de musgo e decoradas com cascatas e riachos. Estas montanhas são chamadas de karst. Na parte norte do Vietnã, vimos o que se parece com isso. Viajamos de 100 a 150 quilômetros por dia ao longo de estradas de montanha que contornavam plantações e nos levavam através de aldeias rurais.

Nossas motos eram motocicletas Minsk russas com motores de 125cc alugadas. No Vietnã do Norte não são permitidas motos com motores maiores, e as Minsks são ideais para o terreno que encontramos. Elas são aparentemente indestrutível e capazes de passar por condições bastante difíceis. Não há duas iguais. Uma pode estar faltando a primeira marcha, outra pode não ter estofamento no assento e uma terceira pode não ter embreagem.

Ainda assim, fiquei tão impressionada com as Minsks como eu estava com o país. Elas sempre vencem os obstáculos, passam pelos lamaçais ou através de córregos profundos em baixa velocidade. O combustível é uma mistura de gasolina e óleo despejado diretamente no tanque por galões. Quando (se) deixamos cair as motos, Digby e Thuan trazem peças de reposição rapidamente para corrigir a alavanca da embreagem quebrada.

Para os trabalhos mais complicados, mecânicos locais são eficientes e baratos! Quando a transmissão da Minsk de Lynn teve de ser reparada, um mecânico em Cao Bang, fez todo o trabalho e só cobrou US$ 12.

Após a viagem de trem para Lao Cai, descarregamos as motos e começamos a andar, animados por iniciar nossa jornada. Nossa primeira parada foi no Red River, que separa Vietnã e China. Parecia surpreendente estar na fronteira da China e ver o intenso tráfego em uma grande ponte que separa os dois países.

Enquanto seguíamos para fora da cidade em direção ao planalto remoto, rapidamente tornou evidente para nós que a maioria das estradas do norte do Vietnã, nesta região, estão em construção. Quando da construção de estradas, operadores de equipamentos pesados ​​vietnamitas não fazem desvios para os veículos em torno da construção. Você passa através da construção com retroescavadeiras, carros, ônibus, motocicletas, motonetas e bicicletas transitando em qualquer direção e cada condutor escolhe a melhor forma de passar. Se uma ponte está sendo construída sobre um córrego, você tem que passar através do córrego. Além de me tornar uma piloto de trilha no norte do Vietnã, eu me tornei uma piloto de córregos também.

Viajamos para o nordeste em direção a Xin Man e logo vimos membros de algumas das muitas tribos das montanhas do Vietnã, tais como flores, verde, vermelho, preto e branco. Eles estão entre os 50 grupos minoritários no Vietnã que vivem como seus antepassados, evitando conflitos ou a política nacional. Eles vivem muito, sempre nas encostas, cultivando os seus terraços, pastoreando búfalos e outros animais, com roupas coloridas e vendendo os seus produtos nos mercados locais. Cada tribo tem um estilo distinto de roupas, feitas geralmente com cores vibrantes, rosas, verdes, amarelos e outras. Foi maravilhoso conhecê-los enquanto eles ainda não foram muito afetados pela cultura ocidental.

Xin Man e as outras cidades pequenas que ficamos - Ha Giang e Bao Lac, bem como Cao Bang - normalmente têm um relativamente novo "estilo ocidental", com um hotel gerido pelo Partido Comunista local. Isso significa que eles têm banheiro e canalização. A qualidade varia amplamente. Nós ficávamos agradecidos quando as camas tinham cobertores, os chuveiros água quente e as pias funcionavam. Eu ficava revigorada quando via vazilhas de água fervente e chá colocadas nos saguões, quando chegávamos.

Indochina

Pouco Inglês é falado nas terras altas do norte e, na hora das refeições, não saberia o que comer ou o que estávamos comendo se Digby e Thuan não falassem (e insistiram que nunca comemos cão, gato ou cobra durante a viagem). Muitas vezes, nossas refeições foram preparados sobre fogueiras em alojamentos humildes. Os pratos típicos incluem omelete, tofu com molho de tomate, rolinhos primavera, legumes refogados e carnes fritas. O costume vietnamita é servir arroz e sopa no fim de uma refeição, "para preencher os espaços", Thuan nos disse.

O café da manhã é geralmente a mesma sopa de macarrão chamado pho (traduz-se "festa"). Mas graças à herança da colonização e cozinha francesas. As baguettes francesas quentes e café forte na parte da manhã eram deliciosos. Para o almoço, os guias montavam piqueniques de carnes e queijos com alface e tomates frescos locais e baguetes. Nós não passamos fome!

Motociclistas ocidentais não são comuns nessa região pouco povoada. Éramos em maior número que os vietnamitas e nossas roupas e capacetes de motocicleta, provavelmente, nos faziam parecer como aliens. As mulheres ocidentais são considerados "moles" e por isso os moradores ficaram particularmente surpresos ao me ver.

Destaques da viagem foram as paradas nos mercados dos povoados, onde pudemos brincar e negociar com os moradores das tribos nos mercados das montanhas e atender crianças em aldeias ao longo do caminho. Apesar de dar presentes não ser incentivado, trouxemos quadros-negros e giz para as crianças. As crianças vietnamitas são informadas que elas seriam vendidas para os ocidentais se fossem ruins, então elas corriam para longe de nós quando parávamos perto de suas casas. Tinham menos medo de mim do que dos homens e, finalmente, a curiosidade os fazia se aproximar. Logo, eu tinha uma audiência de 20-30 crianças e moradores observando enquanto eu desenhava para mostrar-lhes como usar a lousa.

Indochina

Em uma aldeia, eu fiquei admirada com uma jovem da tribo que usava brincos de metal malhado. Com sorrisos e gestos, sua mãe perguntou se eu queria comprá-los. Eu disse que sim, e nós concordamos com um preço de 18.000 dong, a moeda do país. Os brincos eram meus por pouco mais de US $ 1.

Passamos pelo ziguezague das montanhas e, nos canyons, eram normalmente segunda marcha e, por vezes, terceira, que nos levavam pelas plantações. Nós percorremos terra, cascalho, pedra e estradas pavimentadas, prestando atenção à aproximação dos caminhões, que ocupavam a maior parte da estrada. Tínhamos precipícios aos nossos pés e, freqüentemente, alcançavamos altitudes de mais de 900 metros. Búfalos percorriam livremente as estradas, assim como porcos, cães e galinhas (não vimos os animais selvagens e pássaros, que foram caçados até quase extinção, exceto nos parques nacionais). Por orientação do Digby, pilotamos no estilo vietnamita, especialmente quando queriamos ultrapassar outro veículo. Se ele não se movesse para a direita, ficávamos buzinando até que ele saísse da frente.

Molhados e sujos quando chegamos em Cao Bang, levamos duas noites para secar. Por sugestão de Digby, visitamos um salão de lavagem de cabelo e tive o cabelo lavado por uma senhora com unhas longas. Confie em mim, é uma experiência incrivelmente sensual.

Indochina

Cao Bang é perto de onde Ho Chi Minh se escondeu dos franceses. Não muito longe do nosso hotel, paramos para ver a estátua de Ho, provavelmente a maior do mundo de alguém segurando um cigarro. Em um dia de descanso nós fomos a Pac Bo, onde, em 1941, Ho retornou da China, onde estava escondido, e viveu em uma caverna escrevendo panfletos revolucionários. A caverna contém cama e mesa de Ho e é um santuário nacional.

De Cao Bang, fomos para Ba Be Lake em Ba Be National Park, uma área de floresta tropical cercada por altas montanhas. Os barqueiros transportaram nossas motos em dois barcos e nós fomos em um terceiro. Em seguida, dirigimos ao longo dos lagos serenos e através de um túnel até uma alojamento cênico, onde uma queda de energia naquela noite nos fez comer e ir para nossos quartos à luz de velas. Se não estivéssemos tão cansados e sujos, até que poderia ter sido romântico. Até aquele momento, estávamos nos aproximando de Hanói e do fim da nossa viagem.

O dia seguinte começou no parque cénico e terminou no combate corpo a corpo em Hanói, onde o trânsito é uma loucura e compras são fabulosas. Você poderia pensar que eu nunca mais iria querer andar de moto no Vietnã, mas vamos voltar em breve, em uma outra aventura com Digby e Thuan.

View the embedded image gallery online at:
http://viagemdemoto.com/asia/2015-indochina#sigProIda7eded3967

Texto: Perri Capell 
Fotos: Explore Indochina
Fonte: Rider Magazine
Para mais informações sobre Explore Indochina, visite www.exploreindochina.com

Comentários (1)

  1. Guilherme Orlando

O relato da viagem me transportou para a aventura de vocês, fantástico, sou um motociclista novato e histórias como esta são uma alimento para o espírito. Parabéns!

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização