O plano para o dia previa percorrer cerca de 860 km entre Caracas, a capital da Venezuela, e a cidade de Cúcuta na Colômbia. Um grande desafio, ainda mais considerando as estradas que tinha percorrido nos últimos dias, que não permitiram a viagem render como gostaria.

Com esta meta na cabeça, saí do ótimo hotel onde estava hospedado na capital e fui para a estrada. Percorri as ruas do centro da cidade, ainda tranquila por causa do horário. O comércio ainda não tinha aberto. Poucas pessoas caminhavam nas calçadas. Numa larga avenida, o fluxo de carros era maior, mas não atrapalhou minha passagem.

Tinha incluído na rota do GPS um posto de gasolina que ele indicava que estava na rota ativa. Peguei a autopista e o aparelho indicou entrar em uma alça para o posto. Abasteci rapidamente e voltei para a estradinha. Mas não tinha retorno por perto, de forma que tive que percorrer uma longa distância até conseguir pegar um retorno que era até arriscado. A estrada corta uma favela da capital. A passagem pelo local foi tranquila, mas ao retornar havia um grande número de carros que andavam vagarosamente, de forma que tive que percorrer cerca de 3 km pelo corredor.

De volta à autopista, uma excelente estrada, que percebi foi muito bem construída, mas aparentemente há algum tempo não recebe manutenção e alguns buracos começam a aparecer. O fluxo de veículos era intenso, mas a velocidade era alta. Mantive os 130 km/h com segurança e ainda era ultrapassado constantemente pelos veículos mais novos. A região de Caracas é muito bonita, com montanhas cobertas de florestas.

Passei por Valência e Carabobo, onde a auto pista deu lugar a uma estrada de mão dupla. Deste ponto em diante ficou mais lenta a progressão. Pista simples, muitos caminhões e quebra molas, muitos. Na entrada e na saída de cada vila. E também os postos de controle da polícia, Guarda Nacional e Exército. Nenhum deles me parou neste dia, usei a técnica de olhar para o outro lado, ensinada pelo pastor que conheci quando entrei na Venezuela, Em Santa Helena.

Parei na sobra em uma dessas pequenas vilas que passei e logo depois parou um carro com uma família dentro perguntando se precisava de alguma coisa. Agradeci falando que parei para beber água e eles seguiram viagem. Pouco depois parou em belíssimo Mustang preto. O motorista, José Manoel, também perguntou se precisava de ajuda. Disse que era motociclista também. Perguntou para onde ia e disse que tinha um primo motociclista em Barinas, onde eu passaria, que poderia me ajudar com gasolina se precisasse. Por coincidência, conhece o Edgardo, motociclista venezuelano com quem troquei mensagens antes de iniciar a viagem. O José Manoel me passou seu cartão e disse que se precisasse de qualquer coisa era para ligar. Voltamos a nos encontrar em um posto de gasolina mais à frente, onde parei para abastecer.

A viagem continuou mais lenta que gostaria, mas pelos cálculos, conseguiria chegar a Cúcuta por volta das 17h. Só que não deu. Quando cheguei a Barinas, passei por 4 postos e nenhum tinha gasolina. Havia filas com carros, caminhonetes e caminhões esperando o líquido chegar, sem previsão. Tinha combustível no tanque que daria para rodar mais de 150 km, mas achei melhor não seguir, pois a notícia era de que até a fronteira a situação era pior. Continuei rodando procurando um posto até encontrar um onde havia uma grande fila. Entrei pela contra-mão na frente de um soldado da Guarda Nacional, mas ele não falou nada. Tinha uma fila de motocicletas e entrei nela. Abasteci, paguei o equivalente a R$ 0,30 pelos 7 litros que o frentista colocou no tanque e voltei para a estrada. Com a procura e espera na fila, perdi mais de uma hora. Não daria para chegar à fronteira de dia.

A cidade tem uma ótima estrutura, passei em frente a hotéis com ótima aparência, mas ainda era cedo para parar. Segui viagem.

Viagem de moto pela Venezuela

A gasolina que tinha no tanque dava para chegar à fronteira, mas fui observando os postos para ver se algum deles tinha gasolina. Se tivesse, pararia para ter maior segurança para viajar. Mas nenhum tinha. E passei por vários.

A estrada passou a acompanhar uma cadeia de montanhas. É um trecho da Cordilheira dos Andes que se divide e chega à Venezuela. As montanhas apareciam negras no horizonte e cobertas por nuvens espessas.

Na cidade de Socopo vi dois hotéis com excelente aparência, mas queria rodar um pouco mais, pelo menos até 17h. Estabeleci que a partir das 16h30 pararia no primeiro hotel de boa aparência que encontrasse à beira da estrada. Encontrei um na cidade de Santa Bárbara. Simples e com cheiro forte de cigarro no quarto, mas suficiente para uma noite. Apesar das dificuldades consegui percorrer 660 km neste dia.

Para jantar, caminhei à beira da estrada até uma venda, onde um casal fazia pratos prontos. Pedi um que eles chamaram de parrillada. Carne de boi assada na grelha, com alface picado, tomate, beringela à milanesa, queijo ralado e molho.

Comentários (3)

This comment was minimized by the moderator on the site

Grande ídolo do nosso motociclismo!
Continue nos presenteando com esses relatos de aventura fantásticos!
Pilote com Deus!

This comment was minimized by the moderator on the site

Tendo dificuldades para atualizar aqui, amigo?

This comment was minimized by the moderator on the site

Boa tarde meu amigo.
Hoje consegui ler suas postagens da viagem.
Passei esses dias numa correria muito grande...
Essa sua aventura está sendo a mais emocionante de todas que acompanhei.
Admiro muito sua coragem e persistência, mesmo diante de dificuldades enormes.
Continue em frente...
Agora estou contigo nessa aventura...
Muito sucesso....

PS: agora admito que a escolha da moto foi acertada...kkkkkk

Cendon
Teresina/PI

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização