Saí do hotel às 6h50, em direção a Belém, capital do Pará. A estrada estava em condições razoáveis, com alguns trechos precisando de manutenção, mas não atrapalhou o desenvolvimento da viagem. Fiz 607 km em 7 horas, sem ultrapassar os 130 km/h.

Pouco depois cheguei à divisa com o Pará. Parei para tirar um foto e quase instantaneamente um motociclista parou e perguntou: - "deu pänico?"

Nao entendi direito a pergunta com um "hâ?. Ele emendou: - "deu problema da moto, precisa de ajuda?"

Muitio bom viajar de moto por causa disto, você nunca fica na mão. Agradeci ao rapaz, que seguiu viagem, e eu saí logo após.

O primeiro abastecimento foi em Ulianópolis. Um lanche rápido na loja de conveniência, cuja melhor comodidade era o ar condicionado. Fazia muito calor na estrada, e isto desgastava muito.

A segunda parada foi em um posto de gasolina na cidade de Mãe do Rio, chamado Rei das Selvas. Assim que tirei o capacete falei para o frentista - "vim falar com o Tarzan. "Ele riu. Ficamos alguns minutos conversando. Outro frentista enbtrou na conversa e me explicaram o porquê do nome do posto: quando ele foi inaugurado, entre 50 e 60 anos atrás, era o único em centenas de quilômetros da Belém - Brasília, e no entorno só havia mata. Os caminhoneiros acabaram apelidando o lugar de Rei das Selvas, que acabou virando o nome do posto. Hoje é cercado por uma cidade e em muitos e muitos quilômetros não se vê mais nenhuma mata, somente pastagens e plantações.

Esta foi uma das surpresas que tive ao percorrer a estrada. Sabia que não encontraria grandes extensões de floresta, mas não tinha noção de que havia tão pouco.

A viagem rendeu muito, apesar da grande quantidade de caminhões que encontrei. Exemplo de opção equivocada que o país fez pelo transporte rodoviário. Passei por placas que indicavam a Ferrovia Norte-Sul. Só vi as placas.

Viagem de moto Brasil Para 03

Antes de chegar a Belém passei por uma cidade, acho que Santa Izabel, onde havia obras na estrada e cozinhei no sol por mais de 10 minutos. E a estrada estava horrível até chegar a Belém. O trânsito também, apesar de ser início da tarde.

Fui direto para a concessionária Honda para fazer a revisão dos 6 mil km da moto. Tinha observado que o desgaste do pneu traseiro estava mais acentuado que eu tinha previsto. Resolvi trocar por um novo, apesar de ainda dar para rodar cerca de 2 mil km. Provavelmente exigiria a troca em um lugar com poucos recursos, então pensei que seria melhor não arriscar. Pedi também para trocar o óleo do motor, apesar da troca estar prevista apenas para daqui a mais 6 mil km.

À noite saí para caminhar até a Estação das Docas, uma atração turtísctica da cidade, onde tomei chope a 3,99 e comi um pato ao tucupi que estava uma delícia.

Comentários (3)

This comment was minimized by the moderator on the site

Esse pneu original misto da nc roda pouco KM mesmo. Agora vai melhorar essa média, ainda mais com o modelo que vc colocou top de linha.

This comment was minimized by the moderator on the site

Pelo que vi o pneu atingiu a TWI. Imagino que nao tenha rodado nem 3 ou 4 mil kms com ele, certo? Desgaste rapido esse, nao?
Estou acostumado com HDs que vao bem alem disso.
Belo relato.

This comment was minimized by the moderator on the site

Também estou acostumado com pneus durarem 12 e 13 mil km. Esse duraria no máximo uns 6,5 a 7 mil.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Characters
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização