alt

América do Norte, Alberta, Canada

Taylor – Jasper (Parcial = 615 Km / Total = 27.025 Km)

Acordei melhor, com a alma menos cinzenta. Mas, era importante fugir logo dali. Entreguei a chave do quarto ao chinês risonho, nem abasteci a Electra e fui me libertar dos fantasmas que me assolavam a alma, na estrada.

Pilotar uma boa máquina em uma boa estrada, envolvida pela beleza da natureza – não há melhor remédio para afastar as assombrações. Além disso, me faz recordar os bons tempos em que voava na Academia da Força Aérea. Viajar de moto substituiu plenamente o prazer de voar, com a diferença que posso parar em qualquer lugar que me agrade.

alt
alt
alt

Segui acelerando e respirando ar puro; estava outra vez pronto para o bom combate de viver a estrada. Frio como sempre, mas havia sol.

Rodei 60 km e já vejo os campos cobertos de canola amarelada; cheguei a Dawson Creek. Então, fui cumprir, na volta, o ritual que todo motociclista realiza, na ida, quando vai se aventurar na Alaska Highway; a foto com a moto no seu Marco Zero. Ritual realizado, agora o destino é Jasper.

alt
alt
alt
alt
alt

Minha navegação é basicamente seguindo as placa com os nomes e distâncias das cidades. Raramente, pergunto as pessoas alguma coisa. E naturalmente, erro algumas vezes. Mas, sem nunca comprometer o dia de viagem. Tenho prazer em deduzir e acertar. Gosto de sentir meu cérebro totalmente aceso com o máximo de sinapses ligadas. Quando erro, o alerta vem pelo sexto sentido, a intuição, e a dúvida é imediata. Somente por esse motivo, não costumo utilizar o GPS, pois minha mente e todo o meu processo dedutivo e decisório entraria em acomodação. Acabaria a diversão e o prazer de navegar na estrada. Para sair da cidade, o rumo é o de Pouce Coupe. E até aqui, sem patrulhamento, sem policial. Como é remotíssimo o socorro, o instinto de sobrevivência é quem limita a velocidade.

Mais a frente, vem Grande Prairie. Prédio baixos e cheia de avenidas largas e bem sinalizadas, como é o padrão no Yukon e no Alaska. Após esta cidade, a 40 South segue pela floresta por 176 km sem qualquer tipo de apoio, incluindo gasolina. É só mata em ambos os lado.

alt
alt

Acelero mais para fugir das tempestades. A estrada começa a subir a montanha e chego a bela Grande Cache, que do alto tem uma visão magnífica dos cumes gelados. Abasteço a Harley e almoço uma barra de cereal com suco de maça. O estomago continua vazio. Mas, o peito está cheio da sensação de liberdade.

alt
alt
alt

Passam-se as horas e os quilômetros e chego a um grande lago cercado por montanhas belíssimas, que anunciam a chegada a Jasper. Um tumulto de carros mais a frente. Um acidente? Não. São apenas cervos com suas galhadas enormes pastando a beira da estrada.

alt
alt

Recomeça a chuva e fica mais frio. Entro na bela cidade cercada de montanhas com os cimos cobertos de gelo. Rodo devagar e nos hotéis o aviso No Vacancy. É uma cidade para pessoas abonadas. Procuro o Information Center. Os quartos disponíveis estão nos grandes hotéis com preços exorbitantes, oferecendo o que não preciso e muito além do meu orçamento. Quando vou perguntar a atendente se há um posto de gasolina 24h com loja de conveniência onde eu pudesse passar a noite, ela veio com um papelzinho na mão com o endereço, dizendo que conseguiu um Home Acomodation, que quer dizer um quarto na casa de alguém. Ufa! Mais uma vez me livro de ter que dormir ao relento e com tempo chuvoso. Estava escrito: Ms. Pina; 400 Patricia Street, $75.00 CD. Mas, sem Wi-Fi.

A senhora Pina me recebe muito bem e me mostra o ótimo quarto e o lugar coberto para estacionar minha Harley. Mas, o que me atormentava é que se não conseguir preços mais baratos, vou estourar o meu orçamento da viagem. Já reformulei o meu roteiro, salvo as exceções de Sturgis, Milwaukee e Chicago, com datas marcadas, sigo direto para o Brasil. Se eu pudesse, nem parava.

No meu novo quarto, fecho a porta: ilhado sem Internet, solidão, desânimo, não consigo escrever nada. Creio que as pessoas que conseguem viver só, têm mais liberdade. Talvez elas nem saibam que pagam um preço muito caro.


PHD Artur Albuquerque
Fonte: http://phdalaska.hwbrasil.comwww.phd-br.com.br

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Deixar seu comentário

  1. Postando comentários como visitante. Cadastrar ou login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Compartilhar sua localização

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.

Livros sobre viagens pela América do Sul e Himalaia