Viagem de Moto Viagem de Moto Inspirando viajantes

A marcha para o Oeste

Vicksburg (MI)

Marcha para o OesteA decisão de permanecer mais um dia em Vicksburg foi das mais acertadas. Trata-se de uma cidade com uma importância histórica muito grande, como veremos mais adiante, e que preserva com carinho uma arquitetura, a meu ver de leigo no assunto, com forte influencia européia. Para curti-la e admirá-la você precisa ir ao Historic Downtown, estacionar a moto e andar a pé.

Como eu precisava encontrar um café, pensei em juntar o útil ao agradável e lá fui eu para o centro histórico. Parei a moto e comecei a fazer fotos de construções antigas. Era uma atrás da outra, mas muito bem cuidadas e uma grande quantidade de igrejas.

Vicksburg (MI) - Baton Rouge (LA)

Marcha para o OesteSai de Vicksburg às 8 horas e, quando olhei o velocímetro duas horas depois, mal tinha alcançado as 60 milhas. Isto é menos da metade do que fiz no mesmo tempo anteontem. A culpa é da estrada, a tal da 61. Diferente das longas e monótonas Highways, ela é uma espécie de reedição da antiga 66, só que no sentido Norte - Sul. Além de acompanhar o traçado sinuoso do Mississipi, ora se aproximando, ora se afastando dele, ela atravessa pequenas cidades, transformando-se na avenida principal de muitas delas.

Assim foi com Port Gibson. Quando percebi, estava não mais numa estrada, mas numa belíssima avenida arborizada, cuja velocidade máxima era 35 milhas, repleta de casas no estilo das velhas mansões do Mississipi. Acrescente-se a isso as igrejas de diversos credos e correntes religiosas, em alguns casos uma ao lado da outra, convivendo, pelo menos arquitetonicamente falando, em paz e harmonia.

Baton Rouge (LA) - New Orleans (LA)

Marcha para o OesteO trecho de hoje era o mais curto e aparentemente o mais tranquilo, cerca de 70 milhas em uma Highway praticamente sem curvas e que tem os pântanos do Delta à direita e o Lake Pontchartrain à esquerda.

A região dos pântanos, inóspita para quem não a conhece muito bem, era o habitat dos índios seminoles. Quando escravos fugitivos eram encontrados pelos índios, estes os incorporavam à tribo (provavelmente para aumentar o número de guerreiros) e eles, ex-escravos, assumiam hábitos e costumes dos seminoles. Como resultado, existem tribos negras na nação seminole. Curiosamente, eles não se casam com os de outras tribos e se consideram índios e não "afrodescendentes".

Marcha para o OesteA recuperação da cidade após a devastação do Katrina é impressionante, até mesmo o setor hoteleiro, que já era muito forte, aumentou em muito a oferta de vagas com a construção de novos hotéis e ampliação dos antigos.

O French Quarter está totalmente recuperado. Os quatro teatros estão recuperados e todos funcionando a pleno vapor. O Superdome recebendo jogos da liga e quando o "Saints go marching in" a lotação dos hotéis esgota rapidamente.

Mas esta é uma cidade que aprendeu a superar desafios, foi assim nos grandes incêndios de 1788 e 1795 que destruiu as principais estruturas da cidade.

Marcha para o OesteNew Orleans (LA) - Pensacola (FL) 8 de setembro de 2013

Hoje pela manhã fui colocar a tralha na moto para pegar a estrada e encontrei com o Frank, o manobrista que hotel metido a besta chama de "Valet", e ele me avisou que a moto dele está ao lado da minha. O cara veio com a Moto Guzzi 750 para me mostrar. A moto só precisa de uma pintura e uma boa limpeza. Ela está íntegra e funcionando "redondinha".

O Frank, o Valet, arranjou uma vaga coberta para a Helô, o problema é que tinha que passar no meio de carros e entre eles tinha um com cara de mauzão. Este Camaro da segunda foto. Pedi a ele para chegar a viatura para a frente, passei com o maior cuidado, o carro é zero e o dono é um afro-descendente com mais de 2 m de atura.

Marcha para o OestePensacola (FL)

National Naval Aviation Museum - Pensacola

Hoje praticamente passei o dia no Museu de Aviação Naval de Pensacola. O único problema foi no portão da base, pois os milicos são intransigentes e exigiram que eu colocasse luvas, as compridas, e uma jaqueta de mangas compridas. Na mesma hora imaginei, esses sacanas sabem quem sou, conhecem minhas batalhas com meu biplano Sopwit Camel contra aquele maldito Barão Vermelho e já estão me pedindo para colocar o traje de voo. Acho que vou dar uma pilotada numa modernidade dessas...

Marcha para o OestePensacola (FL) - Live Oak (FL)

Mais uma vez, escolhi o caminho que vai contornando o Golfo do México. A semelhança com Cabo Frio é impressionante: a areia, as dunas, a vegetação das dunas, a cor do mar, só faltando mesmo o nordeste fazendo música nos coqueiros no bairro da Passagem, em Cabo Frio.

Tudo isso, ao mesmo tempo em que eu saboreava cada centímetro quadrado daquela paisagem, apertava o coração velho de guerra, como se fora um infarto, mas eram apenas as saudades das minhas gatinhas e dos meus cachorrões. Chega a doer. Mas é assim mesmo, não tem almoço de graça. Além do mais, eles são meus maiores incentivadores e vibram muito a cada etapa completada.

Marcha para o OesteSeguindo as dicas do Rodrigo, resolvi ir de Live Oak a Winter Garden, via Saint Augustine e Daytona Beach, ficando um dia em cada uma. Foi uma decisão das mais acertadas, pois a primeira cidade é um verdadeiro museu ao ar livre e Daytona Beach, além do belíssimo litoral, ainda tem o Daytona International Speedway e, além disso, uma das maiores concessionárias HD que já conheci ao lado de uma enorme JP Cycle. Uma verdadeira festa para quem curte.

Marcha para o OesteA despedida da Helô

Minhas andanças pelas estradas da vida ensinaram que as despedidas, apesar do aperto no coração, marcam apenas o início da contagem regressiva para um ansiado reencontro. E foi assim, com a alegria de reencontrar meu amigo Rodrigo Cabral, que comecei a me preparar para despedir-me da Helô, a fiel e perfeita parceira de uma tournê de 20.000 km, onde cruzamos 25 estados desta grande nação. Encontrei pessoas de vários países que me trataram como irmão. Os americanos, desmentindo a fama de formais e distantes, envolveram-me de atenção e carinho que deram início a grandes amizades.

CADASTRE-SE PARA RECEBER AS VIAGENS PUBLICADAS

Você poderá sair da lista de e-mail a qualquer tempo.