Mais uma vez, escolhi o caminho que vai contornando o Golfo do México. A semelhança com Cabo Frio é impressionante: a areia, as dunas, a vegetação das dunas, a cor do mar, só faltando mesmo o nordeste fazendo música nos coqueiros no bairro da Passagem, em Cabo Frio.

Tudo isso, ao mesmo tempo em que eu saboreava cada centímetro quadrado daquela paisagem, apertava o coração velho de guerra, como se fora um infarto, mas eram apenas as saudades das minhas gatinhas e dos meus cachorrões. Chega a doer. Mas é assim mesmo, não tem almoço de graça. Além do mais, eles são meus maiores incentivadores e vibram muito a cada etapa completada.

Quando, neste retão lindo, ví a placa para Madison, não conversei, a Helô inclinou sozinha e foi me ajudar a encontrar as tais pontes.

Valeu a pena, a cidadezinha é simpática, tranquila e encontrei porteiras que nos remetiam às gerais da infância. Queria homenagear uma amiga, mas não encontrei as tais pontes. Ano que vem volto lá, ou no outro, ou no outro, ou algum dia.....

Agora é acelerar, pois Live Oak nos espera...